notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/09/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Havan de Gravataí, no último domingo | Foto GUILHERME KLAMT

    É tudo com a gente em Gravataí e Cachoeirinha; o Distanciamento Controlado fake não segura a COVID 19

    por Rafael Martinelli | Publicada em 24/06/2020 às 12h41| Atualizada em 30/06/2020 às 22h33

    Sinto-me um crítico praticamente solitário na mídia gaúcha sobre o ‘experimento descontrolado’, que é como chamo o Distanciamento Controlado do Governo do RS, que reclassificou a Região Porto Alegre para alto risco de contágio da COVID-19.

    Sem torcida ou secação: a bandeira vermelha é só para assustar, é fake. Estamos por conta. Ou eu faço, e você faz, ou Gravataí e Cachoeirinha seguirão com UTIs superlotadas, contando (ou subnotificando) infectados e sepultando pessoas com velório restrito e em caixão fechado.

    Antes, um pouco de contexto, a ‘ideologia dos números’. No último boletim epidemiológico, Cachoeirinha registra 308 casos, com 3 mortes e 1544 testes, o que aplicando sobre os 130 mil habitantes representam potencialmente 25.932 infectados. Gravataí, com 293 casos e 8 óbitos, não divulga o número de testes. Se a proporção foi a mesma do município vizinho, seriam 3.337 testes, e potencialmente 24.672 infectados. Junho, o ‘pior mês da COVID-19’, já apresenta um crescimento de 245% nos casos.

    A taxa de ocupação de leitos na Região Porto Alegre é de 74.8 e não chegamos à semana 27, a primeira de julho, e a pior conforme infectologistas, porque superlota UTIs com doenças do inverno.

    Como já tratei em uma série de artigos, minha crítica não é relativa ao fechamento de atividades, e sim à forma como foi feita a primeira onda restritiva, pouco cumprida, seguida de uma abertura incontrolável em momento de ascendência da curva de contágio – descumprindo recomendação básica da Organização Mundial de Saúde (OMS). Combinemos: só fechamos de verdade por duas semanas em março, quando duas mãos bastavam para contar casos confirmados em Gravataí e Cachoeirinha. 

    No geral, usamos um ‘modelo sueco’, de transferir a responsabilidade para as pessoas, com uma cultura brasileira de desobediência às regras – pilhada por um ‘napoleão de hospício’ que ocupa a Presidência da República e não tem noção de que o peso de suas palavras mata. Vale lembrar que nem na Suécia funcionou, já que em sua vizinhança é o ‘país infectado’.

    É inviável o governador Eduardo Leite repassar às prefeituras a fiscalização dos protocolos, um dia mais brandos, noutro mais restritivos e, num terceiro, com uns poucos confusos respeitando. 

    Nem Cachoeirinha, nem Gravataí tem fiscais suficientes para cobrir 500 quilômetros quadrados – a soma do território dos dois municípios, e sem fronteiras fechadas com o ‘epicentro’ Porto Alegre, ou o ‘eixo da morte na RS-118’, tema que tratei sábado. Alguém acredita em fiscais entrando em lojas e medindo a área e o número de clientes? No máximo, e é o mais fácil de exigir, teremos ônibus só com pessoas sentadas, mas aglomerações nas paradas, esperando o próximo.

    Para piorar, com a bandeira vermelha, as prefeituras, em muitos municípios o equivalente à ‘maior empresa’, têm que reduzir a um terço os funcionários na ativa. 

    – A bandeira vermelha é de “pare!”. Pare de acreditar que a pandemia não existe. Sem espírito de comunidade vamos acabar em lockdown, em bandeira preta – apelou o prefeito de Gravataí, Marco Alba, em live.

    – Não colaborar é enganar a si mesmo, e não ao prefeito, governador ou presidente. Precisamos de união para sair da bandeira vermelha – apelou o prefeito de Cachoeirinha, Miki Breier, também em live.

    Em artigo anterior parafraseei Millôr: “Uma característica curiosa do covidiota se observa em restaurantes. O covidiota está sempre nas outras mesas”.

    Ao fim, a covidiotia de muitos, que não entenderam a pior crise da história moderna da humanidade, além do efeito nos ‘CPFs’, tem seu efeito mais danoso nos CNPJs de pequenos empreendedores que, mais uma vez, vão perder o fôlego a cada novo boleto que chega na proporção inversa ao faturamento em fins de mês perpétuos.

    Uso dois exemplos-símbolo: na indústria, a GM segue a 75% com o ‘alaranjamento da bandeira’ pelo Governo do Estado; no comércio, a Havan funcionará praticamente da mesma maneira, já que além de ocupar uma grande área, espertamente tem alvará de hipermercado e basta botar um saco de feijão na prateleira para se enquadrar como serviço essencial.

    É uma culpa que carregam todos que podem, e não cumprem o distanciamento social. Minha análise vale não só para Gravataí e Cachoeirinha, mas para todo Brasil dos mais de um milhão de casos e 50 mil mortes.

     

    LEIA TAMBÉM

    Veja como comércio de Gravataí vai funcionar na bandeira vermelha

    Veja como comércio de Cachoeirinha vai funcionar na bandeira vermelha

    Morador do Barnabé é segunda morte do dia por COVID 19 em Gravataí; já são 9 vítimas

    Gravataí e Cachoeirinha tem mortes de pacientes mais jovens pela COVID 19

    Até às 19h desta terça nada muda no comércio de Gravataí, mas em Cachoeirinha bandeira vermelha já está valendo; ônibus já tem que operar só com passageiros sentados

    Com o dobro de mortes e curva ascendente, região Gravataí-Cachoeirinha está em bandeira vermelha; saiba como ficam comércios

    Miki joga para torcida ao recorrer, Marco Alba reconhece ’doença’ na saúde; comerciantes, saibam como operar na bandeira vermelha!

    Como estavam os Parcões de Gravataí e Cachoeirinha no primeiro domingo sob bandeira vermelha

    Médicos testam positivo para COVID 19 e UTI do Becker está sob observação

    Prefeituráveis de Gravataí, segurem seus ’carluxos’, não politizem o vírus; culpem Deus!

    Emergência do Becker e hospital de campanha estão lotados; superintendente da Santa Casa faz radiografia

    Hospital de campanha não é lugar de celular; O Urinol de Maiakóvski

    Como funciona o hospital de campanha de Gravataí; assista

    Cachoeirinha tem segunda vítima; mortes pela COVID 19 se espalham pelo ’eixo da 118’

    A COVID 19 está espalhada por Gravataí; siga o ranking dos bairros infectados

    Gravataí ultrapassa 200 casos da COVID 19 e média diária salta de 1,9 para 7,7 em junho; potencialmente são 23 mil infectados

    Cachoeirinha ultrapassa 200 casos; incidência é maior que ’epicentro’ Porto Alegre e regiões de bandeira vermelha

    Marco Alba pede ajuda à comunidade para não ter que fechar comércios; contágio cresceu 90 por cento em 2 semanas.

    ’Gripezinha’, ’carreatas da morte’, Páscoa, reabertura e Dia das Mães; a progressão da COVID 19 em Gravataí e Cachoeirinha

    Perdi meu pai para COVID 19; o depoimento de uma gravataiense

    Clique aqui para ler a cobertura do Seguinte: para a crise do coronavírus

    • política
      Ruiu conspiração anti-Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • política
      Juíza acaba com sessões às escondidas na Câmara
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      Décimo antecipado; 10 milhões na economia
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Metade de Gravataí é grupo de risco; isso o IBGE não mostra
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Hospital de Campanha de Gravataí vai fechar
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.