notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/06/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    azzura fora da Copa

    Imprensa italiana se desespera com ausência da Azzurra na Copa de 2018

    Crônica anunciada de uma morte da Itália

    por Claudio Dienstmann | Publicada em 14/11/2017 às 13h09| Atualizada em 14/11/2017 às 17h42

     

    Em 1966, o futebol da Itália tomou uma decisão de choque: para desenvolver a formação dos jogadores de base do próprio país, proibiu a entrada de estrangeiros. A proibição durou 14 anos, até 1980, quando a Roma contratou o meia Falcão, do Inter.

    Durante ao menos até a década seguinte – quando Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, também entraram como compradores no mercado – o destino dos melhores jogadores do mundo era quase exclusivamente a Itália. A preferência contemplava atacantes: os holandeses Van Basten, Gullit e Rijkaard, os alemães Matthäus, Brehme, Völler, Klinsmann, os brasileiros Careca, Cerezzo, Zico e Ronaldo, os argentinos Maradona, Crespo e Batistuta, os franceses Platini e Zidane, o polonês Boniek...

    Obrigadas a enfrentar esse enorme talento ofensivo, as equipes italianas conseguiram aprimorar os seus zagueiros – Scirea, Paolo, Maldini, Baresi, Nesta, Cannavaro ... O problema é que, com tantos estrangeiros à disposição  para o ataque, os clubes deixaram de formar atacantes locais. E foi assim, agora, que a Itália perdeu por 1x0 e empatou em 0x0 com a Suécia e ficou fora da Copa do Mundo de 2018, tomando apenas um gol mas não fazendo unzinho nos dois jogos do mata-mata.

    Outra questão é que praticamente todos os jogadores da seleção da Itália  jogam em clubes italianos – exceção dos meias Verrati do Paris Saint Germain e Darmian do Manchester United –, mas isso que poderia ser uma vantagem na verdade é um problema porque todos os clubes do país no momento estão longe do primeiro nível europeu. Isso inclui a Juventus, com quase toda a defesa da seleção – Buffon, Barzagli, Chielini, Bernardeschi. No mais, foram chamados jogadores de Lazio, Torino, Roma, Milan, Inter, e até um brasileiro, o meia catarinense Jorginho, do Nápoli.

    A tetra Itália é o único dos oito campeões que fica fora da Copa de 2018. É a sua terceira ausência: nos 20 mundiais anteriores, não teve interesses em jogar em 1930, e foi eliminada em 1958 pela Irlanda do Norte. No último jogo, derrota de 2x1 em Belfast dia 15 de janeiro, a Itália tinha quatro jogadores estrangeiros: o argentino Montuori, o brasileiro Dino da Costa, e os autores dos dois gols do Uruguai na final de 2x1 contra o Brasil em 1950, Maschio e Ghiggia. Em Belfast, em vez de herói, Ghiggia foi expulso e virou vilão.

     

    LEIA TAMBÉM

    Arrá, urrú, o Cláudio (6 Copas do Mundo, 1 Olimpíada) Dienstmann é nosso!

    • a partir de sábado
      Tarifa dos ônibus municipais de Gravataí vai a 4,40
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Mobilidade: em cinco anos a cidade vai parar
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • coluna do silvestre
      Para onde e como Gravataí vai crescer
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • da escola
      O Gustavo da Santa Cecília foi cuidar das águas do Brasil
      por Redação
    • impeachment
      A volta da polêmica sobre dívida da cassação de Rita
      por Rafael Martinelli
    • pai merdanelles
      Qual seleção da Copa seria cada vereador de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Qual a Gravataí que queremos para o futuro?
      por Silvestre Silva Santos
    • na copa
      COM VÍDEO | O balão da Costa Rica em Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • na copa
      OPINIÃO | Os assediadores da russa podem ser você
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Antes do tie break: o legado de Aline Fofonka
      por Róbinson Gambôa
    • luto
      120 em 40, uma intensa história de vida
      por Cláudio Wurlitzer | Especial
    • luto
      Nada está no lugar; uma homenagem a Denise Medonha
      por Rosane Castro
    • coluna do silvestre
      A Souza Cruz voltou, a Herbalife chegou
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • atenção
      O que muda no trânsito da parada 72
      por Redação
    • a venda do hospital
      OPINIÃO | Marco Alba fez bem em bancar a Santa Casa
      por Rafael Martinelli
    • na copa
      Deu sono na estreia do Brasil e do Miguel
      por Eduardo Torres
    • na copa
      OPINIÃO | Estreia com a cara do Brasil do golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • nosso hospital
      COM VÍDEO | Hospital de Gravataí é da Santa Casa
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saneamento
      Gravataí e Cachoeirinha no ranking do saneamento
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.