notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do martinelli

    Marco Alba, nos estúdios da TVE gaúcha | Foto GUSTAVO ROTH | Fundação Piratini

    OPINIÃO | Marco Alba na tv, inferno, utopia e esperança

    por Rafael Martinelli | Publicada em 10/11/2017 às 18h04| Atualizada em 20/11/2017 às 12h54

    Inferno, expressão do próprio prefeito, Utopia e Esperança. Assisti a esses três ‘capítulos’ na entrevista de Marco Alba entre às 23h e a meia-noite desta quinta, no Frente a Frente, programa da TVE gaúcha.

    Sob o enunciado dessa tríade, arrisco informações e análise, para quem não viu, ou viu.

     

    O INFERNO

    Começando pelo pior. No Minuto Seguinte: postado oito horas antes de a entrevista ir ao ar, antecipei que a segurança seria o assunto inevitável, já que a estatística faz com que se Gravataí fosse um país, no ‘violenciômetro’ chegaria ao fim de 2017 como o terceiro mais sangrento do mundo.

     

    LEIA TAMBÉM

    Se um país, Gravataí poderia ser terceiro mais violento

    Por que a violência explodiu em Gravataí? - Parte 1

    Por que a violência explodiu em Gravataí? Parte 2

     

    Após os primeiros minutos nos quais o prefeito fez um balanço de seu primeiro governo, e dos seis meses da atual gestão, indo das dificuldades à esperança (que trato no último capítulo), o jornalista da Zero Hora já fez a primeira pergunta sobre violência – chaga que consumiu pelo menos 50 minutos da uma hora de programa.

    E foi em meio a uma resposta sobre o tema que Marco usou a expressão inferno, para descrever a ação colaborativa entre sua Guarda Municipal, a Brigada Militar e a Polícia Civil, “em meio ao inferno”, que nada mais é do que a insegurança que pesquisas mostravam há um ano apavorar sete a cada 10 moradores da cidade – índice que hoje deve estar daí ao limite do céu.

    Original e diferente em uma geração de políticos – e mesmo seus antepassados e descendentes – que faz carreira raciocinando mais sob o medo da urna, Marco não fugiu da responsabilidade, mesmo que a segurança não seja uma atribuição das prefeituras conforme a Constituição.

    Encarando a vida como ela é, fez a pertinente analogia de que é para o prefeito – e não para o comandante da Brigada, o delegado, o governador ou o presidente – que apelam as pessoas que pisam, vão ao supermercado e esgueiram-se pelas ruas de Gravataí.

    Ninguém mora nos territórios abstratos do Estado ou da União, ou tem tempo de se identificar nas portas giratórias dos palácios para ser recebido pelo sub-do-sub de coisa nenhuma.

    Com a experiência de mais de três décadas de vida pública, Marco sabe, e repetiu por mais de uma vez que “o povo não aguenta mais explicações”.

    – Estamos fazendo o que podemos. Nossa Guarda tem um efetivo de 240 agentes, mais que a Brigada. Quero contratar mais 40, mas bateremos no teto (do orçamento e da folha de pagamento). Quem fez a lei pela qual um município como Gravataí deveria ter 800 guardas não conhece a realidade das prefeituras e brincou no Congresso de dar uma resposta rápida ao drama da população – observou, mais ou menos nestas palavras.

    Com dados que mostram um crescimento de 45% nos homicídios, “menor que cidades da própria região que aumentaram em mais de 100%”, o prefeito avaliou que a sensação de insegurança cresceu e arregalou os olhos do mundo em Gravataí pela sequencia de crimes violentos – como os jovens que cavaram a própria cova, e o atentado com duas mortes e 33 feridos na Morada do Vale II.

    – Há uma disputa de facções que tem atingido inocentes – reconheceu, antes de agradecer a “resposta imediata” do secretário de Segurança Cezar Schirmer e a comemorada presença de forças especiais de segurança na cidade.

    Apesar das dificuldades burocráticas, Marco não descartou insistir no deslocamento da Força Nacional para Gravataí – mais um símbolo, do que outra coisa.

    Se o inferno voltar.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Atentado na Morada é Somália, não Paris

    ATUALIZADA COM VÍDEO | Bandidagem não terá mais descanso em Gravataí

    OPINIÃO | Não existe mais cadeião ao ar livre em Gravataí

     

    A UTOPIA

    Na análise de causas e consequências da violência que amedronta Gravataí, apareceu uma utopia de Marco, sobre a qual é capaz de por horas discorrer preocupada(e apaixonada)mente.

    Quem não ouviu o prefeito falar em “romper o modelo” ou nunca falou com ele, ou nunca participou da solenidade que for nos últimos três, quatro anos.

    Caracterizo como utopia por infactível – pelo menos num curto prazo, para não dizer por uma vida, numa sociedade de poderes (e também de cidadão) umbiguistas, que antes de pensar no todo olha primeiro para a depressão cutânea localizada no centro do abdome.

    O prefeito é um defensor de uma mudança no pacto federativo, que hoje abocanha mais de 60% das receitas tributárias e devolve migalhas aos municípios – estes com cada vez mais responsabilidades no atendimento das delicadas áreas de saúde, educação e segurança.

    – Que se mantenham as responsabilidades com as prefeituras, mas que fique nos municípios o grosso do dinheiro, que é gerado nas próprias cidades – é o resumo de Marco, que cita como exemplo positivo o modelo norte-americano.

    E faz um alerta: com a “falência”, palavras suas, dos governos estaduais e federal, as prefeituras serão as próximas a ir para cova.

    – Isso independe de governador, presidente ou ideologia. Direita e esquerda já governaram – pondera.

    E não pensem que Marco vai se ofender por sua cruzada ser chamada de utópica. Ele sabe o tamanho dos moinhos de vento.

    – Aqueles que mais os têm são os que menos querem abrir mão dos privilégios – disse, ao vivo.

    Quando também criticou o Congresso Nacional:

    – O Congresso precisa fazer uma auto-crítica. Não tem colaborado. Sem reformas, da tributária ou Código Penal, posso voltar aqui em 10 anos e nada terá mudado – foi a real constatação.

    Por duas vezes o prefeito pediu ajuda da imprensa para ajudar na formação de um espírito crítico na população.

    – As pessoas não podem a cada eleição ficar sujeitas ao “ele não fez, eu vou fazer”. Como, é a pergunta necessária. O dinheiro não está em um cofre, sai do bolso do cidadão.

    Enfim, um grande pacto social. A utopia.

     

    LEIA TAMBÉM

    O incidente violento do Facebook e o desabafo do prefeito

     

    A ESPERANÇA

    Para encerrar com notícia boa, a projeção de Marco é de que Gravataí experimente mais uma vez um ‘crescimento chinês’, próximo aos 10% registrados entre 1996 e 2012 – também pelo ‘efeito GM’, turbinado pelo ‘show do bilhão’ anunciado em agosto último.

    Antes, o prefeito falou da firmeza, e aperto, com que teve que segurar o leme do que parecia um Titanic ao navegar pelas marolinhas de 2013 e 2014 e, principalmente, entre os vagalhões de 2015 e 2016, com a crise nacional e o fim das desonerações do setor automotivo – o que atropelou a GM e a Dana, responsáveis por metade do retorno de ICMS.

    – Ainda perderemos R$ 14 milhões em 2018, mas implantamos uma política austera, com orçamentos reais, que olha as colunas da receita e da despesa, que tem dívidas ainda de longo prazo mas controladas, e com isso devolveu o equilíbrio a Gravataí e permitiu a habilitação a um financiamento de R$ 100 milhões (com o CAF).

    Gestão que, conforme ele, permite a esperança de um “grande momento”, a partir de 2020, com a aceleração no retorno de impostos da produção e vendas do novo carro da GM, no mercado a partir de 2019, possivelmente elétrico e para o mundo, não só para o Brasil e a América do Sul.

    – Não fosse a crise, o orçamento hoje passaria de R$ 1 bilhão. Hoje não passamos de R$ 800 milhões.

    É a esperança.

     

    LEIA TAMBÉM

    Como Prefeitura enfrentará perda de R$ 14 milhões

    Como Gravataí limpou o nome e entrou no radar de investidores estrangeiros

    • minuto seguinte
      Guru espiritual de prefeito é da Morada do Vale
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • Enart 2017
      Paulo Adriane é o tempo do CTG Aldeia, no Enart, 30 anos depois
      por Silvestre Silva Santos
    • minuto seguinte
      Prefeito assina ordem para duplicar a 030
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • música
      Curtindo a Evellyn Pires ela vira diva
      por Redação
    • proerd
      Quando PM é professor contra drogas e violência
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aline dos cartazes
      Histórias de detetive particular
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.