notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    café da manhã

    Presidente José Rosa, do Sindilojas (ao fundo e ao microfone) abriu encontro para debater formas de combate ao comércio informal em Gravataí

    Sindilojas em cima de ambulantes que faturam um bilhão

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 05/09/2017 às 18h49| Atualizada em 11/09/2017 às 18h18

    Gravataí vai ter um Comitê de Combate à Informalidade. Foi o que prometeu, informalmente, o presidente do Sindilojas da cidade, José Nivaldo da Rosa, ao encerramento do café da manhã que teve a finalidade de discutir formas de reprimir o comércio informal e que teve a presença do vice-presidente da Fecomércio-RS, André Roncatto.

    A provocação para que fosse criado este comitê no município partiu do próprio Roncatto, lembrando que várias cidades do Rio Grande do Sul já têm um grupo trabalhando para combater o que, segundo ele, é um incentivo ao crime organizado, um acinte às empresas que trabalham regularizadas e causa prejuízos assustadores às administrações diante do volume de impostos que não são arrecadados.

    Aquela historinha de “deixa o homem trabalhar”, que se ouve sempre que a fiscalização apreende mercadorias pirateadas, contrabandeadas ou de procedência duvidosa e que pode ser até do crime (roubo de cargas, por exemplo), não representa a realidade pois, embora seja uma forma de a pessoa obter seu sustento, também é uma maneira de, entre outras coisas, alimentar a criminalidade.

    De acordo com Roncatto, que coordena a Comissão de Combate à Informalidade na Fecomércio, desde a implantação deste órgão, em 2011, já são mais de 30 os comitês instalados em cidades consideradas polos regionais. E ele citou números interessantes acerca do volume de dinheiro que circula na informalidade-ilegalidade.

     

    : José Rosa (esquerda), presidente do Sindilojas Gravataí, com André Roncatto, da Fecomércio

     

    Números de Roncatto

     

    Em 2016 o Brasil movimentou R$ 980 bilhões na chamada economia informal, mais que 16% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

    No mesmo ano, no Rio Grande do Sul, a informalidade fez girar aproximadamente R$ 52 bilhões. Justo num estado, de acordo com Roncatto, que precisa de arrecadação porque até os salários do funcionalismo estão sendo pagos de forma parcelada.

    E em Gravataí, de acordo com o extrato levantado pela área econômica da Fecomércio, R$ 1,6 bilhão foi movimentado no comércio de ambulantes, porta a porta e camelôs, entre outros.

    A economia informal brasileira é a segunda maior do planeta em termos de movimentação financeira. Fica à frente da China e só perde para os Estados Unidos, pelo que contou o vice-presidente da Fecomércio.

     

    O MERCADO INFORMAL:

     

    1 – Afeta o mercado de trabalho
    2 – Prejudica a indústria nacional
    3 – Compromete a arrecadação tributária
    4 – Causa riscos à economia nacional

     

    Na esteira de uma série de argumentos que apresentou para justificar a necessidade de combater a informalidade, André Roncatto lembrou do fechamento da fábrica de cigarros Souza Cruz, do Distrito Industrial de Cachoeirinha.

    Segundo ele, o empreendimento, que tinha um parque industrial dos mais modernos do planeta no gênero e gerava mais de 800 empregos além de uma arrecadação que agora faz falta aos cofres municipais, perdeu a guerra para o contrabando de cigarros.

    Outro setor que ele disse ser bastante atingido pelo contrabando-ilegalidade-informalidade é o de óticas, com a proliferação de ambulantes que vendem óculos de sol sem qualquer qualidade de garantia. Roncatto chamou isso de  “extremo risco à saúde”. Sem contar a venda de medicamentos piratas.

     

    PREJUÍZOS DA INFORMALIDADE

     

    1

    Ameaças ao estado democrático de direito por causa dos prejuízos que provoca ao mesmo tempo em que fomenta o crescimento da criminalidade e os riscos à saúde das pessoas.

     

    2

    Recrudescimento da criminalidade que ocupa um espaço cada vez maior com o seu “comércio informal”, uma aberta concorrência ao estado e aos comerciantes legalmente estabelecidos.

     

    3

    Tendência de as pessoas não entenderem a exata dimensão do que representa a informalidade como um todo.

     

    4

    Aumento de custos do estado e do próprio setor a partir do momento que precisa agir com mais força na prevenção e ter mais gente e meios disponíveis para a repressão.

     

    5

    Cada vez maior a tolerância das pessoas e instituições que não se enxergam como partes do processo no necessário combate à informalidade e ao comércio ilegal.

     

    A cartilha

     

    No café da manhã desta terça promovido pelo Sindilojas de Gravataí e com presenças de representações da Prefeitura, Receita Federal, Procon-RS e comerciantes, entre outros, foi lançada a cartilha infantil “Comércio Informal: Que bicho é esse?”

    Trata-se de uma cartilha com ilustrações voltadas ao público de menor idade e que pode ser distribuídos em escolas do município, sob o argumento de que a criança é um multiplicador da informação e um agente de cobrança para que pais e familiares façam apenas o que é certo.

     

    CONSCIENTIZAR

     

    A necessidade de conscientização do consumidor foi o suco de laranja servido às cerca de 100 pessoas que participaram do encontro. Foi o que disseram, por exemplo, a primeira-dama Patrícia Bazotti Alba, a representante do Procon-RS em Gravataí Daiana Gnoatto, o presidente da Acigra Régis Albino Marques Gomes, e os secretários municipais da Saúde, Laone Pinedo, e da educação, Sonia Oliveira, entre outros.

    --- Precisamos atuar em conjunto ou não chegaremos a lugar algum, e a cartilha é um passo porque a criança cobra, em casa, o que pode ser feito ou não --- disse a primeira-dama e advogada Patrícia.

    A também advogada e representante do Procon-RS na cidade, Daiana, disse que o órgão atende, por dia, de forma presencial, em torno de 40 pessoas que vão em busca daquilo que julgam ser seus direitos, e assegurou que em torno de 90% dos casos têm solução quase imediata, evitando-se a judicialização do caso.

    E ela contou a curiosa historinha:

    --- Em uma festa de aniversário de um priminho de cinco anos uma pessoa deu de presente o boneco de um super-herói que ele queria muito. Só que era um produto ilegal e ele de cara viu que não era original e reclamou, deixou a pessoa que deu o presente bastante constrangida.

    Mauro Ribeiro, representante da Receita Federal entre xicaras de café com leite e sucos, falou da dificuldade que é coibir a entrada no país de produtos contrabandeados que alimentam boa parte da economia informal.

    Segundo ele, a dificuldade maior reside na dimensão das fronteiras brasileiras – “que são gigantescas e pouco povoadas”. Mauro destacou que a Receita vem realizando ações de fiscalização pontuais em empresas de transportes e nas agências da Empresa Brasileira de Correios (ECT).

    --- É por onde são movimentadas grandes quantidades de mercadorias ilegais --- justificou.

    E, sobre recolher mercadorias, ele falou:

    --- O recolhimento é evitado pela Receita porque não buscamos penalizar o vendedor ilegal, mas sim o produto ilegal. Com isso trabalhamos para cortar o mal pela raiz.

     

    COMBATER A ILEGALIDADE É DAR PROTEÇÃO PARA QUEM ESTÁ NA LEGALIDADE, E ISSO É UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA, DISSE O SECRETÁRIO DA SAÚDE DE GRAVATAÍ, LAONE PINEDO

     

    O presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Gravataí, Régis Albino Marques Gomes, lembrou que a informalidade é um tema que já vem sendo discutido desde o começo da década de 1980.

    --- A informalidade é um tema muito complexo e a conscientização de todos da comunidade é muito importante. É algo que deve começar na escola --- também recomentou o dirigente da entidade.

     

    Da cartilha

     

    : O que é Pirataria?

    É a prática de roubar uma ideia e vende-la sem pagar nada para o autor. Geralmente, são cópias de produtos que acabam sendo vendidas na rua ou em lugares suspeitos. Imagine seu artista preferido... Os CDs dele são copiados e vendidos por um grupo de ladrões. E quem criou as músicas não ganhou nada.

     

    • minuto seguinte
      Jones entre os 15 melhores parlamentares
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • festa campeira
      Rodeio espera 100 mil pessoas até domingo
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • histórias da bola
      O Gre-Nal do ministro
      por Cláudio Dienstmann
    • minuto seguinte
      Marco Munhoz vem a Gravataí falar sobre o futuro da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dicas
      O verdadeiro e o falso na Black Friday
      por Fraga
    • 3º Neurônio | festil
      É noite de Oscar em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • no por do sol
      Ex-BBB vem a Gravataí para festa na Casa dos Açores
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.