notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/10/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o que vem por aí

    Em 2011 a Chevrolet trouxe dos Estados Unidos, para test-drive no Brasil, oito carros Volt. O colunista foi um dos jornalistas convidados para testar-pilotar o híbrido (foto acima) que era o xodó do momento.

    Gravataí pode produzir carro elétrico da GM

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 03/10/2017 às 17h37| Atualizada em 09/10/2017 às 12h15

    Seria muita pretensão deste colunista, num exercício de conjugação da lógica com a futurologia, apostar que pode sair da aldeia dos anjos, mais precisamente do Complexo Automotivo Industrial de Gravataí (Ciag), um modelo de carro movido 100% à eletricidade, nos próximos dois anos?

    Talvez sim, talvez não!

    Aos fatos.

     

    1

    A General Motors anunciou no começo de agosto, com pompas e circunstâncias, investimento de R$ 1,4 bilhão na fábrica de Gravataí. Não é para ampliação de pavilhões e da linha de produção, mas para transformação desta linha de produção de forma a capacitá-la para montagem de um terceiro modelo. O vice-presidente da GM Mercosul, Marcos Munhoz, disse-me na ocasião que seria algo (o carro) totalmente novo, com uma tecnologia sem igual e que iria surpreender o mercado.

     

    LEIA TAMBÉM:

    COM VÍDEO | Novo modelo já está sendo desenhado

     

    2

    Ao mesmo tempo a GM confirmou mais R$ 1,2 bilhão na fábrica carro-chefe da empresa em São Caetano do Sul, pertinho da capital São Paulo. Trata-se de um complexo de capacidade produtiva elevada mas que está estrangulado pela cidade que cresceu no seu entorno. Fábrica que também sofre com frequentes greves de um movimento sindicalista muito forte e que, de tempos em tempos, compromete a produção da montadora.

     

    3

    Outro R$ 1,9 bilhão está destinado para a fábrica da GM de Joinvile, em Santa Catarina, onde são produzidos essencialmente motores e cabeçotes para o mix de modelos montados em solo verde-amarelo e até no exterior, como na Argentina, ou México. Toda essa dinheirama é parte do bolo de R$ 13 bilhões que a GM deve destinar às suas fábricas brasileiras até 2020.

     

    4

    Sobre o que vai sair da planta de Gravataí, de dentro da GM ninguém sabe, ninguém viu. A cláusula de confidencialidade assinada por quem assume cargos estratégicos deve prever multas milionárias para o caso de vazamento de informações ao público. Mesmo assim, especula-se largamente no meio especializado que a linha de montagem da aldeia deve colocar na rua um novo SUV, mais compacto do que os atuais modelos, e mais urbano. Algo entre um Onix e uma Tracker.

     

    5

    Cada vez mais os governos, do mundo inteiro, estão incentivando o uso de tecnologias sustentáveis e de motores de combustão zero – os elétricos se encaixam aí. General Motors, Ford e Toyota lideram a corrida para colocar no mercado modelos dotados de alta tecnologia, inclusive as que dispensam o motorista, e motorização sem emissão de poluentes. A Volvo foi a primeira fabricante a "abraçar" o futuro elétrico, anunciando a eletrificação de seus modelos até 2020.

     

    6

    Outros fabrinacntes correm por fora e podem surpreender. Volkswagen, BMW, Mercedes-Benz e Jaguar Land Rover também revelaram planos semelhantes de adotar a propulsão sem emissão de poluentes. Ah, e tem a Tesla, outra da terra do “Tio Sam”, mais precisamente da árida – pelo menos nos filmes de bang-bang – Califórnia, que só faz elétricos desde sua criação.

     

    7

    Agora, ontem, segunda-feira, dia 2, a General Motors anunciou planejamento que prevê a colocação no mercado de 20 modelos de carros totalmente elétricos, até 2023. O ponto “número um” a se deduzir é que a tecnologia em estudo está avançada. O ponto “número dois” é que esta motorização elétrica deve contemplar atuais e novos modelos. Então...

     

    8

    A maior fabricante dos Estados Unidos disse que vai lançar, em 18 meses, dois novos modelos construídos a partir da experiência do Chevrolet Bolt, que foi lançado em dezembro de 2016. Então... Em 18 meses já estaremos em 2019, ano no qual, segundo Marcos Munhoz, vice presidente da GM Mercosul, o terceiro modelo made in aldeia dos anjos deve entrar nas concessionárias.

     

    : Chevrolet Bolt deve servir de base, principalmente na tecnologia do motor sem emissão de poluentes

     

    9

    É bom não esquecer que em Gravataí são produzidos dois modelos atualmente, o Onix e o Prisma. O terceiro modelo pode ser mais um ou substituir o Prisma, que tem tudo para sair de linha até o final da década. Impossível, levando em conta esse raciocínio (20 modelos com motor elétrico até 2023) que um deles não saia da linha de montagem de Gravataí.

     

    10

    E é bom recordar que a GM já produziu nos Estados Unidos o Chevrolet Volt, um híbrido plug-in cuja bateria de lítio confere ao modelo uma autonomia de 70 a 80 quilômetros. A partir daí, um motor estacionário movido a gasolina funciona como gerador de eletricidade, aumentando essa autonomia para algo pouco além dos 500 quilômetros.

     

    11

    A GM trouxe ao Brasil alguns exemplares do Volt, no segundo semestre de 2011, para apresentar à imprensa em eventos de test-drive. Pilotei um deles até o parque eólico de Osório. Carro pesado, por conta da bateria que ocupava um espaço gigante sob o banco traseiro e entre os bancos dianteiros, num formato de ‘T’, e do motor adaptado.

     

    : Levei o Volt para ser “abastecido” com energia diretamente em um dos aerogeradores de Osório.

     

    12

    Era carro de 41 mil dólares nos Estados Unidos e Canadá – cerca de R$ 70 mil pelo câmbio da época. Mas que não poderia ser vendido por menos de R$ 90 mil a R$ 100 mil no Brasil por causa da elevada carga tributária, valor inviável para o padrão aquisitivo tupiniquim e diante da – ainda – duvidosa eficiência da tecnologia empregada no Volt.

     

    13

    Por fora, um carro bonito, com excelente acabamento. De interessante, o silêncio do motor elétrico. Chovia. Ouvia-se apenas o ruído dos pneus no asfalto molhado. É bom admitir que não sei mais do Volt, se continua sendo produzido e vendido. Mas pelo que tenho lido é um modelo que cedeu espaço ao Bolt EV, um elétrico que está servindo muito mais como veículo de testes do que propriamente um carro para “bombar” no volume de vendas.

     

    Pelo sim, pelo não, como bom jogador de pocker que sou (SQN), aposto metade das minhas fichas que Gravataí vai produzir um – ou mais – destes 20 modelos elétricos que Mark Reuss, vice-presidente de Desenvolvimento de Produto da GM, disse ontem que a norte-americana vai colocar no mercado brasileiro até 2023.

    Alguém topa essa aposta?

    • caso eduarda
      OPINIÃO | Justiça à Eduarda, sim. Gotham City, jamais
      por Eduardo Torres
    • eleições 2018
      OPINIÃO | Gravataí ’endireitou’ entre 2014 e 2018
      por Rafael Martinelli
    • caso eduarda
      Divulgado retrato falado de suspeito da morte de menina
      por Eduardo Torres
    • violência
      Quem matou a pequena Eduarda?
      por Eduardo Torres
    • opinião
      OPINIÃO | Em Gravataí, todos arriscam perder, menos um
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      Hangar, a pioneira do som
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • operação solidária
      TRF4 absolve Marco Alba por unanimidade
      por Rafael Martinelli com TRF4
    • solidariedade
      COM VÍDEO | Diogo luta contra síndrome rara
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Como entendi nota das Irmãs do Dom Feliciano sobre eleições
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como ficou a duplicação da Centenário
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Gravataí virou ’cidade-dormitório de votos’
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Educação para o trânsito também fora da aula
      por Eduardo Torres
    • obras
      Plano de Marco prevê pontes e mais de 30 ruas até 2020
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.