notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Morreram Paulo Santana

    por Mário Rocha | Publicada em 22/07/2017 às 14h45| Atualizada em 24/07/2017 às 17h38

    Nem erro de concordância, nem assomo de criatividade. É construção minha precedida dos versos de Carlos Drummond de Andrade sobre Cacilda Becker e da capa do jornal O Dia sobre Chico Anísio.

    "A morte emendou a gramática / Morreram Cacilda Becker / Não eram uma só. Eram tantas" disse o poeta sobre a atriz paulista falecida em 14/06/1969, com 48 anos, vítima de AVC.

    Inspirado por Drummond, os 207 personagens de Chico Anísio (morto em 23/03/2012) justificaram a antológica capa de O Dia no dia seguinte que está reproduzida nesta postagem.

    Então, parafraseando, escrevo que morreram o jornalista, cronista e repórter que, parece consenso, convém registrar como insuperável; morreram o narcisista e ególatra, o muito amigo dos seus amigos embora eles por vezes não tivessem bem a certeza disso, o muito inimigo dos seus inimigos, o bipolar, o extraordinário projetista de sua própria imagem, o gremista sanguíneo, o paladino de muitos oprimidos, o contestador, o carente por atenção, a vítima de males físicos diversos.

    Finda, aqui, a similaridade.

    Preciso escrever que fui no velório, lá na Arena (tíquete J8EXPQ6W5, estacionamento às 11h55min37seg com entrada pelo portão 2), e que aquele espaço destinado a ele era INDIGNO da pseudo-homenagem a sua memória. Foi improvisado sob uma marquise, quando deveria estar no Salão Nobre (se é que há), ou no centro do gramado.

    Não me justifiquem com facilitação do acesso para uma esperada imensa massa de torcedores porque eles não foram. Ao meio-dia, havia algumas dezenas de pessoas, tão somente. Enxerguei alguns colegas jornalistas, o ex-presidente Oly Fachin, equipamento e repórter de uma rádio, familiares, talvez umas vinte pessoas contidas por um brete e nada mais.

    MORRERAM PAULO SANT'ANA ao designarem para local de seu velório espaço incompatível com a megalomania do morto. Melhor teria sido velá-lo no Olímpico.

    MORRERAM PAULO SANT'ANA a falta da massa tricolor em dia de final de campeonato no velório e no enterro, lá no Cemitério João XXIII, com apenas 70 pessoas presentes na hora do sepultamento.

    MORRERAM PAULO SANT'ANA, finalmente, a imensa cobertura da imprensa que ele está tendo e já não pode ver e ouvir. Foi progressivamente afastado dos espaços em rádio, jornal e tevê que lhe permitiam satisfazer a fome incrível de reconhecimento.

    Quanto mais os responsáveis pelo ostracismo imposto o promovem, agora que é morto, maior me fica a impressão de que o que realmente está ocorrendo é um mea culpa tardio e/ou tentativa de resgate de imagem com os que ficam, nós, os vivos.

    Deixo claro que o parágrafo acima não se destina aos inúmeros depoimentos, alguns emocionados e outros racionais e analíticos, sobre uma personagem que a história da imprensa no RS sempre registrará.

    Paulo Sant'Ana não era meu amigo, nem eu dele. Não era meu inimigo, nem eu dele. Conversamos duas vezes. Quer dizer, ele falou e eu ouvi. Achei que precisava escrever o que escrevi...

    • minuto seguinte
      Servidores no TJ por anulação de sessão das cadeiradas
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • grêmio na final da liberdadores
      Só os torcedores entendem
      por Herculano Barreto Filho
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Carrinho Agas reflete novo consumo
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • festil
      A Fernanda te convida para ir ao teatro
      por Redação
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.