notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 24/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    polêmica

    A charge da polêmica foi publicada no Diário Gaúcho e no Diário Catarinense

    OPINIÃO | Charge fere BM por verdadeira; o Du que o diga

    por Rafael Martinelli | Publicada em 20/11/2018 às 17h03| Atualizada em 28/11/2018 às 11h59

    Causou reação da Brigada Militar e entidades ligadas à corporação a última tirinha do Armandinho, criação de Alexandre Beck que já tem oito anos e foi inspirada em sua filha pequena.

    Para muitos a charge foi inadequada, principalmente por ter sido publicada pelas mídias da RBS no dia do aniversário de 181 anos da briosa.

    – A Brigada não é racista – é o resumo da contestação.

    Inegável é que, se a verdade tem dia para acontecer, a crítica social apresentada pelo artista parece adequadíssima para ser postada hoje, no Dia da Consciência Negra.

     

    LEIA TAMBÉM

    Os quilombolas guardiões do Rio Gravataí

     

    Como a patrulha vem de pelotão no Grande Tribunal das Redes Sociais, onde bandido bom é bandido morto e direitos humanos é coisa de esquerdopata (a não ser que se trate de médicos cubanos), vamos aos chatos dos fatos que atrapalham argumentos.

    Socorro-me da ainda atualíssima reportagem do colega de Seguinte: Eduardo Torres, que em 2013 rendeu ao Diário Gaúcho o primeiro prêmio nacional da história do jornal, o XXX Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, do Movimento Brasileiro de Justiça e Direitos Humanos. 

    Em A história de Carlos Alberto Jardim Fontoura, o Du: negro pobre e da periferia - Ser negro, classe baixa e viver na periferia significa portas fechadas ou sentença de morte é citado o estarrecedor estudo "Vidas perdidas e racismo no Brasil", da Fundação Getúlio Vargas e do Ipea. Que mostra que apenas 20% das mortes de negros e pardos no país pode ser atribuída diretamente à pobreza. O racismo, mesmo velado, se esconde entre os outros 80%.  

    Em Porto Alegre, e aí basta pegar um Sogil ou Vicasa e transpor o choque para Gravataí ou Cachoeirinha, a chance de um negro ou pardo ser assassinado é maior do que o dobro da de um branco. Se nas ruas do Rio Grande do Sul a população negra representa um sexto dos habitantes, dentro do Presídio Central essa proporção é de um terço.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Atentado na Morada é Somália, não Paris

     

    A socióloga Rochele Fachinetto observa que não se trata de uma vitimização gratuita e vai muito além de uma escolha individual. Jovens como o Du, da imperdível reportagem, são, sim, vítimas da estrutura social que restringe oportunidades. Não é ter acesso a uma escola, mas a um ensino de qualidade. Não é ter um trabalho, é ter condições de pensar em uma carreira profissional digna.

    Dissociar a exclusão social da cor da pele, conforme a pesquisadora da Ufrgs, especialista em Violência e Cidadania, seria impossível no Brasil:

    – Temos um histórico de escravidão e nunca houve inclusão real. O jovem negro ou pardo já cresce com uma série de estereótipos a serem vencidos. Não é que todo o jovem negro e pobre vai ser vítima e também autor da violência, mas é uma tendência real.

    Se você já superou a barreira da nossa nova ordem whatsappiana e, antes de comentar no facebook leu o artigo até aqui, tire mais alguns minutos e clique aqui para conhecer a história do Du, o menino de 13 que pela quarta vez ia ao cemitério enterrar um irmão.

    Exercite a empatia, coloque-se no lugar do outro.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | A mãe PM acertou, e você?

     

    A charge do Alexandre Beck dói, por obvio. Ou pelo menos deveria doer em todos nós. Fere, sim, policiais militares, de salários indignos, parcelados e que, como cantava Belchior, em Alucinação, estão aí / cumprindo o seu duro dever / e defendendo o seu amor / e nossa vida. Mas exigir um pedido de desculpas é negar a realidade.

    Quem tem mais chances de ser parado pela polícia: um negro ou um branco correndo?

    Dizer que as coisas não são assim é uma meia verdade. As estatísticas comprovam que é a metade mais próxima da mentira.

    Policiemo-nos, os não-negros. A dívida histórica é gigantesca e é bonito reconhecer os erros e aprender a se livrar do racismo entranhado em nossas criações.

    Eu, branco, heterossexual, curso superior, salário digno, com oportunidades para estar nas primeiras filas da 'meritocracia', me incluo nessa e faço desse exercício minha academia diária da civilidade.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Quantos tiros você deu em Marielle?

    • profissional de sucesso
      Fabiano Izabel, o novo nome forte dentro da Sogil
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Quem são nossos 50 mil bolsonaristas mais fanáticos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O que ’caso Carús’ ensina a políticos da ’rachadinha’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Sem acordo, indenizações da Pirelli restariam suspensas
      por Rafael Martinelli
    • aniversário
      Gravataí comemora hoje 139 anos de emancipação
      por Silvestre Silva Santos
    • cachoeirinha
      Por 13 a 2 Câmara derruba golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • investimento
      Só faltou o buggy na abertura do maior posto SIM do estado
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • investimento
      Luciano Hang vem dar a largada na sua loja Havan
      por Silvestre Silva Santos
    • glorinha
      Caso Unick: MP investiga presidente por uso da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • pontes do parque
      Saiba porquê a inauguração das pontes vai atrasar uns dias
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Bordignon critica Marco Alba e o governo; a Rainha protegida
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Gravataí vai ter novo centro comercial
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Vereador quer CPI de fraude no SUS em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O pedido de Ciro para campanha de Anabel em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Cinco homens e um destino, ser sucessor de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.