notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/05/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    No mundo do trabalho

    Lara vai deixar para amanhã!

    por Leando Melo | Publicada em 07/08/2017 às 11h27

    Mesmo quando se sentava diante do computador para procurar na Internet um livro que realmente queria muito, logo um novo interesse tirava Lara de seu propósito. Depois voltava, às vezes na outra semana, quando já era tarde e precisava comprar a obra na livraria mais próxima.

    Dizia pra si mesma que tudo bem agir assim e dali em diante seria diferente, mas no mesmo dia, no trabalho, mais uma vez anotou num post-it que amanhã, sem falta, concluiria a pesquisa que já adiara há uma semana.
    O prazo de entrega? Outro amanhã!

    Pro-cras-tina-dora! Ela mesma dizia com olhar de xingamento na frente do espelho. Odiava se sentir incapaz de realizar tudo o que queria, quando queria. Um hábito terrível de procrastinar tudo; desde visitar os pais até sair com os amigos, de fazer compras pra casa e entregar as traduções francês-português que garantiam o pagamento das contas.

    Convivia há 28 anos com esse jeito de fazer as coisas e achava doentio. Leu certa vez que o nome do flagelo que carregava vinha do Latim pro (à frente) e cras (amanhã) e, no seu contexto de vida, tudo ia para qualquer dia depois do hoje.

    Tentou colocar em prática todas as dicas que o Google apresentou sobre “como vencer a procrastinação”. Fez listas de tarefas partindo das mais fáceis até as mais difíceis; colocou lembretes pela casa e pelo escritório; criou uma escala de recompensas para si mesma, referente a cada projeto concluído; compartilhou nas redes sociais os compromissos esperando se sentir comprometida em oferecer o resultado a mais alguém que não apenas ela!

    Deu certo. Por exatos oito dias deu certo.

    Porém, logo a seguir, lá foi ela arcar com os cuidados do gato da amiga que viajou e deixou para depois a conclusão de uma apresentação que seria exibida a clientes em potencial da editora onde trabalhava. Foi o fim. Mas aquilo era importante demais e ela virou a noite trabalhando, emendou as horas iniciais da manhã seguinte até que conseguiu o melhor resultado possível naquele tempo tão escasso.

    E enquanto era cumprimentada pela clareza de suas observações expostas em cada slide, a angústia e a culpa de ter deixado para a última hora algo que teve semanas para executar desapareceram. No lugar, veio o calor de um abraço amoroso, do tipo que aparece quando perdoamos a nós mesmos e Lara percebeu que deixar para a última hora não era um defeito, mas a forma como ela conseguia fazer muito bem o que precisava ser feito, sem afetações ou floreios demasiados. Enxuto, preciso e caótico, mas suficientemente eficaz.

    E no dia seguinte ela se recostou na cadeira com ainda mais projetos por realizar, mas satisfeita por saber que não era mais empurrar com a barriga, enrolar, pospor, protrair, retardar, lerdear, moenar e muito menos vagabundear.
    Era apenas o seu jeito de fazer tudo, no tempo que conhecia.
    O seu tempo.

    • dia de caos
      Tudo sobre a crise dos combustíveis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dias de caos
      OPINIÃO | Você, a vítima da greve dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • esporte
      Vitória de mão cheia do futebol feminino
      por Eduardo Torres
    • transporte
      Linhas de ônibus mudam horários a partir desta quinta
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mobilidade
      Seis meses para Prefeitura mudar as calçadas do centro
      por Silvestre Silva Santos
    • no tse
      PMDB recorre de absolvição de Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • trânsito seguro
      Se beber... Balada Segura vai às vilas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • câmara
      Vereadores precisam cuidar com projetos demagógicos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Caminhoneiros fazem a GM parar a produção
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      E os 17 milhões não eram só para wi-fi nas praças
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Em ação o Big Brother da segurança de Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio limpo
      Navegando com pachamama ao futuro do Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.