notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/09/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    na copa

    Prefeito Marco Alba vestiu a camiseta da Costa Rica no primeiro encontro | DIVULGAÇÃO

    COM VÍDEO | O balão da Costa Rica em Gravataí

    por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 20/06/2018 às 09h54| Atualizada em 26/06/2018 às 13h07

    Não ficou ressentimento. O presidente do Cerâmica, Décio Becker, garante.

    — Não sequei a Costa Rica em 2014, e não seco eles. Era uma escolha deles. Mas não nos escolheram e não deram nenhuma satisfação — conta.

    É aquela coisa, ao melhor estilo de um bolero, ou de um calipso, à moda costarriquenha, quando a bola rolar às 9h de sexta, no horário de Brasília, lá em São Petersburgo, na Rússia, com a Seleção Brasileira de um lado e a Costa Rica de outro, alguns corações em Gravataí terão, sim, aquela pontinha de sofrência. Resultado do balão que o país da América Central deu na cidade na fase de preparação para a última Copa.

     

     

    Como aquele pretendente que não se deu bem, e disfarça com o desdém da música latina, Becker garante:

    — Não era para a Costa Rica. Estávamos prontos para receber alguma seleção. Eles vieram aqui, mas poderia ser qualquer outra equipe que tivesse jogo marcado em Porto Alegre.

    Era manhã de sábado, dia 26 de outubro de 2013, quando o prefeito Marco Alba (PMDB) chegou a vestir a camiseta da Costa Rica como quem faz aquele agrado no primeiro encontro. Mas a Costa Rica nunca mais ligou. A camiseta havia sido um presente da comitiva costarriquenha, hospedada no Hotel Intercity Premium desde a noite daquela sexta. Depois de visitarem Caxias do Sul, foram recebidos por Alba e a primeira dama no hotel onde ficariam no final de semana com o objetivo de conhecerem a Gravataí que se candidatava a uma das cidades para receber seleções na copa brasileira.

    — Fizemos toda a lição de casa. O estádio (Antônio Vieira Ramos,o Vieirão) recebeu adaptações, o hotel (Intercity) seria fechado para a seleção que escolhesse Gravataí. Até a Brigada Militar já havia criado o esquema de segurança completo para o deslocamento da delegação da cidade para o Estádio Beira-Rio e para o aeroporto. Eu estava mesmo muito esperançoso de que conseguiríamos — conta Becker.

     

    Leia também:

    OPINIÃO | Os assediadores da russa podem ser você

    COM VÍDEO | O craque do Brasil que jogou no Cerâmica

    COM VÍDEO | Bem vindos à Suíça. A nossa Suíça

    Deu sono a estreia do Brasil e do Miguel

    OPINIÃO | Estreia com a cara do Brasil do golpeachment

     

    Pouco mais de um ano antes, havia sido criado o Comitê Gestor Local da Copa. Gravataí cumpriu todas as obrigações definidas pela FIFA e entregou o seu portfólio. Não, não foi a única cidade que passou batida. Outras oito gaúchas — incluindo Cachoeirinha — não foram escolhidas pelas 32 seleções em 2014. Mas Gravataí chegou a sentir o cheirinho das tortilhas costarriquenhas. Depois de visitarem a cidade, porém, os Ticos, como o time de futebol do país é apelidado, hospedaram-se em Santos.

    — No momento da visita, mostramos toda a estrutura do estádio e eles ficaram bem impressionados com a estrutura e a acolhida que tiveram. Inclusive, depois tivemos um almoço bem elaborado no Intercity — recorda Décio Becker.

    Pudera. O Cerâmica seria o centro desta permanênica pretendida por Gravataí. Um estádio com capacidade para oito mil pessoas, academia, salas de fisioterapia e um salão de eventos que poderia ser transformado em centro de imprensa. O Paladino seria uma espécie de estrutura auxiliar, com piscinas, ginásio e academia. Unindo os dois clubes ao hotel, a seleção que ficasse por aqui não gastaria mais do que cinco minutos em deslocamentos internos pela cidade.

    Ah, e como em todo o Brasil, aqui também teve uma das obras prometidas e ainda não concluídas. A duplicação da RS-118 fazia parte do pacote que a Região Metropolitana pretendia vender a seleções interessadas como uma facilidade para a mobilidade. Ainda assim, Viamão, com o hotel Vila Ventura, foi beneficiada. Equador foi a única seleção hospedada no Rio Grande do Sul.

    No fim, para Gravataí, foi um balão em alto estilo. Entre os integrantes da comitiva que veio avaliar a cidade candidata, estavam a comissão técnica da Costa Rica, dirigentes da confederação daquele país e até um representante do governo. Daquele 26 de outubro de cinco anos atrás, ficou a foto, com o prefeito vestindo a camiseta dos Ticos. Como aquela lembrança do relacionamento que se tenta esconder, mas às vezes dá aquela espiadinha.

     

    : Neymar sentiu o pé ou o tornozelo direito durante o treino de terça | LUCAS FIGUEIREDO CBF

     

    Mistério depois da estreia ruim

     

    Em campo, lá em São Petersburgo, será momento de reencontro. Das cinco participações anteriores da Costa Rica em copas, duas vezes — em 1990 e 2002 — encontraram o Brasil na primeira fase. Ambas com vitórias da Seleção Brasileira. Mas, se depender do histórico da Copa de 2014, aquela do balão em Gravataí, os comandados de Tite não terão moleza. A Costa Rica foi a grande sensação nos campos brasileiros. Só parou nas quartas de final, ao ser batida nos pênaltis pela Holanda.

    Na primeira rodada, porém, os costarriquenhos não repetiram o feito de quatro anos atrás. Foram derrotados pela Sérvia e, nesta sexta, jogam provavelmente suas últimas fichas na esperança de avançar à segunda fase. 

    A situação do Brasil não é muito diferente. Depois de uma estreia sonolenta, o time de Tite ficou devendo o futebol apresentado na fase de preparação. Com um ponto na tabela, a vitória nesta sexta é fundamental para tranquilizar a caminhada para a classificação da Seleção Brasileira. 

    Diferente da estreia, desta vez, tudo é mistério por parte da CBF. Afastado do treino de terça, Neymar passou a ser dúvida e o último treino, nesta quarta, foi fechado.

    • entrevista: vilmar
      “Ajudar Bolsonaro é um chamado de Deus”
      por Rafael Martinelli
    • personagens
      COM VÍDEO | Magrão Júnior, o Forrest Gump da Aldeia
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • mulheres contra bolsonaro
      #EleNão chega a Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      A certeza de Sartori é a mesma de Marco em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • neste sábado
      Como será Festival Paralímpico em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • habitação
      A ocupação onde a esperança está só no nome
      por Eduardo Torres
    • candidatos locais
      Sou o Stédile e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • candidatos locais
      Sou o Pedro Ruas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • candidatos locais
      Sou o Dimas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.