notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/01/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise na gm

    Valcir Ascari, em assembleia na GM de Gravataí | Foto ARQUIVO

    GM não vai embora, dizem sindicatos; Gravataí ainda terá reunião

    por Rafael Martinelli | Publicada em 22/01/2019 às 17h57| Atualizada em 27/01/2019 às 19h38

    Enquanto o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí aguarda confirmação de agenda para segunda ou terça da próxima semana, os sindicalistas de São Caetano do Sul e São José dos Campos, onde a General Motors tem fábricas em São Paulo, saíram nesta tarde da primeira rodada de reuniões com representantes da General Motors garantindo que um pinote do Brasil está descartado.

    Não é um "não" oficial, já que a montadora segue não se manifestando sobre a polêmica, revelada pelo Seguinte: após comunicado da presidência afixado nos murais da fábrica gravataiense – que é responsável por quase metade da arrecadação do município. E, o que confirmado será uma notícia tranquilizadora, ainda carrega incertezas para Gravataí: se valer para a fábrica local o alerta que teria sido feito na reunião por executivos da montadora, de que “possíveis aportes estarão relacionados a condições favoráveis de produção”, pode estar comprometido o ‘show do bilhão’ anunciado em 2017 – onde para o lançamento de um novo carro, dos R$ 1,4 bi projetados para investimentos, somente um terço já teria sido aplicado na adaptação das plataformas que hoje produzem o Onix (líder de vendas no mercado brasileiro) e o Prisma (também o mais comercializado em seu segmento).

    O encontro ocorreu depois que o presidente da companhia no Mercosul, Carlos Zarlenga, alertou trabalhadores do Brasil sobre o que considera um “momento crítico”, reproduzindo reportagem publicada nos Estados Unidos que menciona que a presidente mundial da montadora, Mary Barra, deu sinais de que está considerando sair da América do Sul, onde mantém fábricas no Brasil e na Argentina. No comunicado aos funcionários, Zarlenga disse que “investimentos e o futuro” do grupo na região dependem da volta da lucratividade das operações ainda em 2019.

    Comentei no Seguinte: nesta segunda, no artigo abaixo. Leia, e depois siga.

     

    LEIA TAMBÉM

    O blefe da GM; quem paga esse almoço?

     

    A preocupação com o tema, que motivou a reunião, é reflexo do plano de reestruturação da empresa, anunciado em novembro passado, e que deve fechar neste ano cinco fábricas nos Estados Unidos e Canadá. Na ocasião do anúncio, a GM informou também que mais duas unidades fora da América do Norte seriam fechadas, mas não revelou os locais na época.

    – Estamos flexíveis à negociação, mas sem abrir mão dos direitos dos trabalhadores. Viemos para o diálogo, mas não vamos aceitar que uma crise, que nem existe, seja descarregada no ombro do trabalhador. Fazemos oposição à reestruturação que trate os direitos dos operários como empecilho à produção. É bom lembrar que a GM é líder de vendas no país – disse, lembrando que a montadora detém uma fatia de 17,8% do mercado nacional, o presidente do sindicato em São José, Renato Almeida, que foi acompanhado na reunião pelos prefeitos de seu município, Felício Ramuth e de São Caetano, José Auricchio Jr.

    Em entrevista ao Seguinteagora há pouco, Valcir Ascari, o ‘Quebra-Molas’, presidente do sindicato de Gravataí concordou com o colega paulista, apesar de mais comedido ao responder sobre as suspeitas de se tratar de um blefe da montadora para negociar mais incentivos com governos federal, estadual e municipais, ou frear o ímpeto dos funcionários na data-base de março.

    – Antes de tudo quero ouvir os caras – diz Valcir, que assim que a bomba explodiu no pátio da fábrica com a afixação do e-mail de Zarlenga, já fez contato com o diretor de relações sindicais e do trabalho da GM, Artur Bernardo Neto, que vai receber os sindicalistas.

    Valcir lembra que a planta de Gravataí “é a mais enxuta” da América do Sul “e a que mais produz”.

    – O mercado automobilístico é de altos e baixos. Aqui em Gravataí o terceiro turno vai e vem. Mas acredito que escapemos dessa.

    O que preocupa Valcir nas negociações futuras é a troca de experiência com sindicalistas norte-americanos, que atestam que o fechamento de cinco fábricas da GM na América do Norte se deu também para reduzir custos com funcionários. Se nos EUA e Canadá se pagava um inicial próximo a 30 dólares a hora, no México se paga 10 dólares por dia – muito próximo do que acontece, por exemplo, em Gravataí.

    – Infelizmente é assim, o capital vai onde ganha mais. E a vida do brasileiros está cada vez mais difícil depois da reforma trabalhista. É só notícia ruim. Só falta revogar a Lei Áurea – diz, citando o senador Paulo Paim, de quem, curiosamente, é quase um sósia.

    A manchete do artigo que publiquei no Seguinte: nesta segunda, “O blefe da GM; quem paga esse almoço?”, parece estar com uma resposta cada vez mais próxima.

    There is no free lunch.

    'Free marmita', menos ainda.

     

    LEIA TAMBÉM

    O peso da fábrica da GM para Gravataí

    • opinião
      Rodrigo Maroni, o político que é ’um Coringa pelo mundo’
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | opinião
      Aborto, um sentimento de alívio
      por Debora Diniz e Giselle Carino | El País
    • opinião
      Não basta um ’prefeito de Colatina’ para Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | crise civilizatória
      Nazismo: banalidade do mal ou gozo dos carrascos?
      por Jordi Jean | El País | Tradução: Eleutério Prado | Outras Palavras
    • 3º Neurônio | ciência
      Encontrado o organismo que explica a origem de toda a vida complexa da Terra
      por Nuño Domínguez | El País
    • zanzando com kati
      Pelas cascatas de Riozinho
      por Katterina Zandonai
    • casas da Granja
      Como foi o processo para regularizar as moradias
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Sobre a ’Cruz de Gravataí’ na mesa do ministro; entenda
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A fake news do endividamento de Gravataí; o Jesus de 2020
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como se inscrever para vagas na Havan de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Policial morto em Gravataí está no Memorial de Honra; parabéns, Nadini
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Gravataí chama médicos, mas 4 em cada 10 desistem; 177 foram embora em 3 anos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Sobre a utilidade dos assessores na Câmara de Cachoeirinha; a polêmica da biometria
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Segunda é ’Dia L’, de Dr. Levi candidato de Marco Alba; depois o ’Dia A’
      por Rafael Martinelli
    • personagens
      Como é o dia a dia de uma pessoa cega?
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • moradia
      Ainda há 8 mil famílias na fila da casa própria
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Deadpool de Gravataí sem fantasia; em 2020, a caridade pela política
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel critica obra que seus vereadores aprovaram; ou ’aliviando Bolsonaro’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A treta de Facebook entre o vereador e o eleitor
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.