notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    com vídeo

    Marco Alba na reunião com produtores rurais na tarde desta segunda

    Para agricultores ligarem sua terra – e o bolso – ao mundo

    por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 04/09/2017 às 20h47| Atualizada em 13/09/2017 às 14h51

    Plano Diretor Rural ajudará agricultor a escolher o que, onde, quando e como plantar. Culturas diferentes e em expansão no mundo podem ser uma alternativa rentável à tradição do milho e hortifrutigranjeiros

     

    O Caio Rocha contou há pouco a história do interrogatório meio a la Dom Quixote que Cezar Schirmer respondeu a produtores e investidores quando foi à Espanha tentar importar a tecnologia para a cultura de oliveiras em Santa Maria.

    – Como é o clima lá, prefeito?

    – Bom.

    – Como é o solo?

    – Muuuuito bom!

    – Qual a cultura mais adequada ao solo de vocês?

    – (...)

    A história contada pelo secretário nacional de Segurança Alimentar nesta segunda em Morungava na primeira reunião de trabalho com produtores para elaboração do ‘plano diretor rural’ de Gravataí inspirou o prefeito Marco Alba a buscar e conseguir mais de meio milhão do governo federal para fazer uma pesquisa de solo e clima em toda área de plantio, o chamado zoneamento edafoclimático.

    – Sabendo o que é melhor plantar conforme a terra e as condições do tempo, o agricultor consegue lucrar mais em menores espaços e não se mete em aventuras – resume o prefeito, que passou a tarde no bonito distrito, reunido na igreja Santa Luzia com o representante de Brasília, técnicos da Emater e da Embrapa, e os personagens principais do dia: pequenos produtores rurais de Gravataí.

    – O levantamento à disposição hoje no Rio Grande do Sul avalia o solo numa escala de 1 para 750 mil hectares. O que será feito em Gravataí vai de 1 para 50 mil. É uma radiografia quase perfeita das condições de qualquer cultivo nas terras da zona rural – resume Caio Rocha, com um currículo de mais de 20 anos de campo como ex-secretário estadual da Agricultura e ex-chefão da Emater e Embrapa.

    – Falando mais diretamente: com um estudo das condições do solo e a escolha da produção adequada, o produtor vai ao Banco do Brasil e consegue financiamento muito mais fácil – explicava Marco Alba, nas conversas informais com agricultores locais e técnicos do setor como a chefe da Emater Vanessa Sperotto, o presidente do Sindicato Rural Manoel Valim, o presidente do Conselho de Desenvolvimento Rural José João Melo, o subprefeito do distrito Jorge Schroder e o presidente do Sindilojas, José Rosa, além de uma comitiva de secretários de Glorinha e o deputado federal Jones Martins.

    A idéia é, em um ano, entregar aos agricultores uma ‘radiografia’ das características da zona rural de Gravataí, para facilitar a escolha dos produtores sobre o quê, e em que época, plantar: seja numa opção pela tradição, com o milho, que hoje responde por mais da metade do que brota das terras locais, ou por culturas mais inovadoras que podem fazer com que ‘Oliveiras’ se torne mais do que o sobrenome de uma das mais tradicionais famílias do município.

    Instigando os produtores, Caio Rocha fez uma explanação sobre culturas ainda tidas como exóticas, mas que casam com as peculiaridades gaúchas, e que representam mercados internacionais em expansão nos últimos dez anos, como a lentilha, que cresceu 371% e o grão de bico, 252%. Porcentagens traduzidas em milhões comercializados dos Estados Unidos ao Sudão.

    – Por vezes, uma cultura bem escolhida dá rentabilidade em pequenas porções de terra – observou, sob olhares naturalmente ainda desconfiados de cerca de uma centena de pequenos agricultores que, em sua maioria, aprenderam a lida com os pais em culturas tradicionais da região, como milho e hortifrutigranjeiros.

    – A gente vai plantando como sabe, pela experiência do passado, acertando e errando. Claro que sabendo a terra melhor para cada coisa, ajuda – simplificou João Batista Pacheco Guedes, 50 anos, que há duas décadas tira o sustento da família cultivando verduras em uma propriedade de seis hectares em Morungava.

    Para plantar uma semente do futuro, o Seguinte: pediu para o secretário da Agricultura Denner Gelinger fazer uma aposta no que será o futuro do setor, em Gravataí:

    – Orgânicos.

     

    Confira EM VÍDEO como foi o evento e o que foi dito por autoridades, técnicos e produtores

     

    • minuto seguinte
      Jones entre os 15 melhores parlamentares
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • festa campeira
      Rodeio espera 100 mil pessoas até domingo
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • histórias da bola
      O Gre-Nal do ministro
      por Cláudio Dienstmann
    • minuto seguinte
      Marco Munhoz vem a Gravataí falar sobre o futuro da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dicas
      O verdadeiro e o falso na Black Friday
      por Fraga
    • 3º Neurônio | festil
      É noite de Oscar em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • no por do sol
      Ex-BBB vem a Gravataí para festa na Casa dos Açores
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.