notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 17/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    unique center

    Obras nos prédios comerciais ao lado do Shopping Gravataí devem ficar prontas até o final do ano que vem. Compradores estão bancando a construção.

    Retomada a construção das salas comerciais ao lado do shopping

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 06/08/2017 às 18h21| Atualizada em 09/08/2017 às 19h34

    Magazine Incorporações, empresa do M. Grupo dos sócios Lourival e Ciro Rodrigues, levantou cerca de R$ 40 milhões na época das vendas do Unique Businesse Center em 2012, hipotecou os prédios ao lado do Shopping Gravataí para tomar financiamentos e não entregou as obras que agora, para serem acabadas, ainda serão necessários mais R$ 5 ou R$ 6 milhões.

     

    A obra já foi retomada. Desde o mês de junho, de forma mais efetiva. Uma construtora já está dando andamento ao que foi deixado para trás nos dois blocos de salas comerciais localizados ao lado do Shopping Gravataí depois que a Magazine Incorporações, empresa da holding M. Grupo do empresário Lourival Rodrigues e de seu filho e sócio Ciro, entrou em um ‘parafuso’ financeiro e em situação falimentar, condição oficialmente decretada pela Justiça no começo deste ano.

    Dos dois prédios, cerca de 75% da obra já foi executada de acordo com o advogado Flávio Luz, que representa o grupo de compradores num processo que não vai ressarcir os compradores de todos os prejuízos que tiveram - desde que pagaram pelas salas e não receberam as chaves das mesmas - mas que tem a finalidade de amenizar as perdas, concluir a construção e permitir que os compradores utilizem os imóveis ou, mais adiante, os negociem.

    De acordo com o advogado, diretor do escritório Flávio Luz Advogados Associados, instalado num luxuoso 2.500 da avenida Borges de Medeiros junto ao Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre, as duas torres compreendem 234 salas comerciais, mais boxes de estacionamento. Deste total, apresentaram-se e subscreveram uma ação judicial em conjunto, 190 compradores.

    A previsão é de que o prédio esteja totalmente pronto até o final do ano que vem, mesmo sem manifestação dos adquirentes das outras 44 salas. Estes, se não aparecerem, tendem a ficar no prejuízo já que a legislação prevê que, nestas situações, os imóveis não reivindicados (e que podem até estar ainda na posse do M. Grupo) sejam leiloados e o dinheiro revertido ao condomínio que está tocando a finalização com recursos próprios.

     

    ‘Juridiquês’ de tribunal

     

    Segundo o advogado Flávio Luz, que recebeu a reportagem do Seguinte: com cafezinho e água mineral em uma suntuosa sala de reuniões com amplas janelas que permitem uma ampla visão do belo lago (rio, para a maioria!) do Guaíba, a finalização da construção tem o aval da Justiça que destituiu a Magazine Incorporações em primeira instância, em Gravataí, sentença que foi confirmada após os recursos e no julgamento do mérito.

    A decisão por tocar em frente a obra no regime de condomínio se deu durante uma segunda assembleia dos compradores. O grupo optou por contratar uma empresa e autorizar o serviço após a fixação de prazo de entrega e forma de pagamento, entre outros detalhes. Flávio Luz, com um ‘juridiquês’ de tribunal, se nega porém em falar nos valores pagos, no prejuízo dos seus clientes e quanto ainda eles terão que desembolsar até ocuparem as salas.

    Sobre as outras 44 salas, diz que quem as comprou correm o risco de perder todo o dinheiro que investiram se não aparecerem a curtíssimo prazo. Ele se apega na legislação que trata das questões imobiliárias e que vem lá do ano de 1964 para sustentar que estas salas, se não tiverem posse reivindicada e se seus donos não se integrarem à gestão condominial do restante das obras, vão reverter ao fundo constituído para acabar o empreendimento.

    --- Os não aderentes (ao condomínio) ou não conhecidos, ou que não se apresentaram, e que não pagarem três quotas condominiais, o condomínio, por comissão de representantes prevista em lei, pode alienar as unidades em leilão, para que o recurso seja empregado para completar as quotas construtivas e as sobras restituídas aos proprietários --- diz Flávio Luz.

    Embora desconhecidos a presunção é de que sejam de propriedade da construtora.

     

    : Flávio Luz, com 30 anos de advocacia na área imobiliária, representa compradores do Unique Center lesados pelo M. Grupo

     

    100% do valor pago

     

    O advogado Flávio Luz revela que a grande maioria dos compradores – dos 190 adquirentes que fazem parte agora do condomínio que toca o restante da construção – pagou na integra o valor de comercialização das salas na época do lançamento do empreendimento, lá em 2012.

    Mas deixou escapar...

    --- Eu não tenho condições e nem gostaria de divulgar. Embora o processo seja público não gostaria de expor os números. Mas, assim, vamos admitir que cada sala tenha sido comercializada em valores entre R$ 150 mil e R$ 200 mil, multiplicado pelo número de unidades, dá para ter uma noção do que a Magazine Incorporações conseguiu amealhar.

    Traduzindo: Se as 234 salas foram vendidas, lá atrás, por um preço médio de R$ 175 mil, estamos falando em R$ 41 milhões, sem qualquer correção.

    O que ainda precisa ser investido, em dinheiro, para o término da obra, em uma estimativa superficial, está atualmente em cerca de R$ 5 a R$ 6 milhões de acordo com o advogado. A esta cifra ainda devem ser acrescidos valores fiscais-tributários mais eventuais adequações do projeto original, como, por exemplo, as novas exigências do Plano de Prevenção e Combate a Incêndio (PPC), decorrentes da nova Lei Kiss.

     

    Negligência bancária

     

    Um pequeno-grande senão que ensejou uma outra ação judicial, ainda em andamento, é o fato de a Magazine Incorporações, através dos sócios Lourival e Ciro, após terem vendido as salas comerciais destas duas torres terem hipotecado os prédios para tomar recursos junto a uma instituição financeira.

    Mais do que a conclusão da obra e regularização do imóvel, em benefício dos compradores que representa, o escritório comandado por Flávio Luz requer na Justiça uma indenização relativa aos custos diretos e indiretos para o término da obra e dos lucros cessantes desde quando a obra deveria ter sido entregue em outubro de 2013 até quando ela, efetivamente, vai estar concluída, e além de danos morais.

    Contra a instituição financeira há uma ação por entendimento de que a mesma não adotou os procedimentos necessários em relação a Magazine Incorporações quando esta pediu dinheiro emprestado e deu como garantia os prédios que já estavam vendidos. Ou vendidos quase na totalidade.

    --- Entendemos que não foram tomados os cuidados necessários ao conceder o financiamento para a Magazine Incorporações. Por uma série de motivos, até porque a obra já estava parada, houve negligência por parte da instituição financeira que sequer conferiu se já não havia unidades alienadas --- explicou.

    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.