notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/10/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    destaque

    Um nome em destaque

    por Nenê Zimmermann | Publicada em 09/12/2016 às 00h| Atualizada em 10/12/2016 às 12h02

    DESTAQUE

    A partir desta semana teremos sempre um grande nome que faz parte do mercado de Marketing e Comunicação, dizendo um pouco de sua trajetória.

    IVAN NOVELLO

    Essa é a vida de um profissional vencedor que, como ele bem diz, é simples. Mas para o mercado de Comunicação é um talento e um vencedor:

    Ivan Carlos Novello é natural de Rodeio Bonito, norte do estado do Rio Grande do Sul. Iniciou sua vida profissional como caixa num supermercado da cidade e, em seguida, coordenou as atividades da empresa da família (construtora e loja de materiais de construção). Formado em Administração de Empresas, iniciou no Sicredi em 1993, na mesma cidade, implementando a área de Comunicação e Relacionamento com os Associados. Em 2000, passou a integrar a equipe da Central Sicredi Sul que, atualmente, abrange os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. A partir de 2006, assumiu a Gerência de Comunicação e Programas de Relacionamento da Central. Tem um MBA em Marketing e um em Gestão de Pessoas e Negócios pela FGV. Seu hobby é cozinhar para a família e amigos, sempre acompanhado de um bom vinho.

    OPINIÃO

    O termo ‘propaganda’ tem a sua origem no gerúndio do verbo latim propagare, equivalente ao português propagar, significando o ato de difundir algo, originalmente referindo-se à prática agrícola de plantio usada para propagar plantas como a vinha O uso da palavra ‘propaganda’ no sentido atual é uma cunhagem inglesa do século XVIII, nascida da abreviação de Congregatio de Propaganda Fide de cardeais estabelecida em 1622 pelo Papa Gregório XV para supervisionar a propagação da fé cristã nas missões estrangeiras.

    O Conselho Executivo de Normas Padrão (Cenp), um dos órgãos que regula a atividade publicitária no Brasil, considera publicidade como sinônimo de propaganda. Esta confusão entre os termos propaganda e publicidade no Brasil ocorre por um problema de tradução dos originais de outros idiomas, especificamente os da língua inglesa. As traduções dentro da área de Negócios, Administração e Marketing utilizam propaganda para o termo em inglês advertising e publicidade para o termo em inglês publicity. As traduções dentro da área de Comunicação Social utilizam propaganda para o termo em inglês publicity e publicidade para o termo em inglês advertising.

    No caso do Cenp, a distinção entre os vocábulos é irrelevante, pois a entidade cuida tão somente das relações comerciais entre anunciantes, agências e veículos. Assim definido o âmbito de sua atuação, torna-se óbvio que ela trata da propaganda comercial e emprega a locução como sinônimo de publicidade (‘advertising’).

    O termo publicidade é usado quando a veiculação na mídia é paga, já propaganda refere-se à veiculação espontânea. Toda publicidade visa a divulgação de um produto e, consequentemente, sua compra pelo consumidor.

    A propaganda possui várias técnicas em conjunto com a publicidade, podendo ser usada tanto para promover um produto comercial quanto para divulgar crenças e ideias religiosas, políticas ou ideológicas.

    Num sentido estrito e mais comum do uso do termo, a propaganda usada na guerra psicológica se refere à informação deliberadamente falsa ou incompleta, que apoia uma causa política ou os interesses daqueles que estão no poder ou dos que querem o poder. O publicitário procura mudar a forma como as pessoas entendem uma situação ou problema, com o objetivo de mudar suas ações e expectativas para a direção que interessa. Nesse sentido, a propaganda serve como corolário à censura, na qual o mesmo objetivo é obtido, não por colocar falsas informações nas mentes das pessoas, mas fazendo com que estas não se interessem pela informação verdadeira.

    O que diferencia a propaganda como arma psicológica de outras formas de argumentação é o desejo do publicitário em mudar o entendimento das pessoas através do logro e da confusão, mais do que pela persuasão e entendimento.

    Nessa semana em que comemoramos os 60 anos da Associação Riograndense de Propaganda (ARP), em que se realizou a semana da comunicação com a abertura na segunda feira com um coquetel fechado para um público distinto na Casa dos Destemperados. Entre eles, os concorrentes a prêmios nas várias categorias, presidentes de entidades e imprensa.

    No dia 06, foi realizado no auditório da ARP, a apresentação dos grupos que fazem o negócio da propaganda se desenvolver e que muito contribuem para a formação de profissionais do mercado gaúcho. Com apresentação do Clube de Criação que realizou vários debates, e do GAV, que apresentou seis cases dos profissionais de vários veículos, fazendo um grande diferencial. A noite o Papo de mídia trouxe Fatima Rendeiro, que mostrou a importância da mídia Of Home.

    Um meeting com vários debates de muito interesse foi realizado no salão de eventos do BarraShoppingSul. A ARP trouxe à capital gaúcha grandes nomes nacionais e internacionais para falar sobre mercado, inovação, comportamento e negócios. O ARP Meeting, que fez parte da programação da Semana ARP – Especial 60 Anos, aconteceu na quarta-feira, 7, no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, com o tema central ‘O que mudou e o que nunca vai mudar?’.

    Entre os palestrantes estiveram Simon Tunstill, diretor de Comunicação da Thinkbox; Felipe Diniz, diretor da área de Estratégia da Deloitte Brasil; Edson Matsuo, ativista criativo da Grendene; André Foresti, diretor de Planejamento da F/Nazca S&S e fundador do Unplanned; Emília Rabello, do Outdoor Social; Carla Mayumi, da Talk; e Mauricio Benvenutti, fundador da StartSe e especialista em Vale do Silício. Além disso, Cássio Braga, do estúdio Miaguil, subiu ao palco para falar sobre ‘O que mudou e o que nunca vai mudar na imagem publicitária’, e comunicadores do Grupo RBS debateram o tema ‘O que importa é o conteúdo’. Os participantes do evento também puderam conferir um stand up do grupo Comédia Urbana.

    PREMIADOS DO SALÃO:

    Diretor de Criação, Maurício Oliveira, agência Matriz. Atendimento, Marcela Cheuiche, 3YZ. Mídia, Renata Schenkel, Competence. Planejamento, Daniele Lazzarotto, Morya. Produção, Melissa Bordin, Morya. Anunciante do Ano, Sicredi. Profissional de Marketing do Ano, Ivan Novello, Sicredi. Veículo do Ano, Rádio Gaúcha. Atendimento de Veículo, Andreia Correia, RBS TV. Produção Publicitária Eletrônica e Digital, Studios Meca. Profissional de Criação do Ano, Beto Schmidt, Moove Comunicação. Agência do Ano, Morya. Empresário do Ano, Beto Sirotsky. Prêmio Especial Lairson Kunzler, Beto Callage.

    Uma grande festa, uma noite inesquecível.

    Prêmio Origens homenageou os profissionais e empresas que fizeram e fazem a Comunicação no Rio Grande do Sul.

    Pedro Schneider da NewPS de Novo Hamburgo, com 53 anos de atuação, a agência mais antiga do Brasil.

    Flavio Correa, o ‘Faveco’, o mais internacional executivo de agência.

    Lojas Renner, um dos maiores anunciantes do Brasil, e o maior grupo no seu segmento.

    Maurício Sirotsky (in memória), representado pelo seu filho, Nelson Sirotsky, seu neto Duda Melzer e Jayme Sirotsky, fundador do maior grupo de comunicação do Sul do País e patrocinador da antiga e nova sede da ARP.

    Luiz Macedo, Nadege (filha de Petrônio Corrêa) e Dona Odila (viúva de Antonio Mafuz), que comandaram a maior agência do Brasil por mais de duas décadas, a MPM.

    Momento de muita emoção e história da propaganda gaúcha. Grande e meritória iniciativa do Zeca, João, Andrea e Deise, diretoria da ARP.

    DEMISSÕES

    Em plena semana da propaganda, o mercado de agências, veículos e anunciantes demitiu 35 profissionais entre Atendimentos, Marketing, financeiros, criativos, técnicos e jornalistas.

    Um final de ano trágico e muito ruim para todos.

    Segundo essa coluna apurou, mais gente será demitida, e quem sai não será substituído.

    MEDIDAS

    Não importa se demorou. Não importa se não tinha clima.

    O que importa é que o Estado precisa voltar a crescer e movimentar suas forças em todas as instancias para mobilizado enfrentar o atual momento.

    Sem cores políticas, sem olhar para trás, vamos em frente. Mudanças são dores, mas depois de curadas ficam bem melhores.

    Acreditar e fazer! Com honestidade e sem medo. Mesmo com tudo contra, nunca jogou a toalha e vem absorvendo todos os golpes com energia e vontade.

    Chega de questionamentos! Vamos juntos fazer o que o governo quer.

    PROTEÇÃO

    Algumas agências, premidas pelas necessidades de Bonificação de Volume, bem como determinados departamentos de mídia, em serem contemplados, estão privilegiando determinadas empresas de mídia exterior (que estão usando sua força de capital estrangeiro), em detrimento das empresas daqui, de médio e pequeno porte. Não é o caso de o maior engolir o menor. É predatório e muita desvalorização de quem muito fez e faz pelo mercado. Essa atitude ‘pobre’, não dura muito e é só deslumbre.

    SILVIO SANTOS

    Muito antes de haver Fausto Silva, as tardes de domingo tinham um dono no Brasil, Sílvio santos. Parte da memória afetiva dos brasileiros remete a programas como Namoro na TV, Qual é a Música?, Roletrando, Domingo no Parque e Show de Calouros. A Exposição Sílvio Santos Vem Aí!, a partir de 7 de dezembro no Museu da Imagem e do Som, tem curadoria de André Sturm, futuro secretário de Cultura da capital paulista. A mostra percorre a trajetória do comunicador e empresário, que se confunde com a história do rádio e da televisão no País.

    CUBO

    Esse será o nome de uma nova agência que se estabelecerá com sedes em São Paulo e Porto Alegre e terá o comando de publicitários de grandes nomes e que prometem fazer a diferença.

    NOVA CLASSE MÉDIA

    Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas – Social revela que o poder de consumo da nova classe média caiu somente 2,2%.  As pessoas da classe C foram as menos afetadas pela forte retração nas rendas do País, de 7%. Segundo a FGV Social, a chamada ‘nova classe média’ viu a renda cair 2,2%, enquanto a classe média tradicional foi 9,9%. Estamos falando de um público que movimenta mais de 56 bilhões por ano!

    PLIN DIGITAL

    Quando o assunto é comunicação digital um time de primeiro escalão quer ajudar os empreendedores de todo Brasil a planejar suas ações digitais para 2017. No sábado, dia 17 de dezembro, acontece na Plin Digital, a partir das 9h, o workshop ‘Marketing Digital em 2017: planejamento e ação’. O diferencial deste workshop é que ele será prático visando a ajudar os participantes a saírem com seu plano de ação em marketing pronto para o próximo ano.

    Quem participar, aprenderá como usar as diversas ferramentas de comunicação digital para alavancar os negócios. Entre os assuntos abordados estão e-mail marketing, Google Analytics, Google Adwords, Facebook, Instagram, Whatsapp, criação para web e planejamento de comunicação. Inscrições: https://goo.gl/AdFmNn.

    CONCORRÊNCIA

    O Grupo Pão de Açúcar definiu as agências vencedoras da concorrência pela sua conta de publicidade e decidiu dividir a verba entre a BETC, do Grupo Havas, que atende toda a conta desde 2014 através da Havas Worldwide, e a Leo Burnett Tailor Made, que foi a agência do concorrente Carrefour até o início deste ano.

    Assim, o Grupo Havas consegue manter as contas da bandeira Pão de Açúcar e das marcas próprias, como Taeq e Qualitá, mas agora transferidas da Havas Worldwide para a BETC. Já a Leo Burnett passa a atender o Extra. Os novos contratos começam a valer em janeiro.

    Também participaram da concorrência DPZ&T, FCB Brasil e Energy (nova agência que a rede BBDO do Grupo Omnicom pretende trazer para o Brasil e que foi representada na concorrência do Pão de Açúcar pela AlmapBBDO).

    Em setembro, a Lew’LaraTBWA decidiu sair do processo iniciado em julho.

    Com um investimento em mídia de mais de R$ 297 milhões em 2015, o GPA figura entre os 20 maiores anunciantes do Brasil, de acordo com o ranking Agências & Anunciantes.

    Em 2013, quando era atendida pela house PA Publicidade, a empresa promoveu uma ruidosa concorrência que tinha entre seus requisitos a incorporação da agência interna – o que, na época, fez algumas agências desistirem, alegando que o anunciante estava, na verdade, querendo encontrar um comprador para a PA. Após idas e vindas, no início de 2014 o GPA acabou escolhendo a Havas, com a qual assinou contrato que termina no final deste ano.

    ASSESSORAR

    Um assunto que tira o sono de todo empreendedor é: como tornar meu produto ou serviço mais conhecido? É unânime que quem não aparece, não vende. Então, o empreendedor se pega fazendo inúmeras tentativas para fazer o seu negócio aparecer para vender mais. Segundo Welton Ramos, Jornalista da Informamídia.

    Opções não faltam. Anúncios em rádio, televisão, jornal, revista, internet, patrocínio a eventos, exposição em feiras, panfletagem. Mas, dentre esse amplo universo da comunicação, há uma oportunidade que oferece uma excelente relação custo x benefício: a exposição na imprensa.

    Diferentemente do que muitos pensam, ser citado nos veículos de comunicação não é privilégio apenas das grandes corporações. Cada vez mais as PMEs estão conquistando espaço em publicações muitas vezes até exclusivas para esse segmento de empresa.

    Isso representa uma grande oportunidade ao empreendedor porque essa aparição proporciona um alto índice de confiabilidade e credibilidade porque não se trata de uma empresa falando de si mesma, e sim, de um jornalista, um profissional/ veículo com obrigação de ser isento.

    Muitas vezes, essa exposição na mídia editorial apresenta um grande salto de popularidade da empresa, que a torna conhecida e, consequentemente, desejada por seus potenciais clientes, parceiros ou fornecedores.

    E o melhor de tudo: a visibilidade é totalmente gratuita, já que os veículos não podem cobrar para citar pessoas ou empresas em suas reportagens. É por isso que essa forma de divulgação é a mais barata dentre todas as ações de comunicação disponíveis para uma empresa.

    O único investimento que ele precisa fazer é na contratação de uma agência de assessoria de imprensa. Depois, todo o resultado que vier, de publicações em sites, blogs, rádios, jornais, revistas e até televisão, será tudo absolutamente gratuito! Uma vantagem incomparável em relação a qualquer outra estratégia de comunicação.

    Ser fonte de uma matéria jornalística ou de um programa específico é uma oportunidade ímpar para uma empresa que deseja consolidar sua marca no mercado. Cabe ressaltar que, além de muito mais barata, a assessoria de imprensa é a única ferramenta de comunicação e marketing capaz de transmitir reputação e credibilidade a uma marca.

    HOLIC

    A campanha, clicada por Clóvis Dariano, com criação de Daniel Versa e Júlio Ritter, foi apresentada na feira com o tema original *Cocoon* associado às cores fortes da estação, terá lançamento nacional em abril. Estande concorrido e a grande aceitação da proposta, foram sinais do sucesso da nova coleção junto aos lojistas, tanto no mercado interno quanto no mercado sul-americano.

    IDL

    O Instituto de Desenvolvimento de Líderes (IDL), no Rio Grande do Sul, investe no Projeto Empodera, que tem como base teórica a Pedagogia Ontopsicológica proposta por Antonio Meneghetti e visa a criar uma nova gênese, conforme os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS/ONU/2030) da Organização das Nações Unidas, mais especificamente o objetivo número cinco: igualdade de gênero e empoderamento de todas as mulheres e meninas.

    De acordo com a idealizadora, pesquisadora e escritora Alice Schuch, busca-se, com esse trabalho, uma retomada dos pressupostos teóricos que assentam a Pedagogia Ontopsicológica, assim como o pensamento ocidental acerca do ser feminino: as dificuldades, as rejeições, as frustrações, as ambivalências.

    “A metodologia adotada pelo IDL se configura na realização de oficinas baseadas em três pilares: psicológico, econômico e legal, com vistas a conceder elementos para que as mulheres e meninas assumam o seu lugar como protagonistas da própria história”, explica Alice.

    O objetivo dos programas propostos pelo IDL é educar a como qualificar a si mesmo em um horizonte superior de ação de valor, consiste em trabalhar com as mulheres e meninas que desejam desenvolver-se, para que consigam encontrar o seu lugar no contexto circundante e ocupar a sua posição superior, ou seja, agir de modo responsável, centrar a sua identidade e direcionar-se para a conquista do protagonismo pessoal e profissional.

    O Programa Empodera, pelo IDL, toma como material didático norteador as produções teóricas de Antonio Meneghetti, Alécio Vidor e Alice Schuch, para lançar as sementes de uma nova gênese, de modo que as mulheres adquiram a concreta capacidade de desinvestir-se do passado e andar em frente com feminilidade, poder e graça.

    • caso eduarda
      OPINIÃO | Justiça à Eduarda, sim. Gotham City, jamais
      por Eduardo Torres
    • eleições 2018
      OPINIÃO | Gravataí ’endireitou’ entre 2014 e 2018
      por Rafael Martinelli
    • caso eduarda
      Divulgado retrato falado de suspeito da morte de menina
      por Eduardo Torres
    • violência
      Quem matou a pequena Eduarda?
      por Eduardo Torres
    • opinião
      OPINIÃO | Em Gravataí, todos arriscam perder, menos um
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      Hangar, a pioneira do som
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • operação solidária
      TRF4 absolve Marco Alba por unanimidade
      por Rafael Martinelli com TRF4
    • solidariedade
      COM VÍDEO | Diogo luta contra síndrome rara
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Como entendi nota das Irmãs do Dom Feliciano sobre eleições
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como ficou a duplicação da Centenário
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Gravataí virou ’cidade-dormitório de votos’
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Educação para o trânsito também fora da aula
      por Eduardo Torres
    • obras
      Plano de Marco prevê pontes e mais de 30 ruas até 2020
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.