GRAVATAÍ, 24/10/2019
coluna do martinelli

Reprodução de vídeo divulgado pela Polícia Civil que mostra momento do atentado

OPINIÃO | Atentado na Morada é Somália, não Paris

por Rafael Martinelli | Publicada em 22/10/2017 às 22h21| Atualizada em 31/10/2017 às 14h55

O que houve na Morada II nesta madrugada foi um atentado com duas mortes e 33 feridos, não apenas mais um confronto entre facções rivais.

O próprio delegado de homicídios Felipe Borba está tratando assim o caso.

Mesmo que tenha havido troca de tiros segundos antes em um bar na Eurico Lara, na Felipe Mate dezenas, centenas de pessoas da comunidade, principalmente meninos e meninas, se divertiam na rua e viraram alvos.

Como Gabriel Ataíde, 21, que tombou a tiro, sem antecedente criminal nas costas. Ou a Thaís Pires da Silveira, 24 anos, trabalhadora, mãe, que ao lado do marido buscava um churrasquinho para o filho de 7 anos. 

Só que um atentado na Morada do Vale é como um atentado na Somália, não em Paris. Rápido se esquece, a repercussão dura menos. Afinal, a Casa Grande só se choca quando as mortes em produção industrial saem das periferias e escapam das estatísticas do cabelo crespo e pele escura.

Mas o ‘menos um’ de ontem, tão comemorado nas redes sociais pelo ‘cidadão de bem’, significa a tomada do território pelo ‘menos um’ de amanhã. E inocentes, com o mesmo cheiro do sangue de ‘coringas e arlequinas’, inevitavelmente vão tombar nessa guerra onde se arrancam corações e é o estado que cava a própria cova sob os fuzis 5.56 e .30 desse poder paralelo.

Em tragédias sempre é fácil achar culpados, principalmente quando não temos soluções além de mais violência contra a violência. É a trincheira perfeita para o preconceito e a segregação. Ou o crucificar das vítimas no altar da hipocrisia. É terreno fértil para politicagem e teorias de diferentes matizes ideológicas que crescem em popularidades infladas pela desinformação e o ódio.

Depois desse domingo sangrento, o governador Sartori tem que agir por obrigação de ofício, mas lamento supor que pouco adiantará. Dando tudo certo, o máximo que poderia acontecer é o problema descer a ladeira de Gravataí e se entrincheirar em uma vila fundão qualquer de alguma cidade vizinha.

Dois ‘sociólogos’ da periferia, Mano Brown e Edy Rock, já descreviam cruamente, lá no início dos anos 2000:

(... ) Ei, senhor do engenho / eu sei bem quem você é / sozinho você não güenta / você disse o que era bom / e a favela ouviu / uísque, Red Bull, tênis Nike, fuzil/ seu jogo é sujo / e eu não me encaixo / eu sou problema de montão / de Carnaval a Carnaval / eu vim da selva, sou leão / sou demais pro seu quintal (...)

Enfim, quando qualquer coisa vale mais que a vida, o problema não atende mais por nome, sobrenome, patente ou cargo.

Falimos todos, como sociedade.

SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
Gráfica e Editora Vale do Gravataí
Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

redacao@seguinte.inf.br

Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.