notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 02/06/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Gravataí teve movimento nas ruas na segunda da reabertura do comércio | Foto GIRO DE GRAVATAÍ

    Gravataí é 13º do mundo em letalidade da COVID 19; o engano dos números

    por Rafael Martinelli | Publicada em 05/05/2020 às 15h57| Atualizada em 12/05/2020 às 17h45

    Fosse Gravataí um país, seria o 13º do mundo em taxa de letalidade pela COVID-19. É ciência, matemática, mas uma conta mentirosa. Até a ‘ideologia dos números’ precisa de contexto. Alívio? Não. A redução do índice diagnostica a subnotificação e a falta de testes. O perigo é o mesmo – ou maior.

    A taxa de letalidade é calculada pela divisão simples do número de casos oficiais pelo número de óbitos. Gravataí tem 25 casos e uma morte, 4%. O Brasil é o sétimo no ranking produzido em 30 de abril pelo ECDC, o centro europeu para prevenção e controle de doenças.

    A mortalidade de 7% supera em um ponto o primeiro epicentro da COVID-19, Wuhan, na China, 2,3%, e o atua ‘covidário’ mundial, os EUA, 6%.

     

    Siga o gráfico e, depois, analiso.

    ARTE: Estado de Minas

     

    Seria preocupante o 4% de letalidade, caso Gravataí não tivesse feito apenas 234 testes. Os dados desta terça da Secretaria Municipal da Saúde apontam 1 óbito, 15 infectados, 15 pacientes aguardando testes, 7 recuperados e 194 descartados. A conta é simples: quanto mais testes, menor a taxa de mortalidade. Consequência lógica, quanto mais testes, maior a realidade do número de infectados.

    O descontrole da pandemia é fato no Brasil. É o que indicam diferentes modelos matemáticos e epidemiológicos. Enquanto o número de infectados começa a cair até nos EUA, no Brasil dobra a cada 5 dias. O boletim 14 do Ministério da Saúde mostra que foram feitos 339 mil testes, 3 para cada caso positivo.

    – Seria necessário 300 mil por dia para o Brasil não estar com uma vela na mão, enquanto outros países tem uma lanterna – compara Átila Iamaraino, biólogo e pesquisador brasileiro.

    A Imperial College mostra que a taxa de contágio brasileiro é hoje a maior do mundo: 1 infecta 3, enquanto é considerado “preocupante” 1 para 2, da Suécia, e em queda o 1 para 1 da Alemanha e, sim!, já de Nova Iorque, que começa a superar a tragédia.

    Em Gravataí não há indícios de que será diferente, já que a média de casos, que era de um a cada dois dias já chega a 1 por 24h. Uma estimativa sobre dados do Governo do RS e do Google calcula que 40% das pessoas não estavam em isolamento social mesmo antes da reabertura das atividades econômicas nesta segunda que, conforme cálculos da Prefeitura, terá como consequência pelo menos 100 mil pessoas circulando pelas ruas.

    Para efeitos de comparação, países europeus e asiáticos estão ‘reabrindo’ somente após a queda de casos e uma ‘quarentena’ a qual era respeitada por 70% das pessoas. Em Portugal, metade da população ficou em casa no primeiro dia da 'retomada'.

    As estimativas da subnotificação são umas piores que as outras. Pela Imperial, o Brasil tem os dados mais irreais do mundo: 90% de subnotificação. Em Gravataí, seriam mais de 2 mil infectados. Já pelo estudo do Governo do RS, usado para definir Gravataí como ‘bandeira laranja’, e seguido pela Prefeitura, seriam 300 casos.

    Mas o dado parcial que melhor ilustra a pandemia é o de hospitalizados pela SRAG, a síndrome respiratória aguda grave – a ‘cara’ da COVID-19. Em Gravataí, entre março e abril de 2019 foram 3 casos; no mesmo período em 2020, 78.

    É uma análise parcial porque não é possível analisar o número de mortes pela SRAG, já que ainda não há dados oficiais. Conforme a SMS, os cartórios não estão alimentando o sistema nacional, devido ao fechamento na pandemia. O exemplo maior é que o único óbito por COVID-19 em Gravataí sequer está registrado no Portal Transparência de Registro Civil.

    Ao fim, uma verdade é incontestável nos números: algo está hospitalizando 30 vezes mais gravataienses por falta de ar nos quatro primeiros meses de 2020. Como jornalismo é dar nome às coisas: é o SARS-CoV-2, vírus que causa a COVID-19.

    Aguardemos os número daqui a 14 dias, a partir desta semana do dia das mães, em que as ruas e comércios voltaram a ficar cheios em toda região metropolitana.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí tem 25ª infecção; RS registrou 1 caso por hora e 7 mortes por COVID 19

    COVID 19 rejuvenesce em Gravataí; siga perfil dos casos 

    Os casos da COVID 10 em Gravataí; saiba em que bairros estão, sexo e idade dos infectados

    Marco Alba: Se cada um não colaborar, comércio fechará; suecos ou suicidas?

    As regras de Gravataí para comércio abrir e população andar na rua; expectativa e realidade

    Gravataí pode ter 12 vezes mais infectados por COVID 19; reabrir ou não comércio?

    Os milhares de Gravataí que estão no grupo de risco da COVID 19; teste se você escapa

    É moralmente homicida pressão pela volta da ’vida normal’; o que fará Gravataí?

    Gravataí, Cachoeirinha e Viamão tem mais casos de COVID 19 que UTIs; o 11 de setembro

    Entramos no novo hospital de campanha de Gravataí; assista

    Pesquisa mostra que Gravataí aprova o ’fecha tudo’ de Marco Alba

    Parem Gravataí que eu quero descer!; declaro-me Inimigo do Povo, amigo da vida

    Clique aqui para ler a cobertura do Seguinte: para a crise do coronavírus

    • negócios
      Gravataí receberá mais três empreendimentos de alto padrão
      por Redação
    • educação
      A ’obra do coração’ do prefeito Marco Alba
      por Redação
    • justiça
      O que vamos dizer para o Gu, que perdeu o pai assassinado na Rondon?
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Morada do Vale é ’epicentro’ da COVID 19 em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      100 infectados em Cachoeirinha são potenciais 20 mil; o maio do contágio
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Marco Alba alerta para período crítico da COVID 19 em Gravataí; tem novos decretos para comércio e aulas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      O ‘urubu da imprensa’ errou, para menos; contágio em Gravataí cresceu 245 por cento
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Ele grita a sua impotência. Ou: Vamos ver como seria o ’gorpe do Parmito’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      As mortes sem rosto da COVID 19 em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      ’Político alvo’ desafia abertura de ’CPI das fake news’ na Câmara de Gravataí; as bravatas e verdades múltiplas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí receberá 36 milhões de socorro federal; funcionalismo com salários congelados até 2022
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Metade de Gravataí é ’grupo de risco’ para COVID 19; alerta aos ’covidiotas’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Zaffa saiu da Havan como candidato a prefeito de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Luciano Hang e Marco Alba na ’inauguração surpresa’ da Havan Gravataí; assista
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      ’Gripezinha’, ’carreatas da morte’, Páscoa, reabertura e Dia das Mães; a progressão da COVID 19 em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Por que hospital de campanha de Gravataí atrasou 30 dias; sem tirolesa ou ’Covidão’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Cristiano Abreu | EDITOR | cristiano@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.