notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/12/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do martinelli

    Vereadores Gravataí aprovaram lei em 2015 na tentativa de proibir Uber em Gravataí

    EXCLUSIVO | A lei anti-Uber de Gravataí está no tapetão

    por Rafael Martinelli | Publicada em 28/07/2017 às 13h19| Atualizada em 01/08/2017 às 12h04

    Justiça está próxima a decidir sobre lei anti-Uber em Gravataí. Procuradoria Geral do Estado pede inconstitucionalidade da legislação, Câmara defende proibição e Prefeitura silencia

     

    A ‘lei anti-Uber’ de Gravataí pode ser derrubada a qualquer momento pelo Tribunal de Justiça gaúcho.

    Conforme o Seguinte: apurou, há 11 dias está para conclusão nas mãos do desembargador-relator Alberto Delgado Neto uma Ação Direita de Inconstitucionalidade (Adin) movida pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) contra a lei criada em novembro de 2015.

    A PGE ingressou em 22 de fevereiro com a ação que, além de questionar a competência da Câmara de Gravataí para legislar sobre tema que considera da alçada da União, tem como pilar a fragilidade da legislação aprovada por unanimidade dos vereadores, que apenas proíbe, sem regulamentar, o transporte individual de passageiros por aplicativos.

    – As razões apontam existência de vício de inconstitucionalidade na pretensão de obstar a referida atividade, de natureza eminentemente econômica, nos moldes levados a efeito pela legislação inquinada (que se constitui puramente proibitiva, e proibir não é regulamentar) o que fere uma série de princípios constitucionais, notadamente o da livre concorrência, do livre exercício da atividade econômica, o direito de escolha do consumidor e o preceito da razoabilidade – alerta a PGE, que na conclusão argumenta que “a exploração de transporte individual remunerado de passageiros, realizado por motoristas particulares cadastrados em aplicativos, é atividade essencialmente econômica, direcionada ao atendimento do interesse dos contratantes e submetida, em razão de sua natureza, aos princípios constitucionais da livre iniciativa e da livre concorrência” e “a lei assevera que o transporte de pessoas, em caráter privado, independe de concessão ou permissão”.

    - Por não ser serviço público não está submetido à concessão ou à permissão oriunda do Poder Público. A norma ao coibir o exercício da atividade, legislando em sentido diverso daquele preconizado pela legislação federal, usurpou a competência privativa da União, extrapolou o seu poder supletivo e regulamentar em se tratando de transporte – conclui a Adin.

     

    LEIA TAMBÉM

    Uber é proibido em Gravataí

     

    Prefeitura silencia, Câmara grita

     

    Intimados pelo TJ em março deste ano, a Prefeitura silenciou e a Câmara apresentou defesa da validade da ‘lei anti-Uber’, sustentando competência para legislar sobre o tema.

    - O serviço público de transporte individual de passageiros explorado por particular enquadra-se no conceito de serviço público permitido, devendo, por esta razão, ser instituído, tão somente, em virtude do interesse público, e, não, por meio de aplicativos ou ferramentas tecnológicas – argumenta a defesa do legislativo, que acrescenta que “por se tratar de serviço público, não prescinde de procedimento licitatório”, e sustenta sua “competência e autonomia, conferidas pelas Constituições Federal e Estadual, para legislar sobre a organização dos serviços de transporte individual de passageiros, inclusive, a respeito da proibição, ou não, de outra modalidade que não a já existente e regulamentada no âmbito do Município”.

    - (por isso) O legislador municipal optou por proibir a circulação de veículos de transporte individual cadastrados em aplicativos, mais conhecidos como Uber – conclui a defesa.

     

    LEIA TAMBÉM

    COM VÍDEO | Como foi a audiência pública da lei anti-Uber

     

    Uber, ‘amigo da corte’

     

    Dia 6 de junho, o relator no TJ aceitou o pedido do Uber de participar da ação como amicus curiae (amigo da corte), uma espécie de ‘colaborador da justiça’.

    O argumento da empresa foi que seu aplicativo de tecnologia “tem sido o principal fator desencadeador de uma verdadeira revolução na maneira como as pessoas interagem, trabalham e se locomovem”.

    Na decisão, o desembargador observa que a figura do amicus curiae “se presta a permitir a ampliação do debate prévio decisório, especialmente quando a matéria é de relevância para a sociedade ou determinado grupo social” e cita jurisprudência de2015 em Adin relatada pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, decidindo que “o amicus curiae é um colaborador da Justiça que, embora possa deter algum interesse no desfecho da demanda, não se vincula processualmente ao resultado do seu julgamento, que não atinge sua esfera jurídica em condições diferentes do que as demais pessoas desvinculadas da relação processual. É que sua participação no processo ocorre e se justifica, não como defensor de interesses próprios, mas como agente habilitado a agregar subsídios que possam contribuir para a qualificação da decisão a ser tomada pelo Tribunal. A presença de amicus curiae no processo se dá, portanto, em benefício da jurisdição, não configurando, conseqüentemente, um direito subjetivo processual do interessado”. 

    - Na espécie, a representatividade está demonstrada nos autos, na medida em que o Uber do Brasil Tecnologia Ltda. representa no caso não só a empresa interessada na solução, mas um segmento social interessado na utilização do aplicativo, com a finalidade conferir escala de transporte individual privado de passageiros, revelando interesse difuso evidente – decidiu o relator.

     

    LEIA TAMBÉM

    Retirado projeto que liberaria Uber em Gravataí

     

    Polêmica estacionada

     

    Nesta quinta-feira as redes sociais engarrafaram, principalmente de críticas, após o Seguinte: informar que, sob a justificativa de que a Prefeitura prepara lei regulatória, o vereador Alan Vieira (PMDB) retirou da pauta de votação da Câmara projeto de sua autoria que previa a anulação da ‘lei anti-Uber’ em Gravataí.

    - Reitero que sou favorável ao uso de aplicativos de transporte, tendo o consumidor a livre opção de escolha, com segurança, acessibilidade e preço justo - argumenta o parlamentar, que ao saber do conteúdo da Adin, que alerta para falhas na lei ao apenas proibir e não regulamentar o serviço, anunciou que vai reapresentar o projeto semana que vem.

    No GPS da polêmica, a certeza de que, até uma decisão do TJ, o governo não deve propor nenhuma legislação e o 'pode-não-pode' do Uber seguirá estacionado na aldeia.

     

    • empresas de valor
      TDK: poucos conhecem, mas todos usam
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • crime na saúde
      Ex-vereador de Gravataí é citado no Caso Gamp
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      Começa a duplicação das pontes do Parque
      por Silvestre Silva Santos
    • histórico
      PC Magalhães, o caçula do mundial tricolor
      por Eduardo Torres
    • app
      Aplicativo para deixar as mulheres mais belas
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do silvestre
      Gravataí ganha café de R$ 750 mil nesta sexta
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Precisa vereador pedir dinheiro para Marcha para Jesus?
      por Rafael Martinelli
    • crime
      Mansão em Cachoeirinha é elo entre tráfico e política
      por Eduardo Torres
    • funcionalismo
      Ano vai terminar sem greve em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Já se sabe onde investir, resta cobrar pela água
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Queremos sangue, como o matador de Campinas?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      RS-118 não fica pronta no ano que vem
      por Silvestre Silva Santos
    • rs em crise
      OPINIÃO | Perderemos 32 milhões se baixar ICMS
      por Rafael Martinelli
    • investimento
      A boa notícia de 700 empregos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      OPINIÃO | Gravataí ainda não preencheu vagas de médicos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Shopping vai dar muitos presentes de Natal
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • seca
      Sem chuva, captação no Rio Gravataí pode parar
      por Eduardo Torres
    • redes sociais
      Vereador ganha liminar para excluir post de eleitor
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      OPINIÃO | Inocente bom é inocente vivo
      por Rafael Martinelli
    • crime na saúde
      Empresa levou R$ 500 mil supostamente desviados
      por Eduardo Torres
    • crime na saúde
      Ex-secretária de Gravataí é sócia de empresa no alvo do MP
      por Eduardo Torres
    • crime na saúde
      Empresa de Gravataí envolvida em desvio na saúde
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.