notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    a la pucha tchê!

    No mundo do trabalho, ainda tem Gaúchos*

    por Leandro Melo | Publicada em 18/09/2017 às 12h15

    Ainda tem, aqui no Sul, em nossa Terra, um povo e um mundo por descobrir. Eles ficam pra lá do Guaíba, pra cima da Serra e costeando o Rio Uruguai.

    Ainda tem um Mundo de Trabalho que é só nosso e um jeito próprio de dizer que o dia foi “Boca Braba”, ou então, que foi “cento por cento” de tão bom que passou.

    Ainda tem peão de estância, nascido lá no Galpão, que desde criança aprendeu a honrar a tradição e gosta de churrasco, bom chimarrão, fandango, trago e mulher.

    Ainda tem festa, mas também tem Trabalho. Quando é tempo de tosquia já clareia o dia com outro sabor. As tesouras cortam em um só compasso enrijecendo o braço do esquilador. Um descascarreia, o outro já maneia e vai levantando para o tosador. Avental de estopa, faixa na cintura e um gole de pura pra espantar o calor.

    Bendito aquele que estuda, porque estudar é importante, embora o ignorante, tem sempre um santo que ajuda. Duvido que um diploma torne um burro advogado!

    Ainda tem gaúcho de verdade por andar sempre trajado: De bota, bombacha e espora e um pala de atravessado. Chapéu grande, barbicacho pescoço lenço amarrado. Schmit na cintura e bom dinheirinho guardado.

    Ainda tem gaúchos de verdade, mas sofridos, que fazem biscates pelos mercados, pelas esquinas, carregam lixo, vendem revistas, juntam baganas e são pingentes das avenidas da capital. Sopram ventos desgarrados, carregados de saudade. Viram copos viram mundos, mas o que foi nunca mais será.

    Ainda tem quem pergunte: quem é gaúcho, afinal? Poderiam ser três: um é o peão, o assalariado, o operário campeiro. O segundo é o estancieiro, o empresário rural. O terceiro é o camponês que se aguenta bem ou mal sem ter nem peão nem patrão.

    São três homens diferentes? No fundo, os três são um só: mesma fala, mesma roupa, mesma alma, mesma lida…

     

    O que pensas João Guedes?

     

    Ainda tem coragem e valentia, necessárias para uma lida muy campeira, que começa às quatro da manhã e que é não é pra aprendiz, mas ensina todo o dia.

    Ainda tem o mate, o trato dos bichos, tirar o leite, arar a terra, a venda onde se busca um fumo e se toma um trago.

    Ainda tem a soja, o milho e o trigo que são “cousa grande” e tem na volta de casa um tanto de tomate, de batata, de verde, um tanto de porco e de galinha correndo dos cusco.

    Ainda tem explicação de que essa audácia de buscar o novo sem pisar no rastro ou reacender as brasa, é o contraponto de ter prenda e filhos, de ficar tordilho ao redor das casa.

    Ainda tem gente que se reconhece quando ouve Eu sou do Sul. E nada mais importa!

     

    A la pucha tchê!

     

    *Hoje, trechos de músicas nativistas, para lembrar e homenagear peões e prendas que vivem e trabalham das oito às dezoito, do nascer ao por do sol, em todos os pagos gaúchos!

    • minuto seguinte
      Guru espiritual de prefeito é da Morada do Vale
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • Enart 2017
      Paulo Adriane é o tempo do CTG Aldeia, no Enart, 30 anos depois
      por Silvestre Silva Santos
    • minuto seguinte
      Prefeito assina ordem para duplicar a 030
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • música
      Curtindo a Evellyn Pires ela vira diva
      por Redação
    • proerd
      Quando PM é professor contra drogas e violência
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aline dos cartazes
      Histórias de detetive particular
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.