notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/10/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    cachoeirinha

    Presidente Marco Barbosa apresentou balanço dos gastos nos primeiros seis meses

    O quanto a Câmara gasta em diárias, passagens, CCs e mais

    por Rafael Martinelli | Publicada em 25/08/2017 às 13h57| Atualizada em 30/08/2017 às 14h52

    Marco Barbosa apresentou os gastos da Câmara de Cachoeirinha no primeiro semestre sob sua presidência, de forma ilustrada e acessível a leigos. As informações estão todas no Portal Transparência, mas é necessário quase que um exercício de contabilidade para compilá-los.

    – A idéia é fazer uma prestação de contas a cada três meses. Nesses tempos que vivemos, de tantas coisas ocultas, ou onde apenas se mostra o que interessa, quero dar total transparência e não deixar pergunta sem resposta na gestão do poder legislativo  – explicou o vereador de segundo mandato, uma das estrelas do PSB do prefeito Miki Breier, e que administrará este ano até R$ 13 milhões (5,5% do orçamento municipal).

    Sob os olhos de Cleber Rodrigues Soares, presidente do Observatório Social, entidade voluntária (composta principalmente por empresários e profissionais liberais) que acompanha os gastos públicos, Barbosa apresentou reduções em 10 dos 12 itens apresentados.

    Entre as contas que diminuíram estão as sempre polêmicas diárias e passagens aéreas para viagens dos vereadores, que caíram pela metade. Nos primeiros seis meses de 2016 se gastou R$ 48 mil em diárias, neste ano R$ 21,8 mil. Em passagens a economia foi de R$ 33,6 mil para R$ 19,4 mil.

    – E as viagens foram apenas para Brasília, boa parte delas no movimento pelo acesso de Cachoeirinha à Freeway – apressou-se a explicar, apenas sorrindo frente a lembranças de anos anteriores onde a Câmara foi notícia estadual pelo acúmulo de milhagens dos parlamentares.

    Entre os gastos que cresceram está a folha de pagamento, não dos vereadores e CCs, que não tiveram aumento de salários, “apesar da reposição da inflação e permitido por lei”, mas dos funcionários efetivos, em 17,9%, por conta das vantagens previstas num plano de carreira de fazer inveja, com aumentos reais automáticos de até 15% nos salários a cada cinco anos.

    – Faríamos concurso, mas não foi possível alterar a lei para adequar o plano de carreira à realidade dos novos tempos de crise. Mas o PPA (Plano Plurianual) prevê concurso nos próximos dois anos – relata, confirmando um apontamento do Tribunal de Contas do Estado para que progressivamente haja equilíbrio entre o número de funcionários efetivos e CCs.

    – Já extinguimos oito assessorias de bancada, reduzimos de 13 para nove os CCs da mesa-diretora e nomeamos apenas 25 de 44 estagiários – explica o presidente de um legislativo que hoje tem, em desequilíbrio com 17 vereadores, cada um com cinco assessores e mais um estagiário, apenas 13 servidores concursados.

    Entre cortes também anunciados por Barbosa está a cota de selos, que era de R$ 500 mensais por vereador e hoje é de R$ 350. Ainda chama atenção uma continha ainda não cortada (dependeria de projeto de lei), e que é paga a pelo menos uma década: o auxílio combustível para os parlamentares. São R$ 400 por mês.

    Na entrevista coletiva, o presidente também fez um balanço de ações de sua gestão, como obras de sustentabilidade que em sua projeção farão a Câmara modelo no Rio Grande do Sul na reutilização de água e captação de energia solar.

    – Num primeiro momento a conta de água vai aumentar, porque a Câmara não estava ligada ao Pró-Guaíba, o que é um absurdo. Mas com as obras, a cada R$ 8 que gastamos hoje, em uns cinco anos estaremos gastando apenas R$ 1.

     

    Confira os principais dados apresentados.

     

     

     

     

     

     

     


    • caso eduarda
      OPINIÃO | Justiça à Eduarda, sim. Gotham City, jamais
      por Eduardo Torres
    • eleições 2018
      OPINIÃO | Gravataí ’endireitou’ entre 2014 e 2018
      por Rafael Martinelli
    • caso eduarda
      Divulgado retrato falado de suspeito da morte de menina
      por Eduardo Torres
    • violência
      Quem matou a pequena Eduarda?
      por Eduardo Torres
    • opinião
      OPINIÃO | Em Gravataí, todos arriscam perder, menos um
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      Hangar, a pioneira do som
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • operação solidária
      TRF4 absolve Marco Alba por unanimidade
      por Rafael Martinelli com TRF4
    • solidariedade
      COM VÍDEO | Diogo luta contra síndrome rara
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Como entendi nota das Irmãs do Dom Feliciano sobre eleições
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como ficou a duplicação da Centenário
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Gravataí virou ’cidade-dormitório de votos’
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Educação para o trânsito também fora da aula
      por Eduardo Torres
    • obras
      Plano de Marco prevê pontes e mais de 30 ruas até 2020
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.