notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/01/2022

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Bombeiro Batista, Dilamar Soares e Dimas Costa são vereadores de Gravataí

    Bombeiro, Dilamar e Dimas livres; TSE inocenta vereadores de ‘candidatas laranjas’

    por Rafael Martinelli | Publicada em 21/11/2019 às 13h11| Atualizada em 27/11/2019 às 17h41

    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou por 7 a 0, na manhã desta quinta, a absolvição dos vereadores de Gravataí Bombeiro Batista, Dilamar Soares e Dimas Costa, confirmando decisão monocrática do ministro relator Sérgio Banhos no julgamento do Recurso Especial Eleitoral 483-46.2016.6.21.0173, apresentado pelo Ministério Público, que poderia levar à cassação dos mandatos pela suposta inscrição de ‘candidatas laranja’ no preenchimento da cota feminina da coligação PSD-PRTB nas eleições de 2016.

    Tratei do voto de Banhos, agora seguido por unanimidade pelos ministros, no artigo Como vereadores de Gravataí se livraram da cassação; as laranjas kafkianas. No vídeo que reproduzo ao final do artigo, você assiste ao debate de hoje a partir de 1h27min.

    O ministro-relator manteve a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de 2018, que, por 7 a 0, observando “falta de prova robusta de fraude” reformou a sentença da Justiça Eleitoral de Gravataí que no mesmo ano tinha condenado os três parlamentares a partir de denúncia feita pelo Ministério Público Eleitoral em 2017, como já tratei em  Como foi o julgamento que absolveu Bombeiro, Dilamar e Dimas e nos links relacionados no artigo.

    Com a confirmação da falta de provas, o ministro citou a Súmula 24, do próprio TSE, que não permite a análise de novas evidências nesta fase do processo. Era a tese sustentada pelos advogados Cláudio Ávila, de Dimas; e José Luis Blaszak, de Bombeiros e Dilamar. 

    Como lembro no último artigo, sempre alertei sobre a fragilidade das denúncias.

    ‘Desembargador Martinelli’, brincam amigos e leitores, com ironias para o bem e para o mal, quando faço análise sobre coisas da Justiça – o que convenhamos me parece cada vez mais pertinente, e necessária, em tempos nos quais o povo conhece melhor a escalação do Supremo do que a da ‘selecinha’.

    Gravataí pós-gradua articulistas políticos com favorito de eleição pedindo música no Fantástico em impugnações, golpeachment contra prefeita e prefeito julgado pelo TRF4.

    Mas, em 2 de fevereiro de 2017, no artigo O kafkiano caso da cassação por laranjas, publicado pelo Seguinte:, já alertava para a punição draconiana recomenda à época pela promotora Ana Carolina de Quadros Azambuja, que tinha no currículo do ano anterior o pedido de impugnação de Daniel Bordignon – ação que também perdeu, registre-se, já que o ex-prefeito, com a vitória nas urnas homologada pelo TSE, só não assumiu pela eleição ter sido anulada sete horas depois com a suspensão de seus direitos políticos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

    Quando o processo dos três vereadores subiu para TSE, alertei para o imponderável, mas não deixei de opinar sobre as semelhanças com O Processo, de Kafka. Bombeiro, Dilamar e Dimas representam o Josef K., perguntando “inocente de quê?”. E, ouvindo os advogados e outros juristas, lembrei da tal Súmula 24, e de outros julgamentos análogos ao dos gravataienses, escrevi em Decisão do TSE em 2018 indica absolvição de vereadores de Gravataí; é ’O Processo’, de Kafka:

    – Se a ministra Rosa Weber não mudar o voto, como fez em 2018 no julgamento de habeas corpus para Luiz Inácio Lula da Silva no Superior Tribunal Federal (STF) sobre a prisão de segunda instância, os três vereadores de Gravataí ameaçados de cassação já podem suspender o rivotril, que recomendei em Decisão do TSE sobre ’candidaturas laranjas’ ameaça 3 vereadores de Gravataí com cassação; é O Processo, de Kafka, artigo que detalha o caso no texto e em links relacionados.

    O ministro Sérgio Banhos cita em seus votos a mesma jurisprudência.

    O que dificulta um novo recurso do Ministério Público à absolvição.

    Nunca o fiz por torcida ou secação. São os fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos. Como não sou jornalista caça-cliques, que explora o mau humor do eleitor, não permito aos políticos apenas a presunção de culpa, aquela que parece valer apenas quando a laranja podre é do vizinho.

    Sobre a fraude, o ministro-relator indica na sentença:

    – Não passa de presunção.

    Mais trechos:

    – Com efeito, não há, nos autos, nenhuma prova contundente de que a candidatura de (...) foi forjada para enganar a justiça eleitoral (...) Assim, inviável a conclusão de que a sua candidatura foi "fictícia", visando burlar a lei.

    – Desse modo, a conclusão em sentido diverso do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul implicaria nova incursão no contexto fático-probatório, encontrando óbice no verbete sumular 24 do Tribunal Superior Eleitoral.

    Sobre outra suposta ‘laranja’, que também pediu música no Fantástico, mas em número de mudanças no depoimento, o ministro vota:

    – A situação posta leva à dúvida sobre qual dos depoimentos merece crédito. A única certeza que sobressai, da instrução processual, é que (...) mentiu, não havendo, no meu sentir, convicção sobre qual dos momentos teria ocorrido a falsidade. Ainda que a ratificação do segundo depoimento tenha ocorrido em juízo, sob o crivo do contraditório, não se pode esquecer que, sendo ouvida como parte - e não como testemunha - não foi advertida pela magistrada de que mentir em juízo é crime.

    Ao estilo Gilmar Mendes, conclui a decisão:

    – A meu ver, essa mudança de versão no mínimo fragiliza a credibilidade da depoente, gera dúvida e, é cediço, uma ação desta magnitude, com tão graves consequências, não pode ser decidida com base em única e duvidosa prova.

    Mas, no trecho do voto que considero o mais contemporâneo em tempos de ‘Vaza Jato’ e polêmica sobre o projeto contra o abuso de autoridade, o ministro observa:

    – Em última análise, tem-se, de um lado, a vontade de quase seis mil cidadãos gravataienses que se dirigiram às urnas e exerceram a soberania popular por meio do voto, como determina a Constituição Federal; de outro, uma prova controvertida, fragilizada pela mudança de rumo.

    O pilar da denúncia é uma delação. Sem provas incontroversas.

    Ao fim, por mais que correntes do Direito Criativo sustentem a necessidade de ouvir a vontade das ruas, e seu arendtiano punitivismo, o que considero um perigo, seja o lado da ferradura que estiver no poder ou como gerente da metafísica do momento, a pesquisa mais sagrada do que o Ibope é a das urnas.

    Nisso, concordou até o Robespierre do Supremo, ministro Luís Roberto Barroso, no julgamento desta manhã, mesmo que tenha usado de sua peculiar ‘criatividade’ para acrescentar um ‘É Verdade Esse Bilhete’ à Constituição, ao entender que, diferente do que diz a Súmula 24, do próprio TSE, poderiam ser “requalificadas” provas, mesmo que não “produzidas” nesta fase do processo,

    – Aqui não se produz provas, mas poderia requalificá-las, dar sentido diferente à prova já produzida. Porém, não me convenci de que é sólida a prova de corrupção da norma. Como decidiu o TRE por unanimidade, há fragilidade na prova, que poderia levar à grave conseqüência da perda de mandatos.

    Ao fim, superando de goleada a histórica ‘linha dura’ do judiciário de Gravataí com alguns políticos, a partir deste 21 de novembro de 2019 Bombeiro, Dilamar e Dimas, ao serem questionados por eleitores se culpados ou inocentes, podem repetir Josef K., de O Processo, de Kafka, e perguntar "inocente de quê?".

     

    Siga o debate a partir de 1h27min

     

    • meio ambiente
      Dois anos de espera: Comitê da Bacia cobra 8,5 milhões em projetos contra seca no Rio Gravataí
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      Os números da explosão da covid em Gravataí revelam uma boa notícia; A salvação em 0,5 mL
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Advogado de Miki explica vídeo onde vereador o flagra com covid e sem máscara na rua; É Cachoeirinha 40 Graus e subindo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Morre ex-prefeito de Cachoeirinha Alécio Goulart; De vendedor de pastéis a idealizador do Distrito Industrial
      por Rafael Martinelli
    • política
      Cachoeirinha 40 Graus: Advogado flagra reunião e denuncia conspiração: ’Querem cassar Miki e Maurício’; O que faziam juntos vereador-juiz da cassação e candidato derrotado à Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • política
      Miki tem contas invadidas; O que fizeram os hackers em nome do prefeito afastado de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • política
      Quem vai comandar novo partido de Bolsonaro em Gravataí; ’Polarização será com Lula, Moro não é adversário’
      por Rafael Martinelli
    • bem-estar animal
      Guarda municipal de Gravataí investigado por matar cão com tiro; Dossiê na Corregedoria, Polícia e MP tem vídeos, áudios e prints
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ex-candidato a prefeito de Gravataí deixa partido de Bolsonaro; quem ele apoia em 2022
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde
      por Rafael Martinelli
    • política
      Deputada de Gravataí Patrícia Alba alerta Leite sobre colapso nos hospitais da região metropolitana; Sem bairrismo burro, mas o doce sabor da oposição
      por Rafael Martinelli
    • política
      Começa cassação do prefeito de Cachoeirinha: ’Sérgio Moro de Miki’ é do PT; os Grandes Lances dos Piores Momentos e o que pode anular o processo
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Zaffa e Patrícia Alba tiveram contato com governador em exercício que está com covid
      por Rafael Martinelli
    • política
      Legado de Sônia: Alan vai coordenar campanha de Patrícia e Marco Alba; A ’jóia’ não vai para o secretariado de Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas
      por Rafael Martinelli e Roberto Gomes de Gomes | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Após quase uma década, obras no Tuiuti começam semana que vem em Gravataí; O parabéns e a herança do ’chato’
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Morre João Alberto Lessa, um dos maiores artistas da história de Gravataí; do chafariz da praça aos vitrais da matriz e a Zum Zum
      por Rafael Martinelli
    • política
      Deu no JN a seca no Gravataí; ’Nunca vi o Rio assim. Em 2 semanas teremos racionamento’, diz Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Ômicron chegou em Gravataí: Infecções por covid triplicam e procura por UPAs explode; Prefeitura amplia testagem
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Dona do Shopping do Vale, de Cachoeirinha, tem continuidade da operação incerta
      por Redação
    • coronavírus
      A covid voltou: Gravataí, Cachoeirinha e RS estão sob Aviso; Soube do vizinho?
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Morre em Gravataí aos 83 anos Seu Irno, o ’Senador da Morada do Vale’, pai de Anabel Lorenzi
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vídeo mostra socorro a criança baleada em operação que feriu vereador de Gravataí em favela do Rio dominada por milícia
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Zaffa, imite prefeito de NY e obrigue a vacina em Gravataí; A ditadura da vida
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • política
      É preocupante o conceito de corrupção de José Rosa, presidente do Sindilojas de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    coronavírus
    Os números da explosão da covid em Gravataí revelam uma boa notícia; A salvação em 0,5 mL
    política
    Advogado de Miki explica vídeo onde vereador o flagra com covid e sem máscara na rua; É Cachoeirinha 40 Graus e subindo
    política
    Morre ex-prefeito de Cachoeirinha Alécio Goulart; De vendedor de pastéis a idealizador do Distrito Industrial
    política
    Cachoeirinha 40 Graus: Advogado flagra reunião e denuncia conspiração: ’Querem cassar Miki e Maurício’; O que faziam juntos vereador-juiz da cassação e candidato derrotado à Prefeitura
    política
    Miki tem contas invadidas; O que fizeram os hackers em nome do prefeito afastado de Cachoeirinha
    política
    Quem vai comandar novo partido de Bolsonaro em Gravataí; ’Polarização será com Lula, Moro não é adversário’
    bem-estar animal
    Guarda municipal de Gravataí investigado por matar cão com tiro; Dossiê na Corregedoria, Polícia e MP tem vídeos, áudios e prints
    política
    Ex-candidato a prefeito de Gravataí deixa partido de Bolsonaro; quem ele apoia em 2022
    coronavírus
    Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde
    política
    Deputada de Gravataí Patrícia Alba alerta Leite sobre colapso nos hospitais da região metropolitana; Sem bairrismo burro, mas o doce sabor da oposição
    política
    Começa cassação do prefeito de Cachoeirinha: ’Sérgio Moro de Miki’ é do PT; os Grandes Lances dos Piores Momentos e o que pode anular o processo
    coronavírus
    Zaffa e Patrícia Alba tiveram contato com governador em exercício que está com covid
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.