notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 17/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    parada livre

    OPINIÃO | A boa ideia da parada gay de Cachoeirinha

    por Rafael Martinelli | Publicada em 13/06/2018 às 13h14| Atualizada em 21/06/2018 às 14h53

    A parada gay que a primeira-dama de Cachoeirinha Vanessa Morais organiza é um bom teste a tolerância nestes tempos obscurantistas.

    A preparação da Parada Livre foi revelada pela jornalista Diléa Fronza, no Diário de Cachoeirinha.

    Logo alguém já vai calcular o gasto com a estrutura pública que será colocada. Seja um, ou alguns reais, e muito não é necessário, é pau certo.

    Não importa que no ano passado a cada 19 horas um gay, lésbica, bissexual, travesti ou transexual tenha sido morto em crimes sob suspeita de homofobia.

    Incrivelmente, as reações provocadas pelo tema são semelhantes a quando se fala nos negros assassinados a cada 21 minutos no Brasil.

    Os monstros todos saem do armário.

    Malandramente, um candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, o segundo nas pesquisas atrás de Lula que, presidiário, possivelmente não concorra, não termina uma entrevista sequer sem falar sobre essa sua aparente obsessão, usando o pior do ‘cidadão de bem’ para disseminar o ódio às chamadas pautas identitárias e aos direitos humanos. O que, na involução da espécie facebuquiana, convencionou-se descrever como ‘defender bandido’ – invariavelmente ‘pretos, pobres, jovens e do crime’.

    A conta de somar que se cria no imaginário popular é tão simplória quanto a plataforma do presidenciável para as grandes questões do país, como a economia, por exemplo. Algo como: ser ‘defensor’ das causas dos gays ou dos negros é ‘pauta de esquerda’ e, portanto, ruim, coisa de comunista que depois de comer criancinhas enrola um baseadinho.

    Se a idéia prosperar e não for deixada para depois pelo provável ‘desgaste nas redes sociais’ em um ano eleitoral, a parada LGBT de Cachoeirinha ajudará bastante ao tratar a questão por um ângulo diferente e, neste momento, talvez necessário, para desarmar os espíritos: o das mães.

    Conforme a Diléa apurou, projeta-se trabalhar com depoimentos das famílias de LGBTs, que testemunham o preconceito e a depressão que a homofobia causa em suas crianças.

    Por enquanto, parabéns à primeira-dama e ao prefeito Miki Breier pela coragem.

    Até porque para esse tema não há habeas corpus preventivo: a condenação é certa pelo Grande Tribunal das Redes Sociais.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Qual verdade você quer ouvir?

    OPINIÃO | Onde estão os negros nos governos?

    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.