notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/02/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    no mundo do trabalho...

    Quem trabalha pra quem?

    por Leandro Melo | Publicada em 31/07/2017 às 13h07

    Ele esperou o silêncio de todos antes de começar a falar, na manhã daquela segunda-feira. Bem trajado, mas sem gravata, sorria sem marcar as bochechas e garantiu cumprimento aos quase 100 amontoados no salão de eventos da metalúrgica. Era a hora de Cesar se apresentar como o novo diretor aos seus liderados. Um contingente de vendedores, secretárias, gerentes de produção, estagiários, terceirizados, e outros dois diretores que dividiriam com ele a tarefa de superar desafios, vencer a crise e assegurar o crescimento com lucro, sem deixar de valorizar as pessoas, o bem mais precioso. Pelo menos era essa a fala corrente. Era isso o que todos aprenderam a repetir, incluindo o atendente do balcão de informações, o único que ficou de fora da reunião, pois alguém precisava atender telefonemas e visitantes eventuais naquele horário.

    Sem ruídos alheios, o bom dia de Cesar se fez sonoro e límpido, sendo tímida e desafinadamente respondido. Era comum os executivos marcarem seu primeiro dia com uma reunião geral de não mais do que cinco minutos, antes das oito horas. Cumpria-se um protocolo, portanto e por ser protocolar ninguém esperava grandes novidades. Cesar, aliás, era conhecido. Durante três anos gerenciou operações da filial de Caxias do Sul, depois saiu e fez MBA na Califórnia, passou um período sabático na China, onde estudou mandarim, e o último ano passou como consultor de inovação na sede do grupo, tornando-se, agora, seu diretor-superintendente, nome que pretendia mudar assim que assumisse o novo cargo.

    Então, após as formalidades iniciais, esclareceu:

    – Serei breve e quero deixar a todos uma mensagem que, espero, seja inspiradora. Eu trabalho pra mim. Única e exclusivamente para mim. Todo o resultado que busco é para satisfazer a mim mesmo e aos desafios a que me proponho.

    A fala saiu com a mesma candura do bom dia inicial, mas entre risos desconcertados e olhos congelados, chocou. E ele continuou:

    – Saibam que toda a chefia ou liderança moderna trabalha assim. Apenas acho importante que entendam desde já o que faço e como isso faz a diferença pra vocês.

    Na concepção de Cesar, fazer para si e por si, era a melhor forma de garantir resultados para a empresa. Afinal, se a pessoa não busca o melhor para ela própria, não serviria para contribuir com os outros e com os negócios. Ele seguiu dizendo que sua revelação nada mais era do que a transparência total de um gestor com seu funcionário. E após esse segredo revelado, tudo seria mais fácil e ele poderia fazer a empresa crescer sem culpa. Restavam pouco mais de dois minutos daquele evento e um corajoso levanta a mão para perguntar:

    – Se é assim, quando eu precisar de um feedback, realmente estará pensando em algo que tem a ver com o problema ou será fingimento?

    – Nunca será fingimento! Sempre será a verdade cristalina. Mas tudo o que eu te disser, será, obviamente, para conduzi-lo a fazer o que é melhor para mim.

    Naquele razo poço filosófico do novo diretor, não demorou para que muitos bebessem dos ensinamentos e seguissem a mesma cartilha. E muito embora bons resultados tenham aparecido nos dois anos seguintes, um percalço lá, outro acolá levaram à substituição de Cesar. O que não rendeu prejuízo a sua imagem. Ele tinha plena consciência da responsabilidade por seus erros e acertos e conseguiu encantar o vice-presidente da multinacional onde se encaixou como CEO, após demonstrar em números os acertos e em relatos apaixonados como planejou, desenvolveu e implementou os projetos e políticas corporativas na sua última experiência profissional. E quem não quer alguém que carregue um portfólio de projetos colocados em prática? Cesar era um realizador! Se daria certo, os próximos anos diriam.

    E lá na primeira empresa, o atendente que fazia as vezes de porteiro e ficava fora das reuniões para orientar desavisados, completou mais um ano de casa, fazendo o que lhe é ordenado e assegurando passe ou informação para todos que se propõem a manter os negócios em curso.

    • projeto Semear
      Produção de alimentos no lugar de ocupações
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • o parto da notícia
      Gugu Streit vice de Sartori (e Marco Alba)
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Filho de Bolsonaro chama ex-vereador de bandido
      por Rafael Martinelli
    • câmara
      Nadir vai contra o prefeito na polêmica do IPTU
      por Rafael Martinelli
    • câmara
      OPINIÃO | IPTU, a audiência que não terminou
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Do Zaffari ao Asun: como trabalhar com eles
      por Silvestre Silva Santos
    • carnaval 2018
      A Onça Negra não vai beber água no Porto Seco este ano
      por Silvestre Silva Santos
    • gravataí
      Quem assume mandato com cassação de vereadores
      por Rafael Martinelli
    • mobilidade urbana
      Será o fim dos quebra-molas na zona urbana?
      por Silvestre Silva Santos
    • câmara
      7 coisas sobre audiência pública do IPTU
      por Rafael Martinelli
    • exposição
      Tem som de museu no Gravataí Shopping
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • vereadores
      Como manter mandato mesmo com cassação no TRE
      por Rafael Martinelli
    • caso das laranjas
      TRE: mandato de 3 vereadores de Gravataí está em jogo segunda
      por Rafael Martinelli
    • rio limpo
      Navegando com pachamama ao futuro do Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • série prefeitos
      10 coisas que Marco fez em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • série prefeitos
      10 coisas que Miki fez em Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • série prefeitos
      10 coisas que Darci fez em Glorinha
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.