notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/06/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o caderno azul

    Antoine de Saint-Exupéry, um dos autores mais lidos do planeta, foi um escritor, ilustrador e piloto francês

    Livros que curam 

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 02/12/2017 às 19h47| Atualizada em 02/12/2017 às 19h50

     

     

    "O que me atormenta as sopas populares não remedeiam. O que me atormenta não são essas faces escavadas, nem essa feiura. É um pouco, em cada um desses homens, Mozart assassinado."

    Quando li Terra dos Homens, na adolescência, parando de tanto em tanto para digerir bem o que Antoine de Saint-Exupéry havia escrito, fiquei tremendamente impactada por seu oitavo e último capítulo e, sobretudo, por seu parágrafo final, que coloco, agora, em epígrafe. 

    Certamente, a leitura desse, entre outros livros do autor — dos quais o que menos me tocou foi O pequeno príncipe, seu best-seller —, teve muito a ver com minha opção por trabalhar na área da Cultura e por distribuir livros, em vez de alimentos, entre os menos favorecidos. 

    Lá pelos meus 13 ou 14 anos, comprei um caderno grosso, de capa dura, azul celeste, no qual copiava, com letra caprichada — e, anos depois, ainda lia e relia ocasionalmente—, parágrafos de livros de Exupéry, que continham reflexões sobre a importância de sabermos identificar o que é essencial em nossas vidas, de nos encontrarmos em nós e nos outros e de saborearmos o “luxo das relações humanas”.  

    Quando surgiu a oportunidade de viver em Quito, em 1980, deixei para trás, sem qualquer dificuldade, a quase totalidade dos meus bens materiais, e lá fui eu com duas malas, que continham, basicamente, roupas, livros e o tal caderno azul.

    Anos depois, em Ambato, onde passei os dois últimos anos de minha estada no Equador, coloquei meus livros e discos à disposição dos clientes, no Café El Pátio, que foi não só fonte de renda para mim e meus filhos, mas uma espécie de laboratório de experiências da área cultural, que me fazia esquecer um pouco o quanto era conservadora aquela sociedade. E, naturalmente, levei para lá, também, o tal caderno, que tirava do fundo de uma gaveta, de vez em quando, para ler um trecho a algum amigo.

    Um dia, foi me procurar um adolescente que frequentava o café e que vivia atormentado pela dificuldade de se fazer ouvir e entender pelo pai. E, enquanto relatava os últimos acontecimentos, me dei conta de que, por mais que tentasse, não encontraria as palavras adequadas para tranquilizá-lo e reanimá-lo.

    Foi aí que, quase sem pensar, abri a gaveta e lhe dei meu caderno azul de presente.

    E agora, ao ouvir de amigos sobre o belo ser humano que se tornou, gosto de pensar que, assim como ocorreu comigo, aqueles parágrafos pinçados dos livros de Saint-Exupéry fizeram alguma diferença em sua vida.

    • na copa
      OPINIÃO | Os assediadores da russa podem ser você
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Antes do tie break: o legado de Aline Fofonka
      por Róbinson Gambôa
    • luto
      120 em 40, uma intensa história de vida
      por Cláudio Wurlitzer | Especial
    • luto
      Nada está no lugar; uma homenagem a Denise Medonha
      por Rosane Castro
    • coluna do silvestre
      A Souza Cruz voltou, a Herbalife chegou
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • atenção
      O que muda no trânsito da parada 72
      por Redação
    • a venda do hospital
      OPINIÃO | Marco Alba fez bem em bancar a Santa Casa
      por Rafael Martinelli
    • na copa
      Deu sono na estreia do Brasil e do Miguel
      por Eduardo Torres
    • na copa
      OPINIÃO | Estreia com a cara do Brasil do golpeachment
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      No escurinho do cinema...
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      É bom sinal os vereadores congelarem os próprios salários
      por Rafael Martinelli
    • nosso hospital
      COM VÍDEO | Hospital de Gravataí é da Santa Casa
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saneamento
      Gravataí e Cachoeirinha no ranking do saneamento
      por Eduardo Torres
    • eleições 2018
      Miki e Stédile, unidos por Sartori
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      20 dias para o pedágio não ser cobrado ou...
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      EXCLUSIVO | Gravataí pode ter um dique contra enchentes
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.