notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/02/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    educação

    Interdição dos quatro pavilhões com salas de aulas e a anunciada possibilidade de extinção de vagas para novos alunos a partir de 2020 preocupam pais e mães de alunos da Escila Tuiuti.

    COM VÍDEO | Comunidade escolar teme o fim da Tuiuti

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 18/11/2019 às 17h37| Atualizada em 25/11/2019 às 13h13

    Uma certeza: As aulas de 2019 estão asseguradas e os alunos vão concluir o ano letivo que está chegando ao fim.

    Uma incerteza: O ano letivo de 2020 pode até nem começar. Mas o que já é dado como certo é a supressão de vagas nas séries iniciais.

    Esta é a situação desta segunda-feira (18/11) na Escola Estadual de Ensino Médio Tuiuti, que teve três pavilhões – o equivalente a 12 salas de aulas – interditados na semana passada. Um dos pavilhões com outras quatro salas está interditado desde o meio do ano.

    A medida foi determinada pela Secretaria de Obras do Estado diante da precariedade das instalações já que foi retirado o forro de todos os pavilhões depois de uma inspeção que apurou o risco de acidente. O material poderia cair e atingir alunos. Com isso, os alunos ficaram sem ter onde estudar.

    A direção da Tuiuti, entretanto, desde que a interdição das salas de aula foi anunciada quinta-feira, mobilizou a comunidade escolar e articulou alternativas que resultaram na retomada das atividades nesta segunda-feira. Mesmo dia em que começou uma nova greve do Magistério estadual contra medidas anunciadas pelo governo.

    --- Nós vamos permanecer firmes, aqui, para que a escola continue e possamos finalizar o ano letivo --- disse a professora Geovana Rosa Affeldt, diretora da escola há cerca de quatro anos, acrescentando que dos cerca de 60 professores que a Tuiuti tem, apenas três aderiram à paralisação decidida na semana passada.

    Prestes a iniciar o período de férias escolares, a diretora Geovana se mostra uma incorrigível otimista e nutre, ainda assim, a expectativa de que o governo do estado equacione os problemas da Escola Tuiuti e resolva a questão estrutural – e da rede de energia – até a data de início do ano letivo de 2020.

    --- Espero que a gente não sofra com a redução de vagas, que pode acontecer se nada for feito para recuperar os prédios. Se isso ocorrer vai ser um prejuízo muito grande para a comunidade. Esperamos que o governo se mobilize, se sensibilize e nos atenda --- afirmou.

     

    Menos turmas

     

    A diretora admite que não houve até agora qualquer sinalização de parte das autoridades estaduais, tanto da secretaria de Educação do estado, quanto da secretaria de Obras e Habitação, no sentido de serem realizadas as obras que são necessárias nas instalações da Escola Tuiuti.

    Já sobre a redução de vagas, ou não abertura de matrículas para alunos oriundos de outras regiões, Geovana Affeldt confirmou que já há firmes indícios de que a medida vai ser mesmo tomada . Isso vai significar, na avaliação da diretora, a extinção de seis a oito turmas em relação às que existem hoje.

     

    EM CHOQUE

     

    1

    O problema na Escola Tuiuti se arrasta desde 2016 quando a diretora reivindicou a substituição e melhoria das instalações eleétricas.

     

    2

    O dinheiro para o trabalho, R$ 120 mil, chegou a ser obtido pelo governo junto ao Bando Interamericano de Desenvolvimento, o Bird.

     

    3

    Como o serviço não foi executado, o valor teve que ser devolvido – o que aconteceu no dia 31 de maio passado.

     

    Ações de mães

     

    Um grupo de pais e mães de alunos da Escola Estadual Tuiuti está mobilizado e, literalmente, “correndo atrás da máquina” para que as aulas não sejam prejudicadas e não aconteça o fechamento de turnos através da extinção de vagas a partrir do ano letivo de 2020.

    Marília Silva dos Santos tem três filhos estudando na Tuiuti. Ela não concorda com a forma como o governo interditou as instalações da escola, sem anunciar um cronograma para a realização das obras.

    --- Se eles fizessem a interdição dizendo que iriam começar a fazer a reforma, a gente aceitaria, claro. O que é um cúmulo é fazer a interdição sem ter planejamento de obra, sem anunciar quando vai ser feita a reforma --- afirmou.

    As mães estão mobilizando a comunidade escolar e anunciam que vão recorrer a todas as esferas judiciais cabíveis para assegurarem o direito dos filhos de continuarem estudando na Tuiuti, e para que as obras sejam feitas garantindo a segurança e o bem-estar dos quase 1.200 alunos do educandário.

     

    Quatro operações

     

    1

    Somar, diminuir, multiplicar e dividir são as quatro operações da Matemática que a direção da escola colocou em prática para acomodar os alunos e ter condições de continuar as aulas, apesar dos pavilhões das salas de aula estarem interditados.

     

    2

    Nesta segunda-feira, parte dos alunos se dividiu na manhã e tarde entre outras dependências da Tuiuti, o Centro de Tradições Gaúchas Carreteiros da Saudade e o Instituto federal – IFSul.

     

    3

    Nos turnos da manhã e tarde, sete turmas se dividiram em duas instalações do Carreteiros da Saudade, enquanto outras sete ficaram na escola (no refeitório, salão de eventos – quatro turmas – e na sala dos professores.

     

    4

    Na parte da noite segundo anunciou a diretora Geovana Affeldt três turmas seriam deslocadas para o IFSul, que tem instalações vizinhas à escola, e duas turmas continuariam com aulas nas salas adaptadas e no pavilhão de eventos.

     

    LEIA TAMBÉM

     

    A interditada Tuiuti se distribui na vizinhança e retoma aulas na segunda

    Estado interdita mais 12 salas de aula da Tuiuti e escola para 1.200 alunos está ameaçada

    Conselho vai dar ultimato ao governo sobre obras na Escola Tuiuti

     

    Confira o vídeo com a reportagem do Seguinte: na Escola Tuiuti, nesta segunda-feira. Clique na imagem abaixo para assistir.

     

     

     

     

     

     

    • coluna do silvestre
      SPA urbano quer abrir franquias na região
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      Previdência custará 6 vezes mais que financiamentos de Gravataí; a conta de Davi
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | tecnologia
      Como apagar dados pessoais que não deveriam estar na rede
      por Isabel Rubio | El País
    • opinião
      Os candidatos do Maroni em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Às portas da ditadura; do ’vilão de estimação’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel e ’Os Homens Que Não Amavam As Mulheres’
      por Rafael Martinelli
    • obras
      Inaugurada nova iluminação de trecho municipalizado da ERS-020
      por Redação
    • opinião
      João Paulo candidato a prefeito de Cachoeirinha pelo PP; os 38 investigados na Lava Jato
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Creche de Jornal Nacional’ abriu; a razoabilidade na crítica
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Mais de 150 mil veículos vão para as praias
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      As CPIs ’napoleão de hospício’ de Cachoeirinha; entendo Groucho
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Não tem Jesus para crise dos médicos em Gravataí; nem arminha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Trolador da Globo’ faz vídeos para Anabel em Gravataí; a esquerda vive
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Acordo do Mato do Júlio é bom negócio; Greta Thunberg fica para amanhã
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.