notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/06/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    dica de netflix

    A série de 17 anos que eu só descobri agora

    por Bruna Lopes | Publicada em 16/09/2017 às 15h

    A pergunta que não quer calar, que inicia a coluna desse sábado é: O QUE EU ESTAVA FAZENDO ATÉ AGORA QUE  NÃO ME DEIXOU ASSISTIR GILMORE GIRLS? Alô, amigas?! 

    Vou contar para vocês um pouco do meu achado dos últimos três meses. Ok, devo confessar que a responsável pelo vício foi a minha mãe (gratidão eterna), que começou a assistir logo que entrou para o mundo Netflix e falou: Bruna, para tudo o que você está fazendo e vai assistir essa série.

    Para quem não sabe, Gilmore Girls (Tal mãe, Tal filha, no Brasil)  é um seriado da CW que fez muito sucesso no início dos anos 2000 em todo o mundo e virou uma referência quando se procura títulos que fale de relações familiares (principalmente entre mãe e filha). A série  entrou para o catálogo da Netflix em 2016 e ainda ganhou quatro novos episódios de bônus. 

    A história gira em torno de uma mãe solteira (Lorelai) e sua filha (Rory), que são, acima de tudo, melhores amigas. E isso realmente acontece. No decorrer da série, passamos por várias fases desse relacionamento maravilhoso, que apesar de ter os seus altos e baixos, se mantém firme e, principalmente, com muito humor.  

    O mais legal e interessante é que ao mesmo tempo que Lorelai trata a sua filha como uma melhor amiga, com os seus pais a história é bem diferente. Por ser de família rica e tradicional (e não aceitar nenhum um pouco os padrões impostos a ela), Lorelai acaba saindo de casa aos 16 anos e, ainda por cima, grávida.  Por isso, existe muita mágoa e ressentimento entre os três. Muitas das cenas emocionantes acaba retratando a lenta aproximação que acontece entre o casal e filha ao longo da sete temporadas.  

    Mas, o que realmente me prende na série são os diálogos. Mãe e filha são extremamente bem-humoradas, inteligentes e sarcásticas. Viciadas em livros, filmes e música, a todo momento elas fazem referências a alguns de seus títulos e bandas favoritas. E não, nem tente entender e lembrar de todos que são mencionados. Alguns fãs até criaram o “Rory Gilmore Books Project”, um desafio para tentar ler todos os 340 livros já mencionados na série. 

    Claro que além das duas e dos pais de Lorelai, a série ainda tem outros personagens maravilhosos, como Luke, o mau-humorado dono do café que mãe e filha vão todos os dias; Sookie, a melhor amiga de Lorelai, que trabalha junto com ela no hotel Indepence Inn e os vários namorados (de ambas) que vão passando durante as temporadas. 

    Eu ainda não terminei de assistir todas as temporadas (estou ainda na quarta), mas não consigo mais parar de assistir e de citar motivos para vocês acompanharem também. Gilmore Girls é uma série leve, divertida e que ao mesmo faz você refletir sobre as suas próprias relações familiares. 

    Espero que gostem da dica e aproveitem o final de semana para dar uma espiadinha.

    Até o próximo sábado.

     

    Assista ao trailer de estreia na Netflix

     

    • a partir de sábado
      Tarifa dos ônibus municipais de Gravataí vai a 4,40
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Mobilidade: em cinco anos a cidade vai parar
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • coluna do silvestre
      Para onde e como Gravataí vai crescer
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • da escola
      O Gustavo da Santa Cecília foi cuidar das águas do Brasil
      por Redação
    • impeachment
      A volta da polêmica sobre dívida da cassação de Rita
      por Rafael Martinelli
    • pai merdanelles
      Qual seleção da Copa seria cada vereador de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Qual a Gravataí que queremos para o futuro?
      por Silvestre Silva Santos
    • na copa
      COM VÍDEO | O balão da Costa Rica em Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • na copa
      OPINIÃO | Os assediadores da russa podem ser você
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Antes do tie break: o legado de Aline Fofonka
      por Róbinson Gambôa
    • luto
      120 em 40, uma intensa história de vida
      por Cláudio Wurlitzer | Especial
    • luto
      Nada está no lugar; uma homenagem a Denise Medonha
      por Rosane Castro
    • coluna do silvestre
      A Souza Cruz voltou, a Herbalife chegou
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • atenção
      O que muda no trânsito da parada 72
      por Redação
    • a venda do hospital
      OPINIÃO | Marco Alba fez bem em bancar a Santa Casa
      por Rafael Martinelli
    • na copa
      Deu sono na estreia do Brasil e do Miguel
      por Eduardo Torres
    • na copa
      OPINIÃO | Estreia com a cara do Brasil do golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • nosso hospital
      COM VÍDEO | Hospital de Gravataí é da Santa Casa
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saneamento
      Gravataí e Cachoeirinha no ranking do saneamento
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.