notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    drama de vida

    Pensionista que ficou conhecida como Miss Sem Teto, Luciane Lima dos Santos enfrenta dificuldades e pede ajuda da comunidade

    A difícil vida nada fácil da Miss Sem Teto

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 06/07/2017 às 17h57| Atualizada em 12/07/2017 às 13h42

    Os mais antigos têm um dito popular – ‘desgraça pouca é bobagem!’ – que se aplica bem à história de Luciane Lima dos Santos, que no dia 18 deste mês completa 41 anos. Mãe de seis filhos, ela já perdeu dois maridos e, vítima de um atropelamento – quando andava na calçada da rua em que mora, com um filho pequeno – ficou 33  dias em coma no Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre.

    Do acidente restou com sequelas na visão, coordenação motora e danos cerebrais. É obrigada a tomar cinco diferentes medicamentos diariamente, e pelo resto da vida. Por causa do atropelamento e das consequências que carrega no corpo, não pode trabalhar. Como vive só, mantém a casa com a pensão mensal que recebe. É conta de água, de luz, roupas para pelo menos quatro dos filhos, alimentação, escola...

    Esta é a ‘difícil vida nada fácil’ de Luciane que, lá em 1992, então com 15 anos, classificou-se no concurso Garota Verão mas não chegou a ir para Capão da Canoa onde era realizada a etapa final porque a mãe não permitiu. Ela era muito nova, necessitava da companhia de um adulto, mas faltava dinheiro à família.

    Vaidosa, sempre que podia participava de desfiles, de concursos, e tinha o sonho de ser modelo. Chegou a ser chamada - em reportagem publicada no jornal Correio de Gravataí quando ainda era do Grupo CG - de “miss sem teto”. Hoje ela continua desfilando. Mas a passarela agora é as ruas de Gravataí, onde peregrina em busca de auxílio para comprar comida, principalmente.

     

    Na chuvarada

     

    O drama de Luciane se agravou nos últimos dias com as fortes chuvaradas, que entram pelo teto e pelo forro de madeira sem dó nem piedade. Encharcaram sofás, roupas de cama, colchões, as roupas dela e das crianças. A água castigou sem dó nem piedade o casebre de pouco mais de 20 metros quadrados.

    --- O único lugar em que não entra água é no banheiro. Até já pensei em botar a minha cama lá, mas não cabe --- ela disse para o Seguinte: nesta semana, procurando manter bom humor mesmo diante do quadro caótico.

    Não bastasse molhar móveis e roupas, o aguaceiro queimou o que servia de distração para as crianças, uma pequena televisão de 14 polegadas, daquelas antigas, de tubo. E a máquina que lhe facilitava a vida e usava para lavar as roupas da família. Na minúscula peça em que estão sala e cozinha, ela esfrega com força as mãos para falar.

    --- Se alguém tiver sobrando e quiser me dar eu aceito, estou precisando muito --- diz, referindo-se ao aparelho de tevê e à maquina de lavar roupas.

     

    O telhado

     

    O problema na cobertura do casebre erguido com tijolos, mal pintado, é que não tem caimento, inclinação. Ou seja, a água cai sobre as telhas e não escorre. Acaba entrando nas emendas entre uma e outra telha, desce pelo forro de madeira e faz o estrago. Até isso é uma necessidade da “miss sem teto”.

    --- É que eu ganhei, e fizeram assim. Eu não entendo disso, então não podia nem reclamar. O ideal é se alguém ajeitasse isso --- afirma.

     

    Fala, Luciane:

     

    Desfilando

     

    Quase todos os dias a viúva – pela segunda vez há oito anos – vai ao centro da cidade onde é conhecida de muita gente. Nem paga a passagem do ônibus. Usa da sinceridade para dizer ao motorista e cobrador que não tem recursos. Nas lojas e às pessoas, em meio ao agito comercial, apela por ajuda para comprar comida. E roupas. É no que emprega o pouco que consegue.

    --- Essa minha situação é toda resultado do acidente. Eu sempre fui bem disposta, estudei e terminei o ensino médio, cheguei a trabalhar, mas hoje não posso por causa dos problemas que tenho e dos medicamentos controlados que tenho que tomar --- explica.

    Para agravar o quadro, os filhos mais velhos, de 21 e 19 anos, que poderiam ajudá-la, estão desempregados. O apoio que tem é dos pais, que auxiliam na manutenção de dois dos filhos, de 16 e 14 anos. Os dois menores, de nove e sete anos moram com Luciane no casebre que fica nos fundos da casa dos pais, no 1.128 da rua Dom Feliciano.

    A gremista fanática, que já ganhou até camisa oficial do Grêmio, que se expressa com facilidade e demonstra ter bons conhecimentos de português, não professa nenhum credo religioso, mas garante que acredita em Deus.

    --- Se Deus não existisse, certamente eu e meu filho não estaríamos aqui. Foi Ele quem nos salvou. Se estamos vivos foi por milagre --- garante a mulher que já tem rugas no rosto e as mãos calejadas, do alto do seu 1,60 metros e 49 quilos.

     

    PARA AJUDAR

    Rua Dom Feliciano, 1.128

    Telefone: (51) 993830751

     

    • minuto seguinte
      Servidores no TJ por anulação de sessão das cadeiradas
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • grêmio na final da liberdadores
      Só os torcedores entendem
      por Herculano Barreto Filho
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Carrinho Agas reflete novo consumo
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • festil
      A Fernanda te convida para ir ao teatro
      por Redação
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.