notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/11/2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    final quase feliz

    Yasmim Emanuelle teve que ser submetida a uma enucleação, que é a retirada do globo ocular, por causa de um câncer

    Yasmim, de quatro anos, está bem e em casa depois do câncer

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 19/08/2017 às 18h44| Atualizada em 28/08/2017 às 19h

    Final feliz. 

    Pelo menos até agora e em quase todos os sentidos.

    Depois de ser diagnosticada em 19 de julho passado com “retinoblastoma” – um tipo de câncer ocular que atinge 80% das crianças – e de uma, por assim dizer, milagrosa agilidade em todos os procedimentos, a serelepe Yasmim Emanuelle Lampe Drago, de apenas quatro anos, já está em casa e brincando com sua mais nova amiguinha, a cadelinha Papinha.

    Yasmim ainda vai precisar de acompanhamento com consultas médicas e exames periódicos pelos próximos 10 anos, período de tempo em que a doença pode se manifestar novamente, atingindo o outro globo ocular ou em qualquer parte do seu organismo. Mas o desfecho em menos de um mês para a angustiante situação é um alívio para a família.

    Fernanda Ferreira Lampe Drago, operadora de caixa desempregada e mãe de Yasmim, resume o sentimento dela e de Fernando Dutra Drago, metalúrgico que também está sem emprego desde que foi demitido em abril do ano passado.

    --- Não é o que a gente queria. É uma situação complicada e que vai exigir além dos cuidados médicos uma adaptação ao modo de vida porque, agora, ela é uma criança deficiente. Isso implica, por exemplo, até em mudanças no lugar onde ela vai sentar dentro da sala de aula porque ela perdeu toda referência e campo de visão do lado direito --- diz a mãe.

    Fernanda faz lanches de diversos tipos.

    O marido, Fernando, quase todos os dias sai de casa na rua Alcides Barbosa, no Parque Itatiaia, lá para os lados da parada 98 da RS-030, para vender no centro de Gravataí os lanches que Fernanda prepara.

    É a forma de vida da família que ainda tem a casa financiada e todas despesas da família que ainda tem a pequena Maysa Lampe Drado, de dois anos, mais os gastos com medicamentos e transporte para as consultas e exames de Yasmim. Por isso foi aberta uma página na internet para uma “vaquinha virtual”, visando arrecadar os recursos necessários, antes, para aquisição de uma prótese ocular – já garantida – e agora para as despesas da pequena serelepe amiga de Papinha.

     

    Conheça a história!

     

    A história

     

    No começo de julho Fernanda levou a filha à Unidade Básica de Saúde (UBS) que atende aos moradores do Itatiaia. Na consulta, a médica percebeu que havia algo errado mas não arriscou um diagnóstico definitivo. Tentou enganar a mãe Fernanda e encaminhou Yasmim para o Hospital Banco de Olhos, em Porto Alegre.

    --- Ela me disse: ‘olha mãe, vou colocar aqui que é um caso muito grave, mas é para agilizar o atendimento’. Daí eu já soube que era uma coisa bem ruim --- contou Fernanda.

    E ela não perdeu tempo. Correu com a filha nos braços em busca do necessário atendimento e dos exames que acabaram confirmando o câncer no olho direito da filha, notícia que recebeu em 19 de julho passado.

    A cirurgia para extração do globo ocular era uma necessidade também urgente, para evitar que a doença se alastrasse, virasse uma metástase. Mais uma vez a sorte esteve ao lado de Fernanda e Yasmim foi levada à sala de cirurgia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre dia 9 passado para a enucleação, que é quando o médico extrai todo o globo ocular.

    Em poucos dias ela já estava em casa, sem dores, brincando.

    --- Felizmente foi tudo muito rápido. Foi uma ação muito rápida porque a doença já estava em um estágio muito avançado, não dava para esperar muito. A operação foi feita em pouco mais de duas semanas, felizmente --- diz Fernanda.

     

    O anônimo

     

    A prótese ocular que custa mais de R$ 1 mil e era uma das razões da campanha feita na internet para arrecadar recursos já está garantida. Ela foi doada por uma pessoa da cidade de Passo Fundo que se sensibilizou com o caso mediante uma condição, manter sua identidade no anonimato.

    A campanha continua porque além das despesas com medicamentos que Yasmim deverá usar por tempo indeterminado, talvez por toda a vida, virão os gastos com óculos, transporte, consultas, exames.

    A filha mais nova do casal Fernando e Fernando, Maysa, também vai ser submetida a uma bateria de exames em breve para verificar se ela tem, ou não, a doença que atingiu a irmã Yasmim. É que o retinoblastoma pode ser um câncer hereditário, e a recomendação médica é uma ação preventiva.

     

    A DOENÇA

    Os retinoblastomas são frequentemente diagnosticados porque os pais ou o médico percebem algo anormal no olho da criança. 

     

    Os principais sinais e sintomas do retinoblastomas são:

    REFLEXO PUPILAR BRANCO: Este é o sinal mais comum do retinoblastoma. Normalmente, ao direcionar uma luz ao olho de uma criança, a pupila parece vermelha devido ao sangue nos vasos no fundo do olho. No olho com retinoblastoma, a pupila, muitas vezes, se apresenta branca ou rosa, isto é conhecido como reflexo pupilar branco (leucocoria). Este brilho branco no olho geralmente é percebido em fotos tiradas com flash. Também pode ser observado pelo médico da criança durante um exame oftalmológico de rotina.

    ESTRABISMO: É uma condição na qual os dois olhos não parecem olhar na mesma direção, muitas vezes chamada de olho preguiçoso. Existem muitas causas para o estrabismo, mas a maioria é causada por uma fraqueza dos músculos que controlam o movimento dos olhos, mas o retinoblastoma é também uma das raras causas. .


    Sinais e sintomas menos comuns do retinoblastoma:

    : Problemas de visão.

    Dor nos olhos.

    Vermelhidão da parte branca do olho.

    Sangramento na parte anterior do olho.

    Abaulamento dos olhos.

    A pupila não se contrai (diminui de tamanho) quando exposta à luz brilhante.

    Cor diferente de cada íris.

     

    Atenção:

    Muitos destes sinais e sintomas podem ser provocados por outras condições clínicas. Entretanto, se seu a criança apresentar qualquer um desses sinais é importante consultar um médico para que a causa seja diagnosticada e, se necessário, iniciado o tratamento.

    • minuto seguinte
      Servidores no TJ por anulação de sessão das cadeiradas
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • grêmio na final da liberdadores
      Só os torcedores entendem
      por Herculano Barreto Filho
    • rio gravataí
      Arrozeiros perderão licenças no Rio Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Carrinho Agas reflete novo consumo
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • festil
      A Fernanda te convida para ir ao teatro
      por Redação
    • a duplicação
      Agora é a Centenário, depois a Adolfo e as pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      A medida da sujeira e do veneno na água que bebemos
      por Rafael Martinelli
    • morte da bailarina
      Mãe de Alaíde chora e espera por justiça
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.