notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    os invisíveis

    Eu só peço a Deus

    por Marta Busnello | Publicada em 22/07/2017 às 14h35

    "Vivíamos abaixo da linha da miséria". Essa declaração me impactou. Primeira constatação: que o ponto que define a miséria individual não é um ponto, mas uma sucessão de pontos. Alinhados, fazem a linha. Sob ela fica muita gente, muita gente mesmo.

    Estávamos em uma aula sobre teoria do objeto. Segunda constatação:  é, existem estudos aprofundados sobre objetos, sejam eles quais forem.

    Nesse dia em que ouvi a frase tínhamos de levar um objeto da infância e fazer a descrição do mesmo em várias abordagens, como o formato, material que fora confeccionado e modo de produção, por exemplo. Aí, apresentávamos a dimensão simbólica em nossas vidas.

    Quando chegou a vez de uma colega, uma moça lá pela casa dos trinta anos, ela disse que não tinha nada para mostrar. Nunca tivera brinquedos ou qualquer outra coisa que pudesse ter sido guardada como lembrança física da infância. Vivia no interior do estado com um pai severo, uma irmã e um irmão mais novos que ela.

    Mostrou então, uma daquelas imagens em miniatura de uma santa envolta por uma moldura de resina pintada na cor prata que achara na rua ao chegar em Porto Alegre quando a mãe, segundo ela, teve a coragem de enfrentar o pai e resgatou os três filhos. Aí, a partir dos meus nove anos, a vida melhorou, disse a colega.

    Eu e os outros ouvintes não tivemos a coragem de perguntar nada. O relato e a entonação da voz, embargada de tristeza, nos fizeram cúmplices, ainda que involuntários, da intimidade de uma vida.

    Ela contou muitas coisas com aquela história. A ausência do objeto revelou um mundo que, infelizmente, ainda existe. Há crianças em vários lugares sofrendo as atrocidades das guerras que vemos na televisão. Há  os “invisíveis” nas ruas e campos do nosso estado sendo atacados pela insensibilidade de alguns e a indiferença de muitos.

    A miséria não escolhe qual espaço geográfico ocupar. São os adultos que, por suas ações e omissões políticas, econômicas e pessoais provocam as dores que serão levadas por toda a vida. O que podemos fazer? Como reagir?

    Talvez, agindo conforme Beth Carvalho cantou, magistralmente (trecho):

     

    Eu só peço a Deus

    Que a dor não me seja indiferente

    Que a morte não me encontre um dia

    Solitário sem ter feito o que eu queria.

     

    Eu só peço a Deus

    Que a injustiça não me seja indiferente

    Pois não posso dar a outra face

    Se já fui machucada brutalmente.

     

    Eu só peço a Deus

    Que a guerra não me seja indiferente

    É um monstro grande e pisa forte

    Toda a pobre inocência dessa gente.

     

    • minuto seguinte
      Jones entre os 15 melhores parlamentares
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • festa campeira
      Rodeio espera 100 mil pessoas até domingo
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • histórias da bola
      O Gre-Nal do ministro
      por Cláudio Dienstmann
    • minuto seguinte
      Marco Munhoz vem a Gravataí falar sobre o futuro da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dicas
      O verdadeiro e o falso na Black Friday
      por Fraga
    • 3º Neurônio | festil
      É noite de Oscar em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • no por do sol
      Ex-BBB vem a Gravataí para festa na Casa dos Açores
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.