notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 28/02/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Prefeito Luiz Zaffalon anunciou data em live na noite deste domingo

    Acho arriscado volta às aulas dia 8 em Gravataí; São 90 mil pessoas-alvo

    por Rafael Martinelli | Publicada em 10/01/2021 às 22h46| Atualizada em 22/01/2021 às 13h21

    Assusta-me o liberou quase geral iniciado neste domingo por prefeitos da região, apavora-me Luiz Zaffalon ter anunciado para daqui a menos de um mês a volta às aulas presenciais em Gravataí.

    Como tratei em Voltamos à eleição: explode COVID, abre quase tudo em Gravataí, Cachoeirinha e região; Siga como fica a bandeira laranja, talvez sem nenhum brasileiro vacinado neste perpétuo e trágico 2020, que marca 41 de dezembro.

    – Tenho conversado com prefeitos e aqui em Gravataí definimos uma volta às aulas, dia 8 de fevereiro. Já compramos EPIs (equipamentos de proteção individual) para professores – disse Zaffa nesta noite, em sua primeira live no cargo, na qual apresentou decreto que flexibiliza atividades não-essenciais.

     

    Assista a live e, abaixo, sigo.

     

    Sigo.

    Após a transmissão e até o fechamento deste artigo, Vitalina Gonçalves, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública de Gravataí (SPMG), não respondeu minha mensagem questionando sobre a data para retorno das aulas naquela que é a maior rede municipal depois de Porto Alegre.

    Entendo não será um convencimento fácil por parte do governo, tanto de famílias, quanto dos professores. Talvez o anticorpo da greve suba as escadas do Palacinho ocre da José Loureiro da Silva. Não é torcida ou secação: são os fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos.

    Vamos lá.

    Se a última pesquisa feita sobre o tema pelo Ibope mostrou que, em outubro, 7 a cada 10 mães e pais não querem mandar filhos à escola antes de uma vacina eficaz, pesquisa divulgada em agosto pelo SPMG/Sindicato apontou que 98,7% das trabalhadoras e trabalhadores em educação de Gravataí consideram inviável a retomada das aulas presenciais durante a pandemia da COVID-19.

    Como tratei em Aulas não!; o anticorpo da greve em Gravataí, a pesquisa é arrasadora. Um choque de realidade gritado por quem vive o dia a dia das escolas públicas, que não tem estrutura para cumprir protocolos sanitários, e nem meios de garantir que alunos obedeçam.

    Metade dos servidores pesquisados cuida de familiares e a média de moradores nas residências é de 3 pessoas. Em uma conta simples, 3 mil funcionários representariam 9 mil pessoas. Some a isso os 30 mil alunos, que se tiverem a mesma média de moradores em uma residência, formariam uma rede de contato de 90 mil pessoas.

    Fica pior: dois em cada 10 pesquisados trabalham em mais de uma escola e metade não mora em Gravataí – e, boa parte, usa o transporte coletivo.

    E tem mais: 3 em cada 10 entrevistados apresentam comorbidades e estão no grupo de risco da COVID-19.

    A 'ideologia dos números' fala por si, mas reafirmo mais uma vez o alerta que fiz ano passado em artigos como  Deu a louca no governador!; Nem covidiotas querem mandar crianças às aulas: é preciso pensar “além do primeiro dia” de volta às aulas. Modelo matemático produzido por grupo de especialistas em planejamento da Universidade de Granada alerta que colocar 20 crianças numa sala de aula implica em 808 contatos cruzados em dois dias. Na Espanha, não no Rincão da Madalena ou na Anair. Fosse em Gravataí, seriam 161 mil pessoas na rede de contatos.

    Em Por que não é possível voltar às aulas em Gravataí e Cachoeirinha, artigo onde também apresento estudo feito em São Paulo que mostra o risco da retomada, sugiro, aos que insistem que dá para garantir o cumprimento de regras sanitárias por crianças, que apliquem o ‘teste da purpurina’. É só atirar purpurina em um aluno, que uma sala de aula inteira chegará em casa ‘contaminada’.

    Não há melhora nos indicadores em relação a outubro, quando fiz o apelo Onde é difícil tratar piolhos e tapar buracos no telhado, volta às aulas é tragédia; Façam greve, alunos no momento em que o governador Eduardo Leite tentou impor a volta às aulas nas escolas estaduais; e elogiei o não-retorno em Gravataí, em Obrigado, Marco Alba, por cancelar as aulas em Gravataí em 2020.  

    No primeiro artigo, escrevi: “Governador, os salões do Palácio Piratini são inspirados no Palácio de Versalhes, mas o Rio Grande do Sul não é a França. Não precisa ir a Pelotas. Convide seus burocratas e visite o Tuiuti e o Barbosa. O Haiti é aqui. Duvido o senhor não recue dessa política de morte”.

    No segundo, “acerta o prefeito Marco Alba: para quê retornar aulas presenciais em escolas que há anos tem problemas estruturais, falta de tudo, e para cumprir os protocolos teriam que se tornar escolas de ‘primeiro mundo’? Não por culpa deste governo, ou do anterior ou do anterior do anterior. É uma realidade brasileira. Como imaginar ser possível garantir EPIs, os equipamentos de proteção individual, para alunos da escola pública, quando não roda nem a hélice do ventilador?”.

    Ao fim, aguardo convencimento técnico em contrário. Como tratei em 10 desafios para o futuro prefeito de Gravataí, achar o momento, e garantir a segurança para a volta às aulas, é um dos grandes desafios da estreia do governo Zaffa.

    Até porque um retorno presencial em fevereiro de 2021, sob os efeitos da ‘COVID de Natal, Ano Novo e Praias’ e sem um convencimento técnico à sociedade, também deixará a desconfiança de que só não aconteceu em outubro por cálculo eleitoral. É que naquele mês a média de infectados era 1 a cada 3 horas e uma vida era perdida a cada 2 dias; neste janeiro há 1 infectado a cada partida de futebol e uma morte a cada 24h.

    Fevereiro não tende a melhorar apenas por decreto.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí pronta para vacinar 3 mil antes do fim do mês; Conheça primeiro grupo a receber

    A ’COVID de Natal’ chegou a Gravataí

    • coronavírus
      Aulas suspensas em Cachoeirinha; O grande acerto de Miki
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Por que Havan de Gravataí pode abrir no lockdown
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      A boa notícia da gigante Dana para Zaffa
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      7 em 10 morrem na UTI: Dr. Weston defende lockdown
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      Superlotação, explosão nas internações e lockdown
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Vencedores e vencidos contra a COVID; Faltou ’soquinho’
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Colapso e lockdown: o apelo de Zaffa e Miki
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Prefeitos querem mini-lockdown entre 18h e 6h
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Orçamento da Saúde termina em setembro; A bolha da COVID
      por Rafael Martinelli
    • ’Lei Coronavírus’
      Gravataí congela progressão salarial do funcionalismo
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí abre leitos na explosão da COVID
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Pilatos 2.1 : Leite passa responsabilidade a Zaffa e Miki
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.