notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 26/10/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    eleições 2020

    Cultura foi o tema do debate online organizado pelo Instituto Cultural e Social Ágora na noite desta segunda

    O debate da tragédia ao otimismo; Na Ágora de Cachoeirinha, Homero é Ésquilo

    por Rafael Martinelli | Publicada em 06/10/2020 às 12h01| Atualizada em 15/10/2020 às 12h27

    Ágora, no grego, é um lugar de reunião de pessoas, uma assembleia. Homero, o primeiro a usar o termo, foi descontruído por pesquisadores e, de poeta da época, hoje é identificado como uma criação para personificação coletiva de toda a memória grega antiga. O Instituto Cultural e Social Ágora promoveu de forma remota, na noite desta segunda, o segundo debate entre os candidatos à Prefeitura de Cachoeirinha. Sônia Zanchetta, a ativista-mãe da cultura, e principal organizadora, há de concordar que, feito um híbrido da performance dos prefeituráveis, o Homero estaria mais para Ésquilo, o ‘pai da tragédia’.

    Não me refiro apenas ao sentimento de que Miki Breier (PSB), Antônio Teixeira (REDE), Dr. Rubinho (PSL), Delegado João Paulo (PP) e Jeferson Lazzarotto (PT) pareciam pouco ter pensado sobre o tema do debate, a Cultura, e sim a, como o poeta, usarem um discurso entre dois mundos: o trágico e o otimista.

    Trágico porque parecem apostar, em vez de apresentar propostas detalhadas, na perigosa estratégia do zero-a-zero, do ‘eu sei o que você fez no verão passado’. Ou melhor: o que fizemos no verão passado.

    Uma fala de Miki, atacado por todos como atual prefeito que investiu pouco mais que zero após a vírgula em Cultura, confirma o verso:

    – O PT governou até 2005, o candidato da REDE esteve no governo até 2016, o do PP também foi secretário e seus apoiadores, assim como o candidato do PSL, participou até 2019. Todos são responsáveis por pegarmos uma Prefeitura com 80% da receita comprometida com folha de pagamento, salários atrasados, fornecedores sem receber e uma dívida absurda com a previdência – disse o candidato à reeleição, que também é personagem da tragédia por ter sido secretário e eleito pelo partido dos últimos ex-prefeitos, José Stédile e Vicente Pires.

    Se o trágico é construção coletiva, o otimismo também, nas promessas. Todos trataram a Cultura como “prioridade”. Salvo engano, subiu para o pedestal da saúde, por exemplo. Se o objetivo dos organizadores era sair com uma ‘carta de intenções’, o objetivo foi cumprido. Ativistas e artistas terão promessas não cumpridas para cobrar pelos próximos quatro anos, quando a área for a primeira a sofrer cortes.

    Sobre o otimismo, falas de João Paulo e Teixeira fizeram o verso:

    – Bom saber que todos se comprometeram com a Cultura – disse o delegado, de certa forma evocando a tragédia que referi mais acima, já que, seja quem for o eleito, sabe que tem material gravado para ser cobrado.

    – A Cultura nunca mais vai ser a mesma (depois do debate) – disse Teixeira, o que dispensa comentários.

    No oba-oba, os mais ponderados foram Miki e João Paulo. O prefeito porque disse que planos futuros deveriam ser discutidos com a sociedade no “pós-pandemia”. O delegado porque reconheceu as dificuldades financeiras e condicionou investimentos à captação de recursos. Teixeira, Rubinho e Lazzarotto não tiveram vergonha de assumir compromisso de criar uma Secretaria de Cultura (hoje é integrada a Esporte e Lazer) e investir ao menos 1% na área – recomendação da Unesco.

    Hoje, para se ter uma ideia, num orçamento de R$ 500 milhões, a Cultura não mexe mais que R$ 2,2 milhões, ou 0,4%.

    Dos Grandes Lances dos Piores Momentos, Dr. Rubinho ter criticado o atual governo por nomear CCs sem preparo para áreas, quando foi responsável por indicações – no mínimo – duvidosas durante o governo Miki.

    A passagem curiosa também credito a Rubinho. Mesmo candidato pelo PSL, ex-partido de Bolsonaro, por duas vezes defendeu a Lei Rouanet, que o mito já chamou de “claro desperdício de dinheiro público”.

    Reputo Lazzarotto como o ‘ganhador’ do debate. Foi bem quando relatou sua participação, como presidente da OAB, no tombamento da Casa dos Baptista, ao recorrer ao TJ após a absurda decisão da Justiça de Cachoeirinha de não considerar a construção como patrimônio histórico, e o tema da Cultura facilita a verve petista. É bonito ouvir que “a cultura ajuda a libertar o povo”.

    Ao fim, como em Miki ’ganhou’ o debate; e a lamentável ausência em Cachoeirinha, identifico pouco ganho ao eleitor nos debates. Os candidatos só falam platitudes e, mesmo com quatro anos entre uma eleição e outra, não apresentam sequer uma proposta como início, meio e fim, e devidamente explicando o porquê da prioridade e de onde vai sair o dinheiro. Fica parecendo que o grande itinerário dos políticos é ficar ao volante.

    Sônia Zanchetta, a cada eleição paparicada pelos candidatos, e depois nem tanto, com o Ágora, fez sua parte. Infelizmente, aposto saber que, na obra de Ésquilo, é ‘Prometeu Acorrentado’.

    CLIQUE AQUI para assistir à integra do organizadíssimo debate e tirar suas próprias conclusões.

     

    LEIA TAMBÉM

    A lista e os dados de quem concorre em Gravataí, Cachoeirinha e Glorinha

    Rubinho teve maior crescimento patrimonial entre prefeituráveis de Cachoeirinha; o ’mais rico’, o ’mais pobre’, e o que perdeu dinheiro

    • eleições 2020
      Por que Clebes e Nadir apoiam Dimas
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Justiça não aceita denúncia por uso eleitoral da UPA
      por Rafael Martinelli
    • km da morte
      Gargalo da 118: Lei executará projeto de Marco Alba
      por Redação
    • duplicação
      Governador anuncia projeto para 118 com 030
      por Redação
    • eleições 2020
      Dimas responde Dr. Levi: ’será cassado’; ’Tapetão 2.0’
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Dr. Levi: ‘usaram as mentiras de quando eram do PT’
      por Rafael Martinelli
    • upa das moradas
      Marco Alba entrega segunda UPA; veja em vídeo
      por Redação
    • eleições 2020
      Justiça confirma Zaffa e Dr. Levi nas urnas
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.