notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/06/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    por que chorei?

    Almudema Grandes, a autora, diante da sua obra O leitor de Júlio Verne

    Bem Brasil

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 10/11/2017 às 10h51| Atualizada em 10/11/2017 às 13h52

     

    Terminei de ler, dias atrás, um livro que me fez chorar como há muito tempo não chorava.  O leitor de Júlio Verne, da espanhola Almudema Grandes, ainda não editado no Brasil, é um romance grandão, daqueles que a gente resiste um pouco a enfrentar.

    Mas ao folheá-lo, em uma livraria, instigada pelo título (Júlio Verne foi um dos meus autores preferidos na adolescência), fui irremediavelmente fisgada já no começo do primeiro capítulo.

    Há livros que começam com uma descrição entediante do cenário em que se movem os personagens, o que me faz saltar páginas e páginas, sem qualquer consideração ou remorso, embora eventualmente me sinta forçada a voltar atrás, ao perceber que sua leitura é importante para a compreensão da trama.   

    Mas havia, ali, uma questão perturbadora: a presença do vento, tão forte que mais parecia um personagem:  “No meu povoado, o inverno começava quando queria o vento, quando ao vento lhe dava vontade de nos perseguir pelas vielas e de nos arranhar a cara com suas unhas de cristal, como se tivesse alguma velha conta a ajustar conosco, uma dívida que não se quitava até a madrugada, porque seguia zumbindo  sem descanso, do outro lado das portas, das janelas fechadas,  para parar, de repente, como farto da sua própria fúria, em uma hora em que até os insones já dormiam...”. 

    Lembrei-me, de imediato, daquele vento gelado que atormenta os indígenas que vivem na encosta do vulcão Chimborazo, lá no Equador —onde morei por um largo tempo da minha vida—, obrigando-os a proteger as carinhas das crianças com uma grossa camada de sebo de carneiro, para evitar dermatites.       

    Mas voltando ao livro, a história, baseada em fatos reais, é contada na primeira pessoa pelo menino Nino, filho de um guarda civil, criado na casa-quartel de um povoado da Andaluzia, nos tempos da ditadura do Generalíssimo Franco. Sem entender por quê, o menino não consegue se encaixar naquele ambiente, nem aceitar a subserviência de seus pais e dos vizinhos aos poderosos de plantão.

    Mas a amizade com um forasteiro que se instala no povoado e a leitura de novelas de aventuras emprestadas por uma professora o fazem ver uma realidade que até então negara: os inimigos de seu pai não são os seus inimigos.   

    E por que chorei tanto ao ler esse livro? Porque tudo, tudo, nele, me remeteu aos tempos sombrios que estamos vivendo, no Brasil. E percebi que tinha, aqui dentro, engasgado, um choro a que precisava dar vazão, que vem da pena imensa que sinto do meu país atualmente.

    • na copa
      OPINIÃO | Os assediadores da russa podem ser você
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Antes do tie break: o legado de Aline Fofonka
      por Róbinson Gambôa
    • luto
      120 em 40, uma intensa história de vida
      por Cláudio Wurlitzer | Especial
    • luto
      Nada está no lugar; uma homenagem a Denise Medonha
      por Rosane Castro
    • coluna do silvestre
      A Souza Cruz voltou, a Herbalife chegou
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • atenção
      O que muda no trânsito da parada 72
      por Redação
    • a venda do hospital
      OPINIÃO | Marco Alba fez bem em bancar a Santa Casa
      por Rafael Martinelli
    • na copa
      Deu sono na estreia do Brasil e do Miguel
      por Eduardo Torres
    • na copa
      OPINIÃO | Estreia com a cara do Brasil do golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      No escurinho do cinema...
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      É bom sinal os vereadores congelarem os próprios salários
      por Rafael Martinelli
    • nosso hospital
      COM VÍDEO | Hospital de Gravataí é da Santa Casa
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saneamento
      Gravataí e Cachoeirinha no ranking do saneamento
      por Eduardo Torres
    • eleições 2018
      Miki e Stédile, unidos por Sartori
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      20 dias para o pedágio não ser cobrado ou...
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      EXCLUSIVO | Gravataí pode ter um dique contra enchentes
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.