notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 28/02/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Prefeito Marco Alba e secretário da Saúde Jean Torman | Foto GUILHERME KLAMT | Arquivo

    Gravataí prepara ’estratégia de guerra’ contra coronavírus; crise não é um meme

    por Rafael Martinelli | Publicada em 17/03/2020 às 20h04| Atualizada em 23/03/2020 às 16h58

    Gravataí organiza sua ‘estratégia de guerra’ para enfrentar a crise do coronavírus, com medidas que vão além do decreto que suspende aulas, eventos da Prefeitura, libera servidores idosos para o trabalho em casa e determina higienização no transporte coletivo, que você acessa a íntegra clicando aqui.

    É preparado um mutirão de médicos da Prefeitura.

    Os cerca de 180 profissionais serão redistribuídos para priorizar o atendimento nos postos de saúde dos bairros e periferias, alguns sem médicos suficientes. É a estratégia para não afogar a rede de emergência (UPA, 24H e Hospital).

    O prefeito Marco Alba também já autorizou a contratação emergencial de uma empresa para terceirizar a convocação de profissionais da saúde por hora, conforme a procura durante o pico da propagação do covid-19, projetado até junho para o Brasil.

    O mutirão deve ter como consequência a redução de ‘fichas’ para consultas, já que médicos priorizarão atendimento às suspeitas de covid-19. Da mesma forma, pode ocorrer a remarcação de cirurgias eletivas, aquelas pré-agendadas que não são emergenciais.

    – Serão dias difíceis – disse minutos atrás ao Seguinte: o secretário da Saúde Jean Torman, preocupado com o “pânico da população”, que credita à “velocidade da informação e da desinformação”.

    Ainda são tabulados os dados, mas o secretário informa que a procura pelas unidades básicas de saúde, unidades de saúde da família, UPA, 24H e Santa Casa ainda não aumentou significativamente desta para a semana anterior.

    O que cresceu foi o número de pacientes que procuram por atendimento relatando supostos sintomas do coronavírus.

    – Não temos nenhum caso em Gravataí. Mas possivelmente teremos quando o vírus ultrapassar o protocolo. Não se saberá se o contágio foi em uma viagem, ou na padaria – explica.

    Hoje, pelos sintomas parecidos com uma gripe, exames são feitos apenas quando são observados requisitos estabelecidos pelo Ministério da Saúde, como o contato com alguém contaminado e/ou viagem recente para áreas no Brasil ou Exterior com casos registrados.

    Conforme o secretário, nas unidades básicas e de emergência da rede, o atendimento já acontece como no país e no exterior, sem falta de equipamentos de prevenção e higienização para profissionais e pacientes.

    Online, Gravataí foi inscrita no Mais Médicos, reaberto nesta segunda pelo governo. Mas, como já tratei pela última vez em Ministério da Saúde tira 39 médicos e recursos de Gravataí; ’arminha’ contra o SUS, o programa que já teve 23 médicos na época dos ‘escravos cubanos’ deve ser reduzido a três pelos novos critérios do Ministério da Saúde.

    Jean Torman era um dos únicos agentes públicos que teriam autorização do prefeito para viajar, após edição do decreto 17.791. Mas como o MS suspendeu as agendas, o secretário cancelou ida a Brasília nesta terça, onde buscaria a inclusão de Gravataí na lista de municípios que receberão recursos federais extraordinários.

    – Ainda não recebemos nada. Ia pessoalmente mostrar nossas dificuldades.

    Por enquanto, apenas Porto Alegre, que tem como referências as UTIs do Clínicas e do Conceição, tem garantia de liberação de verbas.

    Aí está o risco de colapso no sistema que, se o secretário evita falar, para não provocar pânico, eu alerto. Não é por torcida ou secação que nos artigos Marco Alba e Miki agem bem na crise do coronavírus; o Jim Jones de estimação e Decreto contra coronavírus proíbe agir como Bolsonaro em Gravataí; conheça as medidas elogio medidas de prevenção tomadas pelo prefeito.

    O faço porque é imprescindível evitar que muitas pessoas fiquem doentes ao mesmo tempo, sobrecarregando um sistema de saúde que opera no limite, como também já abordei em artigos como Gravataí chama médicos, mas 4 em cada 10 desistem; 177 foram embora em 3 anos Não tem Jesus para crise dos médicos em Gravataí.

    A ‘ideologia dos números’ confirma que a falta de leitos em Gravataí é um fato. São 193, destes 121 pelo SUS, entre a Santa Casa, a UPA e o 24H. Seria necessário três vezes mais, pelo porte do município, conforme a Organização Mundial da Saúde.

    Dados de fevereiro da Secretaria Municipal da Saúde mostram que a taxa de ocupação de leitos pelo SUS é de 97%, superando a média nacional de 95%.

    Há no Dom João Becker 12 leitos de UTI (oito adultos e quatro pediátricos). 60% são reservados obrigatoriamente para o SUS, mas estados clínicos tem feito com que o atendimento público ocupe quase todos os leitos.

    Do total, só há quatro leitos com isolamento respiratório, especificidade recomendada para casos de coronavírus.

    Epidemiologistas estima que 80% dos infectados pela covid-19 não terão sintomas relevantes, mas 15% poderão precisar de tratamento e 5% de internação em uma Unidade de Tratamento Intensivo.

    Nesta tarde, em que Gravataí tem 12 casos para investigar, o Brasil registra pelo menos 291 confirmações de coronavírus – um aumento de 23,9% em relação à segunda-feira. O Rio Grande do Sul tem 10 casos confirmados. São Paulo confirmou a primeira morte e investiga outra quatro.

    Entendeu por que essa crise não é meme de rede social, teoria da conspiração de tiozão do churrasco ou bravata de imbecil de cartaz? Na Itália, que desdenhou da pandemia e têm 26 mil casos, muitas das 2.503 mortes foram consequência do colapso no sistema de saúde.

    Ao fim, enquanto alguns optam pelo ‘tô nem aí’, médicos temem ter que fazer uma ‘escolha de Sofia’: tirar um paciente para colocar outro no respirador da UTI.

     

    LEIA TAMBÉM

    Clica aqui para ler mais sobre a crise do coronavírus no site do Seguinte:

     

    • coronavírus
      Aulas suspensas em Cachoeirinha; O grande acerto de Miki
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Por que Havan de Gravataí pode abrir no lockdown
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      A boa notícia da gigante Dana para Zaffa
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      7 em 10 morrem na UTI: Dr. Weston defende lockdown
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      Superlotação, explosão nas internações e lockdown
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Vencedores e vencidos contra a COVID; Faltou ’soquinho’
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Colapso e lockdown: o apelo de Zaffa e Miki
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Prefeitos querem mini-lockdown entre 18h e 6h
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Orçamento da Saúde termina em setembro; A bolha da COVID
      por Rafael Martinelli
    • ’Lei Coronavírus’
      Gravataí congela progressão salarial do funcionalismo
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí abre leitos na explosão da COVID
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Pilatos 2.1 : Leite passa responsabilidade a Zaffa e Miki
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.