notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    mini contatos

    O cogumelo na praça

    por Marta Busnello | Publicada em 01/07/2017 às 13h33| Atualizada em 01/07/2017 às 17h31

    Eram oito horas da manhã e o rapaz parou de varrer a rua. Me deu bom dia com um largo sorriso e apresentou-se:

    - Sou o André e moro aqui na praça. Se a senhora puder me ajudar para eu comprar meu café da manhã, eu agradeço. Tem café ali no armazém - completou, apontando para o estabelecimento comercial do outro lado da rua.

    Respondi que sim, que o ajudaria. Contei a ele que moro no edifício em frente. Abri a bolsa. Dei as moedas soltas. Em geral uso apenas cartões para pagar o ônibus e a alimentação.  Até então, não havia dado dinheiro a nenhum pedinte. Talvez a vizinhança ou o sorriso tenha me sensibilizado....Ele agradeceu e continuou a limpar. Eu, apressada, segui para meus compromissos.

    Tinha curiosidade em saber quem era morador sob a lona preta meio escondida entre árvores e plantas rasteiras em um dos discretos canteiros da praça. Faz uns dois meses que ele ali instalou o seu “lar”. O lugar está sempre limpo. A porta de entrada é marcada com um cogumelo de feltro, aquele da Branca de Neve (vermelho com bolinhas brancas). Aliás, pensava que esse tipo de cogumelo existia só nos desenhos, até conhecer um verdadeiro lá na entrada do Morro do Itacolomi.

    Sem tempo para conversar com André, não sei o significado do cogumelo espetado no cabo de uma vassoura e fincado junto à lona. Ele poderia ter agregado o objeto aos seus parcos pertences como símbolo da infância, ou referência familiar. Para a turma mais cética, o elemento decorativo significaria ser ali um ponto para compra de droga ilícita. Acho que é paranoia. Viver sob uma lona de dois metros quadrados e mal acomodado, para vender droga é improvável, mas não é impossível, admito. Será que meus vizinhos permitiriam tal comércio? Por ali brincam crianças da manhã até a noite nos dias em que o inverno se esquece de aparecer. Aos finais de semana algumas famílias se reúnem para confraternizar assando carne na churrasqueira improvisada em uma floreira vazia da praça.

    Minhas divagações sobre as motivações envolvendo o cogumelo em exposição foram interrompidas com a chegada do ônibus no ponto, o que me obrigou a fazer gestos desesperados ao motorista para que esperasse eu conseguir atravessar a rua. Gentil, o homem compreendeu visualmente o meu apelo e aguardou. Entrei, agradeci. Balançou a cabeça em um gesto de aceitação de meu agradecimento e arrancou o veículo.

    Enfrentamos nossos destinos. O rapaz da praça, a varrer; eu, passageira; o motorista, no vai e volta da linha. Um sorriso, um bom dia, meio minuto de espera são gestos que nos dão a certeza de que esses “mini” contatos fazem a diferença no ritmo de nosso dia. Gentilezas que aquecem o coração.

     

    • minuto seguinte
      Jones entre os 15 melhores parlamentares
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • festa campeira
      Rodeio espera 100 mil pessoas até domingo
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • histórias da bola
      O Gre-Nal do ministro
      por Cláudio Dienstmann
    • minuto seguinte
      Marco Munhoz vem a Gravataí falar sobre o futuro da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dicas
      O verdadeiro e o falso na Black Friday
      por Fraga
    • 3º Neurônio | festil
      É noite de Oscar em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • no por do sol
      Ex-BBB vem a Gravataí para festa na Casa dos Açores
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.