notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/09/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Pavilhão na RS 118 onde o Mercado Livre implanta um novo centro de distribuição

    Negociação com RS suspende investimento do Mercado Livre; em Gravataí, tudo certo

    por Rafael Martinelli | Publicada em 27/02/2020 às 16h09| Atualizada em 04/03/2020 às 23h18

    A jornalista Giane Guerra publicou na manhã desta quinta, em GaúchaZH, o artigo Mercado Livre suspende obras e contratações do novo centro de distribuição no RS.

    Conforme o texto, a gigante mundial do comércio eletrônico, que já tem licença emitida pela Prefeitura de Gravataí e projeta 500 empregos, negocia com governo gaúcho, que analisa alteração na legislação para viabilizar o empreendimento. 

    Siga na íntegra o que reportou Giane e, ao fim, comento.

     

    “(...)

    Já com previsão de inauguração e funcionários selecionados, o Mercado Livre suspendeu as obras e as contratações para o centro de distribuição em Gravataí, na região metropolitana de Porto Alegre. Gigante mundial do comércio eletrônico, a empresa pretendia dar início à operação ainda no primeiro trimestre do ano. 

    Na semana passada, como acompanha de perto esse investimento desde o ano passado, a coluna noticiou a liberação do alvará de funcionamento pela prefeitura de Gravataí e reforçou a previsão de inauguração até março. No entanto, a empresa informou, por meio de nota, que a data não estava mais definida devido a questões fiscais que estavam sendo negociadas com o governo do Rio Grande do Sul. Ainda no comunicado, o Mercado Livre confirmou que, enquanto isso, as obras e as contratações ficariam suspensas. 

    No texto, a empresa usou a expressão "trâmites operacionais de ordem fiscal". A coluna solicitou entrevista para entender do que se tratava. Foi atendida, então, pelo diretor Jurídico e de Relações Institucionais do Mercado Livre. Ricardo Lagreca explicou que, pelas normais atuais do Estado, cada vendedor que comercializa produtos pela plataforma teria de abrir uma "filial" no Rio Grande do Sul. Essa exigência inviabiliza o empreendimento, mas disse estar confiante na condução do assunto pela Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz-RS). É necessária uma alteração, como foi feita em São Paulo, onde a empresa já tem centros de distribuição. 

    — O centro de distribuição do Rio Grande do Sul faz parte de um forte investimento do Mercado Livre no Brasil neste ano. A ideia é agilizar a entrega dos produtos para os consumidores. No espaço, os vendedores poderão ter produtos armazenados e que ainda nem foram vendidos. Quando adquiridos pela plataforma, o cliente receberia rapidamente os itens — explica Lagreca sobre o propósito do investimento no mercado gaúcho. 

    A coluna procurou o governo gaúcho para saber se há a intenção e até uma previsão para que seja feita a alteração. Recebeu uma nota da Secretaria Estadual da Fazenda, avisando que a legislação está sendo analisada e sinalizou que deve ficar igual a de São Paulo. 

    "A Sefaz tem mantido contato permanente com a empresa e com a Sefaz de SP para garantir o investimento no Estado. A legislação atual exige que empresas de outros estados tenham inscrição no RS. Estamos trabalhando para harmonizar a legislação para que fique igual à SP, a qual foi recentemente alterada, no mês de dezembro.", diz a nota na íntegra. 

    Questionado novamente sobre os prazos e a retomada do empreen dimento, o diretor da empresa, Ricardo Lagreca, disse que, após a adaptação da legislação, o centro de distribuição pode ser inaugurado em poucos meses. A área total é de quase 50 mil metros quadrados, com um faturamento estimado de R$ 450 milhões nos próximos cinco anos. O pavilhão fica em um condomínio logístico na RS 118. O empreendimento está gerando 500 empregos e a seleção dos trabalhadores tinha iniciado ainda 2019.

    Gigante do setor, o Mercado Livre responde por 33% do comércio online no Brasil. Nasceu em 1999, na Argentina, e já opera em 18 países. O investimento no Rio Grande do Sul se encaixa na estratégia recente da empresa de investir em unidades de serviços financeiros e pagamentos, além da abertura de centros de distribuição para reduzir prazos de entrega. O Mercado Livre enfrenta, por exemplo, o avanço da Amazon.

    (...)”

     

    Analiso.

    Na tarde desta quinta o diretor operacional do Mercado Livre recebeu das mãos do prefeito Marco Alba o alvará de funcionamento, liberado na quinta passada. Luiz Vergueiro disse que a intenção da empresa era já estar funcionando em janeiro, mas há entraves burocráticos com o governo Eduardo Leite (PSDB), como bem detalhou a jornalista Giane Guerra.

    Vergueiro reforçou a intenção de instalação, mas não deixou de manifestar preocupação com as exigências da Secretaria da Fazenda do Estado.

    Gravataí fez sua parte.

    O 'mico' está na mão do governador.

    Aguardemos.

    • eleições 2020
      Com COVID, candidatos do governo estão em isolamento
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ruiu conspiração anti-Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • política
      Juíza acaba com sessões às escondidas na Câmara
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      Décimo antecipado; 10 milhões na economia
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Metade de Gravataí é grupo de risco; isso o IBGE não mostra
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Hospital de Campanha de Gravataí vai fechar
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.