notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/09/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    na acigra

    Eduardo Leite com o presidente da Acigra Régis Marques

    É bem claro o que Eduardo Leite quer para o RS

    por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 08/05/2018 às 17h40| Atualizada em 18/05/2018 às 13h16

    Num ambiente de afagos a Fernando Henrique Cardoso e Geraldo Alckmin, Eduardo Leite também levou seus elogios, ao apresentar como solução para um Rio Grande que despenca do mapa uma receita que o empresariado de Gravataí e do mundo gosta de ouvir: cortes nos gastos públicos e nas vantagens do funcionalismo, privatizações, parcerias público-privadas e desburocratização do estado.

    – Vivemos uma crise de confiança – resumiu o ex-prefeito e candidato a governador pelo PSDB, que palestrou e respondeu a perguntas de um público restrito, porém influente, num café da manhã nesta terça com empresários ligados à direção da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Gravataí (Acigra).

    Na comitiva política, chegou com o deputado estadual Adilson Troca e foi recebido pelo ex-vice-prefeito Francisco Pinho e os vereadores Neri Facin, Mario Peres e Bombeiro Batista – ausente apenas o tucano que hoje tem a maior plumagem na aldeia, Áureo Tedesco, prefeito em exercício nesta semana de folga de Marco Alba (PMDB).

    – Foi-se se o tempo em que os empresários diziam que política era coisa dos políticos. Hoje o empresário participa como nunca, porque a política e os governos influenciam na economia – observou Régis Albino Marques Gomes, presidente da entidade que apresentou o advogado e mestrando em Gestão Pública pela Fundação Getúlio Vargas como um governante que encerrou o mandato em 2016 com 87% de aprovação.

     

    : Ex-vice-prefeito e atual secretário de Serviços Urbanos Francisco Pinho foi o cicerone de Leite

     

    Político, não outsider

     

    – Sou contra reeleição – abriu a palestra de uma hora o jovem que aos 33 anos completos em março poderia ser filho de muitos dos representantes do PIB presente à sede da nonagenária entidade.

    Como justificativa para não querer o que quase todo governante quer, não fez o discurso tão em moda: o de ódio à política. Prefeito por quatro anos, Leite não se coloca como os agora tão famosos ‘outsiders’. Ele reconhece a necessidade da vida real de compor com os partidos e negociar com a Assembleia Legislativa.

    – O governador tem que ter um projeto claro e propor uma agenda para o legislativo e a sociedade. Não tenho problemas com isso, como demonstram algumas candidaturas que desprezam a política. Há pontos estratégicos e inegociáveis num governo, mas ninguém faz nada sozinho.

    Obviamente uma referência à ‘brincadeira’ feita pelo vice-governador José Cairoli (PSD), que nesta segunda disse ter sugerido ao governador o ‘fechamento’ do parlamento para avançar nas privatizações da CEEE, Sulgás e CRM.

    Usando expressões do cotidiano empresarial, como “planejamento estratégico”, “metas e resultados”, “eixos de gestão” e “indicadores”, Leite – mais uma vez sem citar nomes – demarcou diferenças com outra candidatura do mesmo campo ideológico, a de Mateus Bandeira, do Novo.

    – Há candidaturas que se colocam como apolíticas, que dizem que o partido em que estão não tem problemas, mas criaram uma sigla ontem, para aproveitar o momento de descrédito na política. E também vendem a idéia de que é só entregar tudo para a economia que a coisa se resolve. Acho que a economia tem de ser livre, mas o estado precisa cuidar da área social, dos desprotegidos.

    Sobrou também para os adversários mais à esquerda.

    – Há candidaturas cujo programa não combina com o partido estatizante a que pertencem – disse, claramente se referindo a Jairo Jorge (PDT), cujo programa de governo preve, por exemplo, parcerias público-privadas.

    Leite comparou a Canoas onde o adversário foi prefeito por oito anos com a Pelotas que governou. Tanto nos indicadores econômicos e sociais, como na política – Leite fez a sucessora, Jairo não:

    – Comparo porque tem a mesma população – despistou.

    – Mas Canoas é a terceira economia, Pelotas a nona. Canoas tem 2 bilhões de orçamento, Pelotas 1. Canoas é 17 vezes menor, o que nos faz ter 50 postos de saúde, Canoas 26. Lá temos 10 mil funcionários, Canoas seis mil. Com todas as dificuldades, conclui o mandato com um governo reconhecido pelas soluções, aprovado por quase nove em cada dez pessoas e tendo a saúde como principal marca na avaliação das pessoas. Minha sucessora foi eleita com 60% dos votos em primeiro turno, algo que nenhum governante conseguiu nas cidades com segundo turno.

    Azarão com Miguel Rossetto na eleição estadual, o PT também ganhou comparativo:

    – O governo de Tarso Genro foi o que mais aumentou o endividamento do estado. Usou recursos finitos, dos depósitos judiciais, para dar aumentos de salários que repercutem infinitamente na folha. A receita cresceu 8,6%, a despesa 25%. Foi um governo irresponsável, com uma política que considero equivocada de aumentar o gasto público sob a justificativa de aquecer a economia.

    Leite também fez o balanço do GreNal político no corrupçômetro nacional.

    – O PSDB modernizou o Brasil e, entre os grandes, tem a melhor agenda liberalizante, na economia e nos costumes. A Lava Jato apresentou problemas? Sim. Mas, pelas denúncias gravíssimas, ninguém em nosso partido está defendendo Aécio Neves, que foi presidente do partido e candidato à Presidência da República. Já nosso principal adversário tem sua principal estrela presa, mas com a candidatura ainda colocada.

    Elogios, além de FHC, para sua professora Yeda Crusius, ex-governadora do 'déficit zero', a quem creditou o maior equilíbrio das contas nas últimas décadas.

     

     

    Agenda liberal

     

    Realista, mas sem perder a esperança.

    Esse talvez seja um bom resumo para a forma como Eduardo Leite apresentou seu diagnóstico e as possíveis soluções para o desenvolvimento do RS.

    Aliviando para o governo Sartori apenas ao apontar como agravante “a maior recessão da história nacional”, projetou lâminas mostrando que, entre 2002 e 2016 a receita gaúcha cresceu 3,3% frente aos 4,4% da média nacional e aos 4,6% de Paraná e Santa Catarina – estados que mais tem ‘roubado’ investimentos dos pampas.

    E alertou para problemas fiscais que se agravarão pelo RS comprometer 30% da receita com a previdência (62% desse gasto com aposentados) e ser o estado brasileiro cuja população mais ‘envelhece’.

    – Não podemos superestimar receitas, porque depois as despesas não cabem no orçamento. E precisamos cortar gastos, mexer em planos de carreira do funcionalismo, fazer parcerias público-privadas, privatizar e contratar organizações sociais para prestar serviços que o estado não tem o porquê, nem a especialização para, fazer. Concurso público não é garantia de experiência em nenhuma área. E meritocracia e privatização têm que deixar de soar como palavrões. É claro que não se pode entregar patrimônio sem critérios, trocar um monopólio público por um privado, e nem fechar parcerias sem estarem muito bem atreladas a resultados – disse, defendendo “um estado regulador, não necessariamente operador”.  

    – Há interesse comercial em determinado serviço ou obra de infraestrutura? Privatiza ou faz concessão. Vai pagar pedágio? Sim, mas o custo para economia é menor do que uma estrada que não permite escoar a produção. Desestatizar ajuda a movimentar a economia e o retorno em impostos invariavelmente é maior que o lucro das estatais. Precisamos reduzir o ‘custo RS’.

    O principal exemplo usado pelo candidato para ilustrar a vilanização das privatizações é a CEEE:

    – Muitos não sabem, mas a CEEE não é dona da energia elétrica. É um serviço concedido pelo governo federal à estatal. Se o estado não aportar 2,6 bilhões para atingir as metas da Aneel, a CEEE perde a concessão.

    Para Leite, o RS vive uma “crise de confiança”:

    – Como não há um projeto claro e articulado de desenvolvimento, e nosso estado é pesado pelos impostos e a burocracia, os investidores não acreditam no RS. Precisamos devolver a confiança aos gaúchos e a quem quer investir aqui – disse, recitando o canto da sereia para o empresariado ao falar em redução da carga tributária.

    – Pela situação terrível do estado, não é possível prometer nada abrupto. Mas é necessário. Os impostos na energia, nos combustíveis, são muito pesados.

     

    : Leite é o primeiro a falar à Acigra que, conforme o presidente, está aberta a receber outros candidatos

     

    Opinião

     

    Apesar do jeitão de guri, Eduardo Leite mostra a experiência de políticos tarimbados ao não afastar os já tão desgastados políticos e ao prometer para “os primeiros seis meses de governo” a apresentação das principais reformas relativas ao funcionalismo, as privatizações e a desburocratização.

    – É quando o governo tem o capital de apoio das urnas e antes das próximas eleições municipais que sempre mexem com os humores políticos.

    Na verdade, como são medidas amargas e impopulares, verdadeiras ‘pautas-bomba’, é como em O Príncipe. Maquiavel puro:

    Quando for praticar o mal, é fazê-lo de uma vez só.

    Se o eleitor vai entender como um mal necessário, para não dizer urgente para um RS doente, as urnas dirão. Mas ninguém vai votar em Leite sem conhecer seu projeto. Goste-se ou não, suas ideias são muito claras. 

     

    Assista entrevista que o Seguinte: fez com Eduardo Leite, onde ele responde até sobre MBL, e também com Régis Marques, presidente da Acigra

     

    LEIA TAMBÉM

    ALMOÇANDO COM A ACIGRA | Marco Alba lança Sartori à reeleição 

    • eleições 2018
      A certeza de Sartori é a mesma de Marco em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • inclusão
      A inclusão de deficientes através do esporte
      por Silvestre Silva Santos
    • habitação
      A ocupação onde a esperança está só no nome
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      Nas nascentes do Arroio Dilúvio
      por Tainá Rios
    • candidatos locais
      Sou o Stédile e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • candidatos locais
      Sou o Pedro Ruas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • refugiados
      Acertada data para chegada dos venezuelanos
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do silvestre
      MRV anuncia prédio com energia solar
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do silvestre
      As 10 grandes mudanças no nosso trânsito
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      O batismo de Jairo Jorge com seu ’Grande Eleitor’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • governo
      OPINIÃO | Marco Alba está cumprindo o que prometeu
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Freesurf, de olho na onda perfeita
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • pontes do parque
      Definida data para iniciar a duplicação
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • eleições 2018
      Eduardo Leite andou pelo caminho do meio em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Parabéns prefeito, por receber venezuelanos
      por Rafael Martinelli
    • candidatos locais
      Sou o Dimas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.