>
notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 12/12/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    centro em fuga

    Os sons, visão e olfato na cidade

    por Marta Busnello | Publicada em 01/11/2017 às 11h56

    Cheguei ao centro de Porto Alegre. Desço no terminal de ônibus em frente ao Mercado Público e vou pelo Largo Glênio Peres. Caminho entre caixotes com frutas, legumes e verduras e percebo que aumentou o número de ambulantes. Reflexo destes tempos.

    O homem do gato não estava lá. Nunca gostei de sua encenação travando uma luta com um felino imaginário preso em um saco de ração, sendo provocado por uma taquara. Há quem goste. Desvio das pombas. Eram muitas atrás de migalhas de comida. Não se assustam com a presença de humanos. Pouco se importam com a moça ofertando três caixas de moranguinho por dez reais. Tampouco com o homem com um violão cantando as letras de grandes canções interpretadas por Raul Seixas. Ouvi o refrão de Metamorfose Ambulante “eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.

    Ao lado do cantor, na farmácia, um jovem, mesmo usando microfone, grita incessantemente sobre a promoção de cápsulas de cálcio e os seus benefícios, em especial para as mulheres, para prevenir a tensão pré-menstrual (nunca tinha ouvido falar nisso!). Mais alguns passos outro sujeito está ao microfone oferecendo preço especial na aquisição de um ferro elétrico.

    Ouvi os sons que ecoavam das buzinas e o arrulhar das pombas. Olhei para a fisionomia dos transeuntes. Apressados, alguns pareciam fugir. Não sei se do Largo ou de seus próprios mundos; outros se esquivam dos vendedores. Segui em frente. Mais adiante, já sob o viaduto Otávio Rocha, mais conhecido como “Viaduto da Borges”, o cheiro de homens e mulheres, seus trapos e farrapos mostram o que muitos não querem ver. Há quem lance olhares de piedade; outros, de medo. Há também quem resmungue sobre a sujeira e o bafo do lugar. Entre colchões, cobertores e cacarecos, os lojistas abrem suas portas. Lojas de artesanatos, discos e de alimentação esperam por clientes.

    A paisagem humana e suas diferentes manifestações criam e recriam todos os dias a cidade. A vida pulsa. Vida expulsa, há quem queira. Expulsar resolve?

    • coluna do silvestre
      Chineses botam os pés na aldeia com nova fábrica
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • lance de craque
      Colorados trazem o ídolo DAlessandro à Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • coluna do martinelli
      10 efeitos da nova filiação do Dr Levi
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Prefeitura quer o fim das raves em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Algo para conter massacre de jacarés no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • inclusão
      Cega luta para reativar a associação
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Até oposição parabeniza Jones por seus votos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como o bilhão da GM tem seduzido investidores
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • câmara
      OPINIÃO | Sem pizza na CPI do Ipag, por favor
      por Rafael Martinelli
    • pps
      O partido que abriu as portas para Anabel e Dilamar
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.