notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 24/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    câmara

    Na última reunião da CPI do Ipag, vereadores Rosane, Alan e Bombeiro

    OPINIÃO | Sem pizza na CPI do Ipag, por favor

    por Rafael Martinelli | Publicada em 07/12/2017 às 17h34| Atualizada em 13/12/2017 às 14h15

    Não é preciso baixar o Pai Merdanelles para prever, não na borra do café, mas na espuma da cerveja e na cinza do cigarro, que a CPI do Ipag ou dá em tudo, ou dá em nada.

    Instalada há quase três meses para investigar a situação financeira e o cálculo atuarial bilionário do instituto de previdência responsável pelas aposentadorias passadas, presentes e futuras dos 5 mil funcionários públicos municipais, além do plano de saúde da parte pobre dos servidores, a CPI foi prorrogada por 90 dias sem ter colhido um único depoimento.

    Não que tenham feito nada o presidente Alan Vieira (PMDB), o relator Bombeiro Batista (PSD) e a terceira integrante, Rosane Bordignon (PDT). Os encontros semanais na sala de reuniões da presidência não foram só para tomar cafezinho. Os vereadores já colheram dados com a direção do instituto e, após consultas à Procuradoria da Câmara e ao Ministério Público, decidiram pela contratação de assessoria especializada em cálculos atuariais para fazer uma espécie de auditoria externa nas contas.

    – A CPI não vai acabar em pizza. É talvez o grande tema de debate das últimas décadas no legislativo. A promotora Carolina Barth entende assim, os vereadores também. Não podemos errar. Vamos fazer todo trabalho técnico no recesso de janeiro (as férias dos vereadores) e iniciar os depoimentos logo depois. É um debate cujos resultados serão pauta inevitável nas próximas campanhas eleitorais e para os futuros gestores municipais – argumenta o presidente.

    – Temos tido toda cautela e nem temos dado entrevistas, porque queremos partir de uma base técnica consistente.

    Apesar do sigilo de Alan, estarão na lista de depoentes que sentarão frente aos microfones do plenário para dar explicações sobre o que fizeram ou deixaram de fazer com a Previdência municipal o prefeito Marco Alba (PMDB), os ex-prefeitos Rita Sanco (PT), Sérgio Stasinski (PV), Daniel Bordignon (PDT) e Edir Oliveira (PTB), que criou o instituto, além de secretários e ex-secretários municipais, sindicalistas e ex-sindicalistas, atuários e técnicos do serviço público.

    Como já havia analisado em artigo anterior, a Câmara de Vereadores, para o bem ou para o mal, criou com a instalação da CPI um Antes de 14 de setembro de 2017 e um Depois de 14 de setembro de 2017, por finalmente abrir no mar dos debates inúteis uma travessia para um grande tema.

    Até o momento, a investigação não foi usada, por governo ou oposição, como caminho do Pretório ao Calvário para crucificar adversários políticos, para a ideologia brigar com a matemática ou para eleger vilões ou salvadores da terra dos dois aniversários.

    Mas espera-se resultados, principalmente pela composição dos 2 (governo) a 1 (oposição) da CPI ter um presidente do PMDB do prefeito, que acusa estar pagando uma conta que não é dele e onde o céu é o limite em aportes para manter o instituto vivo; um relator do PSD onde está um dos cérebros da criação do Ipag, Amilton Oliveira, irmão do então prefeito Edir; e uma vereadora do PDT que é esposa de Daniel Bordignon, junto a Sérgio Stasinski apontado como responsável por uma dívida de mais de R$ 90 milhões com a previdência.

    Como o Seguinte: já vem instigando, a CPI tem tudo para levantar dados, investigar causas, esclarecer motivos e, o mais importante, projetar de forma republicana um futuro menos catastrófico para o Ipag.

    Ainda em 28 de agosto, antes mesmo da instalação da CPI, já listávamos três coisas que não escaparão do debate:

     

    1. O projeto controverso aprovado em 1996 no governo Edir Oliveira, num formato que o sindicato dos professores não queria desde o início, supostamente sem compensações previdenciárias adequadas e com alíquotas quase no chutômetro – sem um cálculo atuarial para projetar os fundos necessários para garantir aposentadorias passadas, presentes e futuras.

    2. Os R$ 90 milhões da parte patronal (a contribuição da Prefeitura) não recolhidos pelos prefeitos Daniel Bordignon e Sérgio Stasinski, dívida que daqui a 12 anos, quando terminar de ser paga, terá custado R$ 300 milhões. E que, de certa forma, ajudou a financiar os dois governos que – olha o exotismo, por se tratarem de, pelo menos à época, esquerdistas – talvez sonhassem com a recuperação do caixa no futuro com os bilhões do capitalismo selvagem da GM (outra que veio porque recebeu incentivos e não foi embora porque esses benefícios foram agora renovados, ou estaria num arriba para o México – aqui, acendamos uma vela também à bolsonariedade do Trump).

    3. Aparecerá também a ideologia ‘300 mil pagam por 5’ do atual prefeito Marco Alba que, sob a justificativa de um gasto de mais da metade da receita com folha e Ipag, congela o salários do funcionalismo – o que uns aplaudem, outros condenam, como acontecia também quando com o dinheiro que talvez fosse aquele da contribuição da Prefeitura para o instituto, Bordignon asfaltou ruas; ou que então permitiram a Stasinski dar os maiores aumentos da história do funcionalismo de Gravataí.

     

    Mas há de se ter esperança. Até porque se a CPI acabar em pizza, quem por incompetência ou interesse será servido numa bandeja para a opinião pública serão os pizzaiolos e o conjunto dos vereadores.

     

    • profissional de sucesso
      Fabiano Izabel, o novo nome forte dentro da Sogil
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Quem são nossos 50 mil bolsonaristas mais fanáticos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O que ’caso Carús’ ensina a políticos da ’rachadinha’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Sem acordo, indenizações da Pirelli restariam suspensas
      por Rafael Martinelli
    • aniversário
      Gravataí comemora hoje 139 anos de emancipação
      por Silvestre Silva Santos
    • cachoeirinha
      Por 13 a 2 Câmara derruba golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • investimento
      Só faltou o buggy na abertura do maior posto SIM do estado
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • investimento
      Luciano Hang vem dar a largada na sua loja Havan
      por Silvestre Silva Santos
    • glorinha
      Caso Unick: MP investiga presidente por uso da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • pontes do parque
      Saiba porquê a inauguração das pontes vai atrasar uns dias
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Bordignon critica Marco Alba e o governo; a Rainha protegida
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Gravataí vai ter novo centro comercial
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Vereador quer CPI de fraude no SUS em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O pedido de Ciro para campanha de Anabel em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Cinco homens e um destino, ser sucessor de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.