>
notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 12/12/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | memória

    Angelines Fernández tem uma longa carreira para além do Chaves

    A verdadeira história da Bruxa do 71, do Chaves

    por Diego Nunes | Memória Cinematrográfica | Publicada em 04/12/2017 às 11h44| Atualizada em 04/12/2017 às 14h24

    Angelines Fernández ficou conhecida no Brasil por seu papel no seriado Chaves (1979-1990), dirigido por Roberto Gomez Bolaños e exibido há muitos anos no Brasil pelo SBT.

    Porém, Angelines já era uma veterana quando ingressou para o elenco da série, já tendo uma carreira artística de mais de trinta anos de atuação.

    Nascida em Madrid, Espanha, em 9 de julho de 1922, Angelines tinha apenas 17 anos quando viu a ditadura de Francisco Franco assolar seu país. Indignada com o avanço fascista e com a miséria imposta ao seu povo, ingressou nos grupos rebeldes que combatiam o governo franquista. Aos 25 anos foi descoberta pelos militares e passou a correr risco de vida.

    Foi quando então tomou uma decisão difícil, a de exilar-se no exterior para escapar da morte.


     

    Após passar por Cuba, seu destino original, a jovem migrou para o México em 1947. Lá encontrou com o ator espanhol Ángel Garasa, também refugiado da Guerra Civil espanhola. Para ajudar a compatriota, ele arranjou-lhe um pequeno papel como atriz em uma peça no Teatro Fabregas. Ela agradou tanto que no ano seguinte já era protagonista da peça 'La Casa del Loca' (1948), no Teatro Ideal.

    Angelines também começou a trabalhar como rádio-atriz, trabalhando nas rádio-novelas da Rádio XEW, na Cidade do México. Quando a televisão mexicana foi inaugurada em 31 de agosto de 1950, Angelines já era uma atriz popular, sendo o primeiro rosto a aparecer na transmissão inaugural da XE1GC, Canal 02 do México.

    Meses antes, ela retornara a Cuba para também inaugurar a televisão por lá.

    Ela passou a fazer diversas peças televisivas e só estreou em novelas em 1959, atuando na primeira versão de 'Teresa', estrelada por Maricruz Oliver. A novela era curta e teve a duração de apenas três capítulos.

     

    : Angelines Fernández, a esquerda, na televisão (1961).

     

    A atriz já era uma veterana do cinema mexicano, sendo uma das atrizes da época de ouro do cinema do país. Ela estreou nas telas grandes em 'Maternidade Imposible' (1955), estrelado por María Elena Marqués. Ela atuou em vinte e cinco filmes, tendo contracenado com grandes astros mexicanos como Arturo de Córdoba, Pedro Infante e Libertad Lamarque.

    Com Cantinflas, o cômico mexicano mundialmente famoso, ela fez vários filmes, entre eles 'O Padrezinho' (El Padrecito, 1964) e 'O Professor' (El Profe, 1971). Neste último, trabalhou com outro veterano do cinema mexicano, Ramón Valdez, que mais tarde ficaria conhecido como Seu Madruga (Don Ramón no original), na série Chaves.

    Ficaram amigos e foi ele quem sugeriu Angelines para o papel de Dona Clotilde, a Bruxa do 71.

    Apesar de uma longa carreira, foi com a série de Bolanõs que a atriz conquistou maior popularidade.

     

    Elenco de Chaves

     

    Ela permaneceu no elenco da série até 1990, quanto teve de se afastar devido a um câncer de pulmão. Neste mesmo ano estreou seu último filme, 'Bella entre Las Flores' (1990).

    Fumante inveterada, Angelines Fernandes faleceu em 25 de março de 1995, aos 71 anos.

     

    Angelines Fernandez

     

    Há diversas informações desencontradas e até mesmo falsas na internet sobre a atriz. A mais famosa delas é a que lhe atribui o retrato de outra atriz espanhola, a famosa Sarita Montiel, como sendo ela jovem. Apesar de bastante difundida, obviamente esta é uma informação equivocada. Abaixo o retrato de Sarita Montiel atribuído diversas vezes a Angelines Fernández.

     

    : Sarita Montiel

     

    Confira um compilado de atuações da atriz no cinema

     

    Diego Nunes é gaúcho, formado em Rádio e TV pela Universidade Metodista de São Paulo, é pesquisador da memória cultural e artística, e sua paixão é o cinema. Além disso, atua como diretor cultural da Pró-TV, Museu da TV Brasileira, e no departamento de arquivo da Rede Record de Televisão.

    Acompanhe-o pelo Memória Cinematográfica.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.