notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    dica de netflix

    PREPARA O LENCINHO: Os dramas de fatos reais favoritos

    por Bruna Lopes | Publicada em 22/07/2017 às 16h08| Atualizada em 22/07/2017 às 19h15

    Pense em uma pessoa que adora um drama (daquelas que assiste ao filme só por saber que vai ter choradeira no final): essa sou eu. E se for baseado em fatos reais, melhor ainda, são os meus favoritos.

    Por isso, as dicas deste sábado são de filmes beeeem dramáticos, que estão no Netflix, e que contam a história de algum personagem da vida real.

    O primeiro, talvez você já tenha assistido (pois foi lançado em 2014), mas é impossível não citá-lo: O invencívelProduzido e realizado por Angelina Jolie, o filme é baseado no livro de não-ficção, Unbroken: A World War II Story of Survival, Resilience, and Redemption, de Laura Hillenbrand.

    O invencível conta a vida de Louis Zamperini, atleta olímpico, que sofre um acidente de avião e cai em pleno mar durante a Segunda Guerra Mundial. Ele passa 47 dias no oceano – junto com outros dois amigos - e, quando finalmente consegue encontrar uma embarcação, é capturado pelos japoneses e enviado para uma série de campos de prisioneiros de guerra.

    Ou seja, quando você pensa que finalmente o pobre homem vai ser resgatado e irá levar uma vida boa, aí é que os problemas e sofrimento começam de verdade. E por isso, eu adoro este filme. Além de cenas fortes e muito bem feitas, ele é bastante imprevisível. Não irei contar o final para vocês (#ContraSpoiler). Se você não assistiu, faça o favor de adicionar na sua lista e me diga depois o que achou.

     

    Assista ao trailer

     

    Minha segunda sugestão é um filme que assisti há pouco mais de um mês e que também entrou para a lista “os dramas favoritos da Bruna”. Lançado em janeiro deste ano, com direção de Mel Gibson, Até o Último Homem foi uma das grandes surpresas da temporada do Oscar, para o qual conquistou seis indicações – filme, direção, edição, mixagem de som, edição de som e ator, com Andrew Garfield (isso mesmo, aquele jovem que já interpretou Homem-Aranha).

    O filme conta a história de Desmond Doss, o primeiro soldado a alegar imperativo de consciência (ato de oposição e consciente ao cumprimento de obrigação legal) que foi condecorado com a Medalha de Honra do governo americano.

    Doss se recusava a pegar em armas e a matar, por motivos pessoais e religiosos, mas mesmo assim se alistou no exército durante a Segunda Guerra Mundial porque acreditava ser a coisa certa a fazer.

    Depois de uma batalha sangrenta em Okinawa, salvou sozinho algo entre 50 e 100 soldados feridos, deixados para trás no alto de um penhasco quando a companhia bateu em retirada.

    O mais interessante, é que mesmo quando é hostilizado – e até agredido – pelos colegas, por não querer carregar armas, Doss se manteve fiel aos seus princípios (e esta é a grande mensagem do filme). Seu trabalho de resgate foi tão imprescindível, que em uma das últimas batalhas, seus companheiros se negaram a voltar ao campo de batalha se ele não estivesse junto.

    Uma reportagem da Veja sobre o filme diz que Desmond Doss resistiu até quase o fim de sua vida a vender os direitos para Hollywood – ele morreu em 2006, aos 87 anos.

    Ao final do filme, é possível ver algumas cenas reais de sua condecoração.

    Claro que a produção traz todos os detalhes e os motivos de Doss de não querer usar armas, como ele chegou até o exército e o que isso acarretou para a família. Mas, vou parar de dar detalhes. Deem uma espiadinha no trailer.

     

    Assista ao trailer

     

    Com esse frio, reúna a família em baixo das cobertas e vá curtir um destes dramas. Nos encontramos no próximo sábado.  

    • minuto seguinte
      Guru espiritual de prefeito é da Morada do Vale
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • Enart 2017
      Paulo Adriane é o tempo do CTG Aldeia, no Enart, 30 anos depois
      por Silvestre Silva Santos
    • minuto seguinte
      Prefeito assina ordem para duplicar a 030
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • música
      Curtindo a Evellyn Pires ela vira diva
      por Redação
    • proerd
      Quando PM é professor contra drogas e violência
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aline dos cartazes
      Histórias de detetive particular
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.