notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 24/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Lula, que estava preso, foi autorizado pelos militares, durante a ditadura, a ir ao velório da mãe

    Lula, um presidiário incomum

    por Rafael Martinelli | Publicada em 30/01/2019 às 15h12| Atualizada em 07/02/2019 às 12h49

    Se Beau Willimon escrevesse um argumento para série narrando, antes de acontecer, os assombros da política brasileira desde o golpeachment, seria muito provável algum produtor executivo de Netflix sugerir algo menos ficcional.

    Mas a nossa realidade, povoada de vilões e heróis caídos, supera diariamente, muitas vezes mais de uma vez a cada 24 horas, qualquer licenciosidade artística.

    O capítulo do dia, tão surreal quanto um original do Marquês de Dalí de Púbol, é a liberação do Supremo para o irmão morto visitar Lula. Sim, o leitor não leu errado. O presidente do STF Dias Toffoli autorizou o ex-presidente a participar do enterro do irmão Genival Inácio da Silva, o Vavá, quando o esquife já saia da capela para a cova. Aos familiares cabia decidir se queriam levar o caixão para um passeio até uma base militar para encontrar Lula.

    Antes de gastar mais as teclas de seu PC, notebook ou celular metralhando c-o-m-u-n-i-s-t-a, p-e-t-r-a-l-h-a ou m-i-m-i-m-i no Grande Tribunal das Redes Sociais, vamos aos fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos pré-concebidos.

    Leia isso:

     “Os condenados que cumprem pena em regime fechado ou semi-aberto e os presos provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, quando ocorrer falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão”.

    Não sou eu, ou algum dos caros advogados de Lula a inventar isso. A saída temporária em casos de morte de parentes próximos está lá, garantida pelo artigo 120 da Lei de Execução Penal.

    – É uma questão humanitária, não é? A gente perder um irmão sempre é uma coisa triste. Eu já perdi o meu e sei como é que é –disse ninguém menos que Hamilton Mourão, general que está no exercício da Presidência da República.

    Bem faz Lula em não sair de sua solitária em Curitiba e ir a São Bernardo do Campo, como se a autorização fosse um favor do Ministério Público Federal e do Judiciário. Não haveria nenhum privilégio na liberação para sua saída – ainda mais que não se trata de nenhum Fernandinho Beira-Mar, para o qual talvez fosse necessária uma megaoperação de segurança.

    Mais uma vez, ao arrepio da lei, mesmo que nos estertores do moralismo lava-jatista, se joga para a torcida, se desvia o foco de um governo que é um Brumadinho de 30 dias, e se alimenta a sanha de fanáticos, que talvez só sosseguem quando o pensamento divergente estiver marcado com a Estrela de Judeu, quem sabe substituindo pelo vermelho o fundo amarelo sobre o qual se aplica a estrela de seis pontas.

    Parênteses: alerto aos que são partidários do ‘Lula bom é Lula morto’, que muitas vezes são mais temíveis os legados e as denúncias de quem morre, e não pode ser morto mais uma vez, do que o definhar dos vivos.

    Para ilustrar o horror de nossos tempos, cada vez mais naturalizado por desinformados, informados do mal e, vá lá, espíritos machucados e ‘contra tudo isso que está aí’, vou contar uma história. Poucos conhecem, mas lance no Google e procure um site confiável, caso desconfie ser fake news.

    Era uma vez um metalúrgico chamado Luiz Inácio Lula da Silva, de primeira alcunha Taturana, e que depois ficou famoso como Lula, que passou 31 dias atrás das grades do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) de São Paulo, preso em abril de 1980 por liderar uma greve que, como hoje, polarizava opiniões no país. Sua mãe, Dona Lindu, faleceu vítima de um câncer. Os militares autorizaram o presidente a acompanhar o velório e o enterro.

    Os militares! Na ditadura!

    Quarenta anos depois, é a ditadura do Judiciário, cuja balança incontestavelmente tem pesado muito mais do meio para o lado esquerdo, que parece debochar dessa família de ex-retirantes nordestinos ao, como descrevi acima, autorizar o irmão morto a visitar o irmão vivo.

    Que se esgotados seus recursos, e condenado, Lula cumpra pena. Como um preso comum, que seja, mas não como um presidiário incomum, privado do acesso a garantias constitucionais elementares.

    • profissional de sucesso
      Fabiano Izabel, o novo nome forte dentro da Sogil
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Quem são nossos 50 mil bolsonaristas mais fanáticos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O que ’caso Carús’ ensina a políticos da ’rachadinha’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Sem acordo, indenizações da Pirelli restariam suspensas
      por Rafael Martinelli
    • aniversário
      Gravataí comemora hoje 139 anos de emancipação
      por Silvestre Silva Santos
    • cachoeirinha
      Por 13 a 2 Câmara derruba golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • investimento
      Só faltou o buggy na abertura do maior posto SIM do estado
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • investimento
      Luciano Hang vem dar a largada na sua loja Havan
      por Silvestre Silva Santos
    • glorinha
      Caso Unick: MP investiga presidente por uso da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • pontes do parque
      Saiba porquê a inauguração das pontes vai atrasar uns dias
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Bordignon critica Marco Alba e o governo; a Rainha protegida
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Gravataí vai ter novo centro comercial
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Vereador quer CPI de fraude no SUS em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O pedido de Ciro para campanha de Anabel em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Cinco homens e um destino, ser sucessor de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.