notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/06/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    com vídeo

    Monitoramento do que acontece nas entradas e saídas de Cachoeirinha é realizado em tempo real no Centro Integrado de Comando e Controle da Prefeitura e na Brigada Militar

    Cidade vigiada com olhos eletrônicos

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 02/11/2018 às 17h19| Atualizada em 12/11/2018 às 12h36

    Sorria, você está sendo filmado!

    A velha frase lá dos tempos em que as câmeras de vigilância começaram a surgir e servir, principalmente as empresas e seus donos, é uma realidade cada vez mais presente e de fundamental importância para melhorar os indicadores da segurança pública em Cachoeirinha.

    A cidade que há quase uma década convive com câmeras de vigilância espalhadas por avenidas e ruelas do centro e da periferia, há 30 dias (que se completam neste domingo, 3 de novembro) anunciou o Cercamento Eletrônico, com vídeo-monitoramento em tempo real em todas as vias de entrada e de saída.

    O prefeito Miki Breier (PSB) não fala. E o secretário de Segurança e Mobilidade, Marco Aguirre Gouvêa, egresso dos quadros da Brigada Militar e ex-servidor graduado na pasta estadual da Segurança, se nega a dizer o número de câmaras empregadas no monitoramento “full time” de quem circula ou passa por Cachoeirnha.

    --- O número de câmeras empregadas é assunto de segurança, não pode ser divulgado quantas são e muito menos onde estão instaladas --- reforça o agente de trânsito e chefe do sistema de vídeo-monitoramento Cristian Magnus.

    Em menos de um  mês em funcionamento, o Cercamento Eletrônico detectou sete veículos em situação de furto ou roubo nas ruas de Cachoeirinha. Destes, cinco foram recuperados em rápidas abordagens da Guarda Municipal, com apoio ou pelos agentes de trânsito e efetivo da Polícia Civil e Brigada Militar.

     

    Integrado

     

    O sistema é avançado e tem se mostrado eficiente. Pode detectar veículos com documentação irregular, por exemplo. A partir do momento em que uma câmera identifica uma placa com algum tipo de problema, um sinal apita no Centro Integrado de Comando e Controle, monde a vigilância é realizada 24 por dia, nos 365 dias do ano.

    O foco da vigilância é, fundamentalmente, carros roubados ou furtados. Mas nada passa aos olhos eletrônicos do sistema. Um carro que percorre um mesmo roteiro por alguns dias seguidos, por exemplo, pode ser identificado pelo pessoal que está de olho nos monitores do Centro de Controle.

    Foi assim, dia desses, que um veículo foi identificado como suspeito e um possível assalto ao Banco do Brasil – uma das agências da cidade – acabou sendo frustrado. Ninguém foi preso. Mas o ataque também não aconteceu. Provavelmente a bandidagem se deu conta que estava sendo monitorada. Ou, pelo menos, desconfiou.

     

    Deu ruim

     

    E foi assim também que, no primeiro dia de funcionamento do projeto Cercamento Eletrônico, um carro que havia sido roubado em Caxias do Sul acabou sendo recuperado cerca de três horas depois na avenida Assis Brasil, em Porto Alegre, por policiais militares de Alvorada e depois de passar por Cachoeirinha.

    --- O sistema identificou o veículo e o Centro de Controle emitiu o sinal. O pessoal da Brigada Militar, que acompanha o monitoramento em tempo real, alertou o policiamento externo e o carro foi abordado e recuperado logo depois de cruzar por Cachoeirinha --- contou o agente Magnus, chefe do Centro de Comando e Controle.

    Outra situação – que não tem a ver com o trânsito – apurada “ao vivo” foi a agressão a uma mulher na frente da Prefeitura, em plena Flores da Cunha. O agressor conseguiu fugir mas, através das várias câmeras espalhadas pela cidade foi possível acompanhar o trajeto e interceptar o homem poucos minutos depois. Claro, ele foi detido e encaminhado às autoridades policiais.

     

    Investimento

     

    O Cercamento Eletrônico implantado e em funcionamento – com sucesso – em Cachoeirinha não chega a ser uma novidade. Outros municípios têm o sistema de vigilância, alguns tão eficiente quanto e outros apenas com nomes pomposos, mas com resultados nem sempre tão significativos.

    O diferencial é o peso do investimento!

    A empresa que já prestava serviços ao município, com os controladores eletrônicos de velocidade, os populares pardais, apenas promoveu um  “up grade” ao instalar as câmeras de monitoramento em tempo real. Sem custos adicionais segundo explicou o secretário Marco Aguirre.

    --- Além disso contamos com o apoio da iniciativa privada, empresas que já dispunham de sistema de vigilância e que passaram a disponibilizar estas imagens em tempo real ao nosso Centro de Controle. Isso ampliou a cobertura que fazemos da cidade e, a cada dia, mais gente tem se manifestado favorável a fazer parte deste sistema que tem se mostrado eficiente e que ainda estamos trabalhando para melhorar bastante --- disse Aguirre.

    Fora isso, o custo que o município tem é de R$ 180 mil mensais, dinheiro que fica com o governo do estado para que o sistema – CICC – tenha acesso em tempo real e imediato ao banco de dados dos órgãos de segurança, especialmente Polícia Civil, Brigada Militar e Departamento Estadual de Transito, o Detran.

    É por causa desta integração que em poucos segundos a partir do escaneamento (leitura digital) de uma placa em situação irregular o alerta soa no Centro Integrado de Comando e Controle. De acordo com o agente Magnus, chefe do sistema, na maioria das vezes o tempo é de “fração de segundo”.

    --- Não demora nem um segundo entre a leitura da placa na rua e o alerta aos nossos operadores. Esta agilidade é que nos torna eficientes porque podemos acionar rapidamente e em tempo real as nossas equipes do trânsito, da Guarda Municipal, e a Brigada Militar que recebe ao mesmo tempo o sinal --- explica Cristian Magnus.

     

    Confira o vídeo com a reportagem do Seguinte:.

     

    Por exemplo

     

    O Supermercado Bonzão, do Bairro Imbuí, instalou câmeras de segurança para vídeo-monitoramento através do projeto Cachoeirinha Digital. A ação é uma parceria da Prefeitura com a iniciativa privada e a sociedade para aprimorar a segurança no município.

    Algumas residências próximas também já fizeram a instalação dos equipamentos. As imagens são enviadas e analisadas em tempo real no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), onde os agentes da Guarda Municipal acompanham a movimentação e podem inibir a criminalidade. 

    De acordo com o secretário de Segurança e Mobilidade, Marco Aguirre, a ideia é que mais moradores e comerciantes se interessem pelo projeto e instalem câmeras em frente as suas casas.

    --- Quanto mais câmeras espalhadas pela cidade mais podemos detectar pessoas cometendo atos ilícitos, identificando o infrator e para onde ele fugiu, aumentando nossas chances de encontrá-lo.

     

    Pioneirismo

     

    O prefeito Miki Breier (PSB) lembra que a cidade é pioneira no estado ao firmar este tipo de parceria com o estado e com a iniciativa privada para garantir a segurança das pessoas.

    --- Sabemos o quanto a segurança é um tema de primeira ordem e estamos investindo muito para que Cachoeirinha se diferencie. Quanto todos estão unidos o resultado é ampliado e o benefício estendido a toda a comunidade – diz o prefeito.

    O vice, Maurício Medeiros, não deixa por menos.

    --- Nossa cidade está muito a frente no combate à criminalidade e na promoção da segurança às pessoas. E isso ainda é só uma parte, ainda vamos fazer muito mais porque isso significa, também, a atração de novos investimentos e, com isso, a ampliação da receita do município --- afirma.

     

    : Agente Cristian Magnus e secretário Marco Aguirre

     

    RECONHECIMENTO FACIAL

     

    Projeto sem prazo estabelecido para o programa Cachoeirinha Digital, de acordo com o vice-prefeito Maurício Medeiros, já trabalha para, além da identificação de veículos em situação irregular, identificar os condutores.

    Com isso será possível apurar, através de um sistema de reconhecimento facial integrado ao banco de dados do governo do estado e em tempo real, pessoas que são procuradas pela Polícia ou pelo Judiciário, entre outras circunstâncias.

     

    MUDANÇA DE LOCAL

     

    O secretário de Segurança e Mobilidade, Marco Aguirre Gouvêa, lembrando que o Centro Integrado de Comando e Controle ocupam espaço cedido e que precisa ser ampliado, anunciou que já existem planos para mudança de local.

    Ele disse que está sendo providenciado o levantamento dos imóveis que pertencem à municipalidade e que podem ser disponibilizados, para ofertar à iniciativa privada em troca de um prédio construído de acordo com as necessidades operacionais da secretaria.

     

    Abaixo, o vídeo institucional da Prefeitura sobre o Cercamento Eletrônico.

     

     

     

     

     

    • opinião
      Dr. Levi no MDB? Carlos Gomes vai na casa de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A ’greve geral’ em Gravataí; a Senzala com complexo de Casa Grande
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      The Viking Brasil quer ser gigante de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Como ler Marco Alba; o card que até agora é ’a’ peça de 2020
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Partido de Dimas parece o de Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Novo ’Km da Morte’ de Gravataí nas mãos de Leite
      por Rafael Martinelli
    • acolhimento
      Um pedido de socorro para ajudar mulheres agredidas
      por Redação
    • opinião
      Bolsonaro não vai mais ajudar Miki
      por Rafael Martinelli
    • em gravataí
      O bailarino que dançou para Michelle Obama
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • loja do bem
      Como doar para Campanha do Agasalho
      por Redação
    • segurança
      Barco de 7 milhões flagrado na Freeway em transporte irregular
      por Redação
    • opinião
      Sindicatão italiano pressiona Pirelli por Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A OAB de Gravataí e a polêmica da ’Lambe Toga’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Bombeiro oficialmente fora da base de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel vai presidir partido dos Bordignons
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O dia em que Régis não foi o vice de Dimas
      por Rafael Martinelli
    • com vídeo
      Quem Marco Alba apoiará para Prefeitura em 2020?
      por Rafael Martinelli
    • com vídeo
      A ’Vaza Jato’ mudou cardápio em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • trânsito urbano
      Nova rótula no Passo das Pedras fica pronta em três meses
      por Redação
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.