notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/08/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do martinelli

    População de cervos do Pampas Safari já chegou a 300 animais

    EXCLUSIVO | Justiça federal proíbe abate de cervos no Pampas Safari

    por Rafael Martinelli | Publicada em 14/12/2017 às 17h15| Atualizada em 18/12/2017 às 17h29

    A 9ª Vara Federal de Porto Alegre Clarides Rahmeier aceitou pedido do Movimento Gaúcho de Defesa Animal e determinou urgência na proibição do abate de cervos do Pampas Safari “devendo realizá-los apenas nos casos em que forem comprovadamente portadores de tuberculose, sendo que a comprovação da infecção deverá ocorrer mediante exame a ser realizado em cada um das animais por estabelecimento reconhecidamente capaz de atestar, de modo definitivo, a ocorrência da doença”.

    A decisão determina também a criação de uma área de “vazio sanitário no próprio parque para os animais sadios, além da separação de machos e fêmeas para evitar a procriação”.

    A juíza também decide na tutela de urgência “determinar ao Ibama que não autorize, expressa o tacitamente, o abate de cervos que não estejam comprovadamente infectados por tuberculose, devendo designar fiscal que acompanhe as providências de regularização sanitária do empreendimento”.

    Com a cassação de liminar pelo Tribunal de Justiça gaúcho em ação popular movida pela deputada estadual Regina Becker, a matança só seguia barrada por medida administrativa da  Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMMA) já questionada judicialmente pelos proprietários do parque de 300 hectares que explorou a visitação de animais por 40 anos no Km 11 da RS-020, em Gravataí.

     

    LEIA TAMBÉM

    Justiça mantém poder de Gravataí barrar matança de cervos

    A juíza que não viu os animais como coisas

     

    Na decisão a que o Seguinte: teve acesso, a juíza derruba pilares da argumentação do Pampas na polêmica que ganhou a justiça em agosto, quando com autorização do Ibama, da Fepam e da Secretaria Estadual da Agricultura 24 cervos foram sacrificados sob a justificativa da suspeita de contaminação pela doença.

    – A alegação genérica de que animais exóticos podem ser indistintamente abatidos é de todo desarrazoada, levando a crer que o sacrifício de animais não silvestres e que não estejam em rota migratória, mesmo “importados” para construir plantel de jardim zoológico, pode ser realizado sem qualquer motivo suficiente e substancial – grafa no corpo da ação, derrubando a tese de que os proprietários tinham direito de sacrificar, vender as carnes e transformar os cervos em “picanha, filé e alcatra”, como a deputada contou ter ouvido de advogado do Pampas em audiência de conciliação no Foro Central da Capital.

     

    LEIA TAMBÉM

    PAMPAS SAFARI | O dia da conciliação entre vida e morte

    Pampas: picanha, filé e alcatra de cervos

     

    No corpo da decisão que está sendo notificada nesta quinta aos autores, réus e citados, a juíza federal alerta que os cervos foram importados para o plantel do zoológico, “não para que o empreendedor, quando assim entendesse possível, decidisse pelo abate”.

    – A alegação genérica de que animais exóticos podem ser indistintamente abatidos, é de todo desarrazoada, levando a crer que o sacrifício de animais não silvestres e que não estejam em rota migratória, mesmo “importados” para construir plantel de jardim zoológico, pode ser realizado sem qualquer motivo suficiente e substancial – aponta o texto, concluindo que “o sacrifício de animais não pode servir como forma de redução de custos para o empreendedor”.

    Para ler a decisão, onde há toda a cronologia da polêmica, clique aqui.

     

    LEIA TAMBÉM

    Em reportagens, vídeos, links relacionados e documentos, confira as últimas sobre a polêmica da matança no Pampas Safari - De quando tudo começou até o caso chegar a Brasília

    • coluna do silvestre
      O que descobri da GM andando em um Uber
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      Rossetto andou no centro, ’laboratório do golpe’
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      O que fazer para evitar o mês do cachorro louco
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde pública
      Este sábado é o Dia D contra o Sarampo e a Paralisia Infantil
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mistério
      Eles juram que viram fantasmas nos cemitérios de Gravataí
      por Andreo Fischer
    • saúde pública
      O que mudou, e vai mudar, no Dom João Becker com Santa Casa
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • caso da maconha
      OPINIÃO | Mário Peres, entre a polícia, a câmara e a facção
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Dinheiro tirou Rosane Bordignon da eleição
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Testamos o carro elétrico da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt e Divulgação/GM
    • tá na mesa
      O dia em Marco Alba contestou Caetano e Roberto Carlos
      por Rafael Martinelli
    • suspeita
      Saul Sastre é investigado por fraude no Daer
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.