notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/02/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    gravataí e cachoeirinha

    Professores de Gravataí na Câmara de Vereadores, nesta terça

    Dos 60 aos 6 dias, 5 diferenças entre as greves

    por Rafael Martinelli | Publicada em 16/08/2017 às 18h28| Atualizada em 21/08/2017 às 16h23

    Neste ano, o funcionalismo parou por 60 em Cachoeirinha, na maior greve da história do município. Em Gravataí, professores estão parados desde segunda-feira.

    O Seguinte: lista 5 diferenças entre as duas paralisações, que podem influenciar diretamente no tempo de duração de cada movimento.

     

    1. ENTRE O SALÁRIO E A IDEOLOGIA

    Enquanto em Cachoeirinha o funcionalismo parou antes, durante e depois da aprovação do chamado ‘pacotaço’ apresentado pelo prefeito Miki Breier (PSB), que mexeu em triênios, qüinqüênios, gratificações, vale-alimentação e em planos de carreira que garantiam mais que dobrar alguns salários em uma década, em Gravataí o prefeito Marco Alba (PMDB) fez ajustes polêmicos na folha de pagamento ainda em 2013 (como a retirada da incorporação das convocações e o pagamento na quinzena) e em 2015 (como o aumento da contribuição dos servidores de 11% para 14% para o Ipag Previdência, e a criação de alíquota de 1% por dependente inscrito no Ipag Saúde).

    Os salários estão congelados em Gravataí, mas o próprio sindicato dos professores diz que a greve ultrapassa a tradicional pauta salarial para uma pauta mais ideológica (de diferentes réguas para medir o tamanho do estado) e que vai além fronteiras: o objetivo é, nas palavras da presidente Vitalina Gonçalves, defender o papel dos servidores e desmistificar o discurso de que o funcionalismo é o vilão das contas públicas.

    Em resumo, a greve deflagrada segunda em Gravataí é mais em defesa da categoria do que a de Cachoeirinha, por ‘corte de vantagens e privilégios’ (como dizem os governos), ou ‘retirada de direitos’ (como denunciam os sindicatos).

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Da carreata à Câmara, ao fim da greve?

     

    Professores na carreata e na câmara

     

    2. ATRASOS E PARCELAMENTOS

    Os salários em Gravataí sempre foram pagos em dia nos governos de Marco Alba. Em Cachoeirinha, além dos servidores terem enfrentado em 2016 atrasos e parcelamento no governo de Vicente Pires, do mesmo partido do prefeito Miki, havia a ameaça de novo balão nos pagamentos – o que aconteceu, por cinco dias, no parcelamento da folha de junho.

     

    3. UMA E TODAS AS CATEGORIAS

    Em Gravataí, há apenas professores e trabalhadores da educação em greve. Em Cachoeirinha, todas as categorias pararam – com adesão bem maior que na aldeia dos anjos.

     

    4. A CERTEZA E A SURPRESA

    Enquanto em Gravataí o sindicato dos professores já projetava um congelamento de salários por Marco Alba, e fez campanha contra a reeleição, encomendando até pesquisa às vésperas do pleito (que divulgou valorizando a rejeição do prefeito), em Cachoeirinha o ‘pacotaço’ apresentado por Miki surpreendeu os servidores – muitos eleitores do partido socialista e do grupo que governa a cidade desde 2000 com os ex-petistas José Stédile, Vicente Pires e Miki.

     

    5. A DÍVIDA E O PAGAMENTO

    Enquanto em Cachoeirinha o governo deve cerca de R$ 100 milhões não recolhidos pelos governos Stédile e Vicente para o instituto de previdência municipal (Iprec), além de já acumular uma conta de R$ 16 milhões da parte patronal na gestão Miki, em Gravataí Marco Alba tem depositado a parte da Prefeitura e pago uma alíquota complementar progressiva para fazer frente a um cálculo atuarial bilionário para garantir aposentadorias passadas, presentes e futuras dos servidores.

    É essa, inclusive, a principal justificativa do governo Marco para não acenar nem com a reposição da inflação: o gasto de mais de 50% com a folha, na soma de salários e do ‘céu é o limite’ dos complementos mensais para manter a previdência em dia.

     

    Opinião

     

    Os 5 itens – somados à divisão da categoria na aprovação da parada (172 a favor e 142 contra, num universo de 3 mil) e ao momento (em segundo semestre, o que arrisca atrair a ira de mães, pais e alunos contra a ‘luta’ do sindicato) – alimentam o sentimento do repórter de que diferente dos 60 dias de greve em Cachoeirinha, em Gravataí a paralisação não deve passar de seis.

    Grito dado, o funcionalismo deve aprovar na assembléia de sexta uma volta às aulas na próxima segunda.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Greve começou, mas deve terminar logo

    Em artigo, secretário de Marco fala do não à greve

    • estrelado
      Contagem regressiva para inaugurar a arena
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Dilamar seria o novo escolhido do ’Grande Eleitor’?
      por Rafael Martinelli
    • transporte
      STF reconhece legalidade da Lei dos Taxistas
      por Redação
    • opinião
      Prefeito, vice e vereadores não receberão aumento
      por Rafael Martinelli
    • cultura
      COM VÍDEO | Os livros que circulam por Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • personagens
      Estrada, Meu humor - o livro do veterano radialista
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Marco Alba dá inflação ao funcionalismo; o que isso significa
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Jack Ritter quer disputar prévia com Miki
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O Partido do Bolso; a ação dos conselheiros
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Parem de mentir!; ainda faltam 10 médicos
      por Rafael Martinelli
    • redes sociais
      ’Teoria’ de jornalista de Gravataí vira notícia nacional
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Não falta vaga para quem quer trabalhar
      por Silvestre Silva Santos
    • caso da maconha
      180 dias sem dono para droga no terreno do vereador
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      O dono da Havan esteve na região, fazendo o quê?
      por Silvestre Silva Santos
    • personagens
      COM VÍDEO | Márcia Becker e seus 115 filhotes
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      5 conselheiros tutelares cobram gratificações em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Por que o estado botou abaixo a Escola Carlos Bina do Xará
      por Silvestre Silva Santos
    • br-290
      Em vídeo e texto, tudo sobre ’novo’ pedágio da Freeway
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A polêmica nota do presidente da OAB Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Das cinzas políticas do PD, um candidato a prefeito
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Dimas pode pedir licença da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como está a duplicação das pontes do Parque
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • refugiados
      A vida dos venezuelanos em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres | edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.