notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    a poesia de manoel de barros

    Esticador de horizontes

    por Marcos Golembiewski | Publicada em 11/11/2017 às 15h31| Atualizada em 11/11/2017 às 21h52

     

    Hoje, deixo os filmes de lado e escrevo sobre poesia. Sobre a poesia do Manoel de Barros (Poesia Completa, Ed. Leya Casa da Palavra), falecido em 2014. Ele deixou uma obra importante e a recomendação para que guardemos nossos instrumentos de trabalho num baú. O conteúdo deste baú, cheio de utensílios aparentemente inúteis, foi descrito num poema, assim: “Guarda num velho baú seus instrumentos de trabalho/ 1 abridor de amanhecer/ 1 prego que farfalha/ 1 encolhedor de rios/1 esticador de horizontes”.

    E assim a cada nova manhã retiro do baú os utensílios inventados pelo poeta. Primeiro o abridor de amanhecer que serve para abrir o dia e lembrar que o abridor será usado indefinidamente. E talvez para lembrar como também disse o poeta que “a gente nasce, cresce, amadurece, envelhece, morre. Pra não morrer, tem que amarrar o tempo no poste. Eis a ciência da poesia: amarrar o tempo no poste”.

    Depois, com cuidado, pego o prego que farfalha. Vou ao dicionário e descubro que farfalha é um pedaço insignificante de qualquer coisa, coisas vãs ou sem importância; bagatelas. Guardo o prego, pois mesmo os objetos sem importância tem sua função. O que não importa são os sentimentos insignificantes que farfalham.

    Com o encolhedor de rios nas mãos não consigo definir sua utilidade. Não consigo definir o que o poeta quis dizer, não consigo perceber a utilidade do utensílio inventado. Talvez não tenha querido dizer nada e o encolhedor não sirva para coisa alguma. Talvez tenha imaginado uma analogia entre o movimento incessante do rio e a vida. O encolhedor de rios seria a possibilidade de encolher nossos caminhos, pegar os atalhos, trilhar o que importa. Sinceramente não sei, desisto e guardo o encolhedor no baú.

    Por último retiro o esticador de horizontes e olho pela janela o horizonte ao fundo. A esta hora não se pode distinguir nada em razão da neblina. Vejo apenas uma linha divisória. Com o alargador é possível ver muito além do horizonte e principalmente como disse Manoel: “Que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros etc. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que produza em nós”.

    • minuto seguinte
      Guru espiritual de prefeito é da Morada do Vale
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • Enart 2017
      Paulo Adriane é o tempo do CTG Aldeia, no Enart, 30 anos depois
      por Silvestre Silva Santos
    • minuto seguinte
      Prefeito assina ordem para duplicar a 030
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • música
      Curtindo a Evellyn Pires ela vira diva
      por Redação
    • proerd
      Quando PM é professor contra drogas e violência
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aline dos cartazes
      Histórias de detetive particular
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.