notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    prisão ao ar livre

    Custódia de presos em viaturas na frente do prédio das delegacias no Parque dos Anjos acabou na semana passada, depois de aproximadamente um ano e meio de caos

    Para onde estão indo os presos de Gravataí

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 08/11/2017 às 17h58| Atualizada em 14/11/2017 às 17h01

    A cadeia ao ar livre na frente do prédio do Parque dos Anjos onde se concentram delegacias como a Regional de Polícia, de Pronto Atendimento, da Mulher e a de Homicídios está fechada aos novos presos. Pelo menos por enquanto.

    É que desde a terça-feira da semana passada (31/10) os detentos que vinham sendo custodiados por policiais militares dos batalhões da Brigada Militar de Gravataí (17º BPM) e Cachoeirinha (26º BPM), além da Guarda Municipal de Gravataí, estão recolhidos às celas, nas cadeias.

    Ou seja, o governo do estado cumpriu o que prometeu o secretário da Segurança Pública, Cezar  Schirmer, ao seu colega peemedebista e prefeito de Gravataí, Marco Alba, no corre-corre da segunda-feira posterior ao atentado da Morada do Vale II.

    No ataque, madrugada de 22 de outubro, morreram duas pessoas e outras 33 ficaram feridas. Foi a gota d’água que faltava para um veemente pedido de socorro que pretendia ter, até mesmo, a Força de Segurança Nacional no patrulhamento de Gravataí.

    Mas se o cadeião vexatório dos presos empilhados e algemados dentro de viaturas da BM e da Guarda Municipal acabou, para onde estão sendo levados agora os novos presos de Cachoeirinha e Gravataí?

    --- Para a cadeia, ora bolas! --- pode responder o leitor, com razão.

     

    Margens do Jacuí

     

    É que outra promessa do secretário Schirmer, bem ao estilo do melhor oportunismo político, de ativar a Penitenciária Estadual de Canoas, a Pecan, construída quase na divisa daquele município com Cachoeirinha, vem surtindo efeito.

    Quem cai nas garras dos policiais civis ou militares, tanto em Gravataí quanto em Cachoeirinha, está sendo levado para a Pecan depois que o estado designou agentes da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) garantindo pelo menos 200 novas vagas no sistema.

    Uns poucos ainda são levados para o combalido e controverso Presídio Central, na Zona Leste de Porto Alegre, que pelos planos de governos passados já nem deveria existir mais. Pelo menos nas condições atuais.

    E há, ainda, os que são levados para o município de Charqueadas, onde está um complexo prisional que tem a velha Penitenciária Estadual do Jacuí, a Modulada Estadual de Charqueada e a de Alta Segurança de Charqueadas.

    Para as margens do Jacuí são levados principalmente aqueles que são recapturados perambulando e dando mole pelas ruas ou que são pegos em flagrante delito, mas que são foragidos do sistema, e condenados que ainda não haviam sido presos.

    Ou, simplesmente, apenados de bom comportamento e autores dos chamados crimes de menor potencial ofensivo, que saíram para passar com a família uma data festiva e não retornaram para a cadeia.

     

    Tráfico de drogas

     

    De acordo com o titular da Regional de Gravataí, delegado Volnei Fagundes Marcelo, pelo menos três novos presos vão parar, por dia e em média, no xadrez do complexo de DPs do Parque dos Anjos. No local eles ficam pelo menos 24 horas antes de serem levados para o sistema carcerário.

    A grande maioria, de acordo com o delegado Volnei, por flagrante de tráfico de drogas. Na segunda posição no ranking da criminalidade que leva à cadeia estão os roubos (crimes praticados a mão armada) e receptação (rpincipalmente de veículos roubados ou furtados).

    O tenente-coronel Vanderlei Mayer Padilha, comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar de Gravataí concorda com o delegado regional quanto à principal motivação das prisões realizadas na região.

    Mas, antes, coloca a recaptura de presos que fugiram de alguma cadeia ou a captura de presos procurados (condenados que ainda não haviam sido presos para cumprir suas penas). Depois, não vacila: é o tráfico de drogas.

     

    Reforço importante

     

    Sobre o alívio que representa a saída das viaturas lotados de presos da frente das delegacias, o regional Volnei Marcelo alimenta uma otimista expectativa, de que a situação não volte a se repetir.

    --- Particularmente eu espero que isso (o fim da cadeia ao ar livre) seja definitivo depois de uma situação que se estendeu por praticamente um ano e meio e que virou um caos depois de abril deste ano --- disse.

    Ele lembrou que a Penitenciária Estadual de Canoas foi projetada para receber em torno de 2,7 mil detentos e que, até agora, foi aberto espaço para 700 apenados, desafogando principalmente as delegacias da Região Metropolitana.

    --- É pouco tempo para avaliar se essa é uma situação definitiva, mas acredito na boa vontade do secretário de Segurança que prometeu que colocaria fim naquela situação, e cumpriu --- afirmou o delegado.

    Outro comentário feito pelo delegado Volnei refere-se ao reforço de seis agentes da Polícia Civil designados para auxiliar nas ações, principalmente na investigação dos crimes mais graves, na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, a DHPP.

    O reflexo tem sido o aumento de inquéritos concluídos e aptos para serem remetidos à Justiça, e na solução de casos como o ataque de outubro onde acontecia uma “social” na Morada do Vale II.

    --- As investigações (deste atentado) estão bem adiantadas --- limitou-se a dizer agora à tarde ao Seguinte:, alegando que o sigilo faz parte da estratégia para esclarecer o caso e realizar a prisão dos culpados.

     

    Números mantidos

     

    O comandante da Brigada Militar de Gravataí afirmou que o número de prisões se manteve na média, mesmo depois da chegada do reforço para o policiamento ostensivo em Gravataí e região.

    A explicação do oficial é que a movimentação maior de viaturas e policiais tanto no centro quanto nas vilas e bairros de Gravataí inibe o que classificou como “prática delitiva”. No popular: a presença ostensiva da polícia meteu medo nos bandidos.

    --- Mesmo com o reforço que recebemos para o policiamento ostensivo o número de prisões se manteve, não houve aumento. O diferencial foi a redução da prática delitiva por causa do maior volume de policiais e viaturas --- afirmou o comandante.

    O tenente-coronel Padilha admite que o reforço na ação da Brigada Militar pode ter feito os criminosos migrarem, e disse que isso pode acontecer de duas maneiras: no tempo e no espaço.

    No tempo, segundo ele, é quando o delinquente literalmente “dá um tempo” se afastando das ações criminosas para evitar a prisão. E no espaço é quando ele muda de região, ou de cidade, para continuar sua ação delituosa.

    --- O assaltante não se arrepende assim, de uma hora para outra, e nem vai deixar de ser assaltante. A mesma coisa é com o matador, aquele que está a serviço do tráfico de drogas. Ele não vai deixar de ser matador, mas pode mudar sua região de ação --- explicou.

     

    Metade da população

     

    Sobre o fim da prisão ao ar livre, Padilha não foi tão otimista quanto o delegado regional, Volnei Marcelo.

    --- Não acredito que aconteça outra vez, pelo menos temporariamente, ou pelo menos não tão cedo. O problema é que os presídios têm capacidade limitada e esta capacidade pode se esgotar porque a criminalidade não para de crescer --- entende o comandante.

    Ele comentou que há cerca de cinco anos, um pouco mais talvez, as autoridades da segurança pública do Rio Grande do Sul não imaginavam que uma situação tão grave quanto a atual, do sistema penitenciário, pudesse acontecer.

     

    --- SE NÃO HOUVER INVESTIMENTO NA PREVENÇÃO VAI CHEGAR A UM PONTO EM QUE METADE DAS PESSOAS VAI ESTAR, OU DEVERIA ESTAR, NA CADEIA.

    Tenente-coronel Vanderlei Padilha
    Comandante do 17º BPM de Gravataí

     

    LEIA TAMBÉM

    Prisão ao ar livre está lotada em Gravataí

    OPINIÃO | Não existe mais cadeião ao ar livre em Gravataí

    • minuto seguinte
      Guru espiritual de prefeito é da Morada do Vale
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • Enart 2017
      Paulo Adriane é o tempo do CTG Aldeia, no Enart, 30 anos depois
      por Silvestre Silva Santos
    • minuto seguinte
      Prefeito assina ordem para duplicar a 030
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • música
      Curtindo a Evellyn Pires ela vira diva
      por Redação
    • proerd
      Quando PM é professor contra drogas e violência
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aline dos cartazes
      Histórias de detetive particular
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.