notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/01/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do silvestre

    Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari, o Quebra-Molas, promete resistência em defesa dos trabalhadores diante das propostas da GM

    COM VÍDEO | Sindicato diz que vai ter peleia contra propostas da GM

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 28/01/2019 às 16h21| Atualizada em 30/01/2019 às 20h15

    --- Vai ter peleia! Vamos lutar até o fim para que os trabalhadores não percam seus direitos. Não vamos admitir que eles (a direção da General Motors) imponham essa pressão para que o trabalhador pague a conta do lucro que o capital está exigindo!

    Foi com esta declaração que o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (Sinmgra), Valcir Ascari (popular quebra-molas)reagiu na manhã de hoje (28/1) a proposta que altera a relação da empresa com seus colaboradores é que foi apresentada pelo presidente da GM Mercosul, Carlos Zarlenga, à categoria.

    Valcir participou na primeira hora desta segunda-feira de uma videoconferência com a cúpula da GM Mercosul, ao lado do prefeito Marco Alba (MDB), do Procurador Geral do município Jean Pierry Torman e do diretor jurídico do sindicato, Edson Dorneles. Nesta terça ele viaja a São Paulo para ter um encontro com o presidente Zarlenga.

    E na quarta, na sede da montadora, em São Caetano do Sul, integra a comitiva gaúcha liderada pelo governador do estado, Eduardo Leite (PSDB), ao lado do prefeito Alba, para uma nova reunião com Carlos Zarlenga e Marco Munhoz, vice-presidente para o Brasil.

     

    LEIA TAMBÉM:

    O efeito Detroit na Gravataí pós-GM

    ATENÇÃO: GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí

    O blefe da GM; quem paga esse almoço?

    O peso da fábrica da GM para Gravataí

    GM não vai embora, dizem sindicatos; Gravataí ainda terá reunião

    GM fica, garantem especialistas do setor automotivo

     

     

    Assembléia

     

    Para o final da madrugada início da manhã desta terça-feira, por volta das 5h30min, Ascari está programando uma mobilização dos trabalhadores diante do portão principal do Complexo Industrial Automotivo de Gravataí (Ciag). Na troca de turno, ele quer saber o que pensam os funcionários sobre os 28 pontos propostos pela montadora.

    --- Somos contra o trabalho intermitente. Daqui a pouco o trabalhador vai estar ganhando menos que um salário mínimo. Outra coisa: Nós temos uma carga de 40 horas semanais, vamos lutar para manter isso --- anunciou.

    Outro ponto que Valcir Ascari já adiantou que tem a contrariedade do Sindicato dos Metalúrgicos se refere à Participação nos Resultados, o PLR, que deixaria de ser pago neste ano embora já estivesse até com valores definidos, de R$ 12.000,00 a R$ 15.000,00. Para 2020 o PLR proposto é de 50% e 100% só no terceiro ano, em 2021.

    --- Eles foram muito claros dizendo que se em dez dias, ou 15 dias no máximo, não obtiverem o que querem, cortarão investimentos. Porém, os trabalhadores não podem pagar a conta porque eles querem lucrar mais --- reiterou o presidente.

    Ascari também manifestou preocupação com o futuro, seja com a redução dos investimentos em Gravataí com reflexo na produtividade e consequente desemprego, ou por causa da aplicação das novas regras na relação empresa-empregados.

    --- Não é só a indústria que perde. Quando a indústria para, os outros setores já estão na UTI. Só haverá consumo na cidade se os trabalhadores da indústria estiverem bem. Essa é uma pauta de toda a sociedade. Não adianta os patrões tentarem reduzir custos a qualquer preço.

     

    No sábado

     

    O diretor de Assuntos Jurídicos do Sinmgra Edson Dorfneles participou sábado que passou, pela manhã, de uma reunião com outros 27 líderes sindicais que representam, os trabalhadores do Complexo Industrial Automotivo de Gravataí (Ciag) e executivos que representam a montadora de Detroit, nos Estados Unidos, que tem a principal linha de produção da América Latina, em Gravataí.

    Segundo informações – que a direção da General Motors não confirma! – são cerca de seis mil trabalhadores no site da aldeia dos anjos, cerca de 2,7 somente na própria fábrica. Sobre a reunião de sábado, o diretor Edson Dorneles disse que “foi muito tensa”, considerando a rejeição às propostas que mexem na composição salarial e o que definiu como “direitos consolidados” da categoria.

    A montadora da aldeia abriga produz o Onix, mais vendido do país pelo quarto ano consecutivo. Foram 210.458 veículos comercializados em 2018, ou 15% da fatia de mercado. E o Prisma, líder de vendas em seu segmento e que fechou o ano passado com 71.735 unidades emplacadas.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gauchinho bate a concorrência de cola erguida

     

    AS FOTOS

     

    Na manhã de hoje, enquanto aguardavam o final da videoconferência que se realizava no interior da fábrica, jornalistas da capital e sindicalistas que estavam diante do portão principal da montadora notaram a retirada da estrutura com o símbolo da GM.

    E não pouparam:

    --- Já começaram a desmontar a fábrica!

    Confira as imagens.

     

    : Antes, com a estrutura do complexo

     

    : Agora, só com as bases de fixação

     

    Confira no vídeo abaixo o que o presidente dos metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari, falou para o Seguinte:.


     

    Pontos da discórdia

     

    Conheça os 28 itens propostos pela GM e que são contestados pelos sindicatos dos trabalhadores da montadora.

     

    1 - Negociação da PLR com revisão de regras de aplicação, prevalência da proporcionalidade, transição para equivalência salarial e inclusão da produtividade (Absenteísmo)

     

    2 - PLR por três anos sendo, 0% no primeiro ano (2019), 50% no segundo e 100% no terceiro ano (2021)

     

    3 - Nova grade salarial para horistas e mensalistas, progressão salarial com congelamento para o ano de 2019 e nova tabela salarial, inclusive para cargos especializados

     

    4 - Formalização de acordo coletivo de longo prazo, dois anos, e renováveis por mais dois anos

     

    5 - Negociação de valor fixo em substituição ao aumento salarial para os horistas e meritocracia para os mensalistas, sendo, 0% no primeiro ano (2019), 60% no segundo e 100% (da inflação) no terceiro ano

     

    6 - Implementação do trabalho intermitente por acordo individual e coletivo

     

    7 - Terceirização de atividades meio e fim

     

    8 - Jornada de trabalho de 44 horas semanais para contratações novas

     

    9 - Piso Salarial de R$ 1.600,00 

     

    10 - Redução do adicional noturno para percentual previsto em Lei (20%)

     

    11 - Supressão de pagamento de hora extra, com adicional diferenciado limite de 29,275 horas

     

    12 - Redução do período de complementação do auxilio previdenciário para 60 dias, limitado a um evento (afastamento) por ano

     

    13 - Introdução de cláusula no acordo coletivo de trabalho regulando a possibilidade de suspensão do contrato de trabalho (layoff)

     

    14 - Revisão, inclusão, exclusão de adequação das cláusulas sociais

     

    15 - Exclusão da garantia de emprego aos empregados acidentados

     

    16 - Cláusula regrando a adoção de termo de quitação anual de obrigações trabalhistas

     

    17 - Acordo específico de flexibilidade de jornada de trabalho por meio do banco de horas

     

    18 - Rescisão no curso do afastamento para empregados com tempo para aposentadoria

     

    19 - Desconsideração de horas extras extraordinária

     

    20 - Trabalho em regime de tempo parcial

     

    21 - Jornada especial de 12 por 36 horas

     

    22 - Ajuste na cláusula de férias com parcelamento previsto na lei

     

    23 - Inaplicabilidade de isonomia salarial acima de 48 meses para grade nova

     

    24 - Suspensão da contribuição da GMB por 12 meses do PreviGM

     

    25 - Alteração do Plano Médico

     

    26 - Renovação dos acordos e flexibilidades existentes

     

    27 - Manter o acordo de manutenção e escala sem pagamento das folgas

     

    28 - Fim do subsídio do transporte ou inclusão de linhas regulares

     

    Fonte: Sinmgra

     

     

     

     

     

    • opinião
      Rodrigo Maroni, o político que é ’um Coringa pelo mundo’
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | opinião
      Aborto, um sentimento de alívio
      por Debora Diniz e Giselle Carino | El País
    • opinião
      Não basta um ’prefeito de Colatina’ para Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | crise civilizatória
      Nazismo: banalidade do mal ou gozo dos carrascos?
      por Jordi Jean | El País | Tradução: Eleutério Prado | Outras Palavras
    • 3º Neurônio | ciência
      Encontrado o organismo que explica a origem de toda a vida complexa da Terra
      por Nuño Domínguez | El País
    • zanzando com kati
      Pelas cascatas de Riozinho
      por Katterina Zandonai
    • casas da Granja
      Como foi o processo para regularizar as moradias
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Sobre a ’Cruz de Gravataí’ na mesa do ministro; entenda
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A fake news do endividamento de Gravataí; o Jesus de 2020
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como se inscrever para vagas na Havan de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Policial morto em Gravataí está no Memorial de Honra; parabéns, Nadini
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Gravataí chama médicos, mas 4 em cada 10 desistem; 177 foram embora em 3 anos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Sobre a utilidade dos assessores na Câmara de Cachoeirinha; a polêmica da biometria
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Segunda é ’Dia L’, de Dr. Levi candidato de Marco Alba; depois o ’Dia A’
      por Rafael Martinelli
    • personagens
      Como é o dia a dia de uma pessoa cega?
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • moradia
      Ainda há 8 mil famílias na fila da casa própria
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Deadpool de Gravataí sem fantasia; em 2020, a caridade pela política
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel critica obra que seus vereadores aprovaram; ou ’aliviando Bolsonaro’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A treta de Facebook entre o vereador e o eleitor
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.