>
notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 12/12/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    nazistas

    À sombra do meu irmão

    por Marcos Golembiewski | Publicada em 07/12/2017 às 18h30

     

    Na história da humanidade há momentos difíceis de interpretar. Um obstáculo talvez seja o fato de não termos vivido aquela atmosfera, aquele tempo. Neste caso o distanciamento não ajuda e a mentalidade de um povo parece envolta em brumas espessas.

    Uma dessas situações é o comportamento do povo alemão na segunda guerra. Por outras palavras, como uma ideologia de superioridade racial pode ter levado uma nação à guerra? E como pode ter sido cometida essa destruição, esse sofrimento e às milhares de vítimas.

    A publicação do excelente livro de memórias À Sombra do meu Irmão, escrito por foi Uwe Timm, retira das sombras a história do irmão morto na guerra e ao mesmo tempo a história da Alemanha. O autor tinha dois anos quando o irmão partiu para guerra, por isso lembra apenas de sua sombra.

    O livro tem como fio condutor o diário de guerra do irmão. O autor ao longo do livro vai transcrever trechos do diário e comentar, sem, contudo, fazer julgamentos. A catástrofe alemã emerge das páginas de forma sóbria, ficando clara a irracionalidade da ideologia que pregava a ideia de uma raça superior e pura.

    O autor mostra que muitos líderes do Estado Alemão eram homens instruídos na literatura, na filosofia e na música. Mas isso não os impediu de praticarem atrocidades. Prevalecia o “mito do sangue e do ser alemão, não importava se estúpido ou inteligente, você pertencia a um povo superior”.

    Naquele contexto inexplicável, a cultura e a educação também de nada serviu as vítimas. Os dois lados são descritos por Timm:

    – Nada, e isso é o fato mais desesperador, evitou que os assassinos cometessem os crimes, nem educação, cultura, nem a chamada espiritualidade. E isso, também valia para as vítimas nos campos de concentração: cultura e educação não lhes davam força, consolo, não podiam mobilizar qualquer resistência: nada.

    • coluna do silvestre
      Chineses botam os pés na aldeia com nova fábrica
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • lance de craque
      Colorados trazem o ídolo DAlessandro à Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • coluna do martinelli
      10 efeitos da nova filiação do Dr Levi
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Prefeitura quer o fim das raves em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Algo para conter massacre de jacarés no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • inclusão
      Cega luta para reativar a associação
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Até oposição parabeniza Jones por seus votos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como o bilhão da GM tem seduzido investidores
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • câmara
      OPINIÃO | Sem pizza na CPI do Ipag, por favor
      por Rafael Martinelli
    • pps
      O partido que abriu as portas para Anabel e Dilamar
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.