notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/05/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    As fotos da Agência Reuters mostram sacos de corpos retirados de hospital de Nova Iorque

    Gravataí compra sacos para corpos; gripezinha, vodca e a impronunciável COVID 19

    por Rafael Martinelli | Publicada em 23/04/2020 às 16h50| Atualizada em 02/05/2020 às 16h44

    A informação é uma arma na guerra contra o novo coronavírus. Por mais que leitores tenham ficado incomodados com Cemitérios de Gravataí preparados para mortes por COVID 19; o alerta de Manaus – algo que previ no próprio artigo, por já ter acontecido quando antecipei sepultamentos sem velório em Vítimas da COVID 19 devem ser cremadas em Gravataí; caixão fechado – infelizmente, são os fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos; e no caso da pandemia, mais fortes do que desejo, torcida, simpatia ou reza.

    A cobra silenciosa da COVID-19 é uma realidade.

    Dos mais de R$ 1,3 milhão em ordens de compras que a Prefeitura de Gravataí lançou neste mês de abril no Portal Transparência, R$ 3.396 foram para a aquisição de “sacos de óbito impermeável”.

    Cada custa R$ 16,98. O orçamento permite a compra de 200 sacos.

    Para efeitos de comparação, a Federal Emergency Management Agency, a agência gerenciadora de crises norte-americana comprou 100 mil dia 2 de abril.

    Nas ordens de compra estão desde EPIs, aqueles equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde, como máscaras, aventais, luvas e uniformes, até seringas, álcool etílico, tubos de oxigênio, mangueiras para respirador e medicamentos.

    Entre os remédios não está a cloroquina.

    Ao fim, a comunicação é minha trincheira, 24h, 7 dias por semana desde nossa inclusão na pandemia, em março. Não me agrada em nada dar esse tipo de notícia – só psicopatas curtem a guerra. Mas é papel do jornalismo dar nome às coisas.

    Gravataí está em calamidade pública por seis meses. São 16 casos confirmados e 11 aguardando resultado entre apenas 168 testes feitos.

    Ontem, em É moralmente homicida pressão pela volta da ’vida normal’; o que fará Gravataí?, apliquei em Gravataí estudo percentual de 1,43% confirmações entre 3.196 testes feitos no Distrito Federal entre a segunda e a terça. O potencial seria de 4 mil infectados entre os 281 mil habitantes. Abaixo da média nacional de 6,3 casos a cada 100 mil habitantes, mas um número preocupante, já que o isolamento social que experimentamos chega, no máximo, a metade da população, fazendo uma média entre a estimativa do governo do RS e dados do Google.

    Para se ter ideia da importância da informação, um estudo publicado em 11 de março pela Universidade de Southampton, no Reino Unido, se a China tivesse confirmado a epidemia uma semana antes, a queda na infecção e morte no mundo seria de 66%; duas semanas 86% e, três semanas antes, 95%.

    Significa que se o governo chinês tivesse agido de forma transparente, sem silenciar pesquisadores e jornalistas, com sumiços, prisões e bloqueio de palavras nas redes sociais, o vírus SARS-CoV-2 poderia ter ficado restrito ao epicentro em Wuhan.

    Nota da entidade francesa Repórteres sem Fronteiras denunciou em 25 de março que “sem o controle e censura impostos pelas autoridades, a mídia chinesa teria informado muito antes a população sobre a gravidade da epidemia, salvando milhares de vida e possivelmente evitando a atual pandemia”.

    No Brasil de hoje, em que manifestações pedem “intervenção militar para garantir a liberdade”, como tratei em Patéticos e perigosos na porta do quartel; o presidente do meu país é um criminoso, não surpreende o negacionismo vir de parcelas do povo – é só observar os ataques à imprensa profissional no Grande Tribunal das Redes Sociais. "Matamos o mensageiro, eliminamos o vírus!” é uma fake news.

    Jair Bolsonaro tem culpa, não só sobre a ascendência típica de um ‘Jim Jones, com mamadeiras de piroca nas mãos, fazendo arminha’, mas principalmente pela força que tem as palavras de um presidente em rede nacional e todos os dias na mídia.

    Discursos perigosamente direcionados a captar e aumentar o contágio do ódio entre pessoas com medo, sem dinheiro, com fome. Ao chamar a maior peste da humanidade na história moderna de “gripezinha”, nosso presidente, apesar de eleito democraticamente, apequena-se ainda mais ao associar-se somente a ditadores.

    Tão ‘napoleão de hospício’ é quanto Alexander Lukashenko, autocrata de Belarus, que em entrevista ao The Times sugeriu que a população “envenene” o vírus com vodca e lave as mãos com a bebida.

    – Cada um deve tomar 40 ou 50 mililitros por dia – receitou, com uma ressalva: “não no trabalho”.

    Candidato a ‘mito’ dos negacionistas é Gurbanguly Berdymukhamedov. O ditador do Turcomenistão determinou o banimento da palavra ‘coronavírus’ em publicações oficiais, na imprensa e em conversas informais. A polícia pode prender qualquer pessoa que usar a palavra em local público – mesmo que seja para pedir socorro.

    Ao fim, mesmo que tantos acreditem que tudo ‘volta ao normal’ a partir do dia 1º de maio, com a anunciada retomada de atividades econômicas em Gravataí, Cachoeirinha e região metropolitana, seguirei na trincheira da comunicação. Como já disse em Parem Gravataí que eu quero descer!; declaro-me Inimigo do Povo, amigo da vida, torço para estar errado e ser o alarmista, o ‘Louco da Aldeia’. Infelizmente, até o momento, não é o que o mundo prova. Fato é que estamos no fim do início da pandemia no Rio Grande do Sul.

    Preparemo-nos para um longo inverno.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí prorroga data de impostos; live confirma novo caso da COVID 19 e máscara obrigatória

    Como Gravataí e Cachoeirinha vão sair do distanciamento social; conheça os estudos

    A vida em Gravataí não volta ao ’normal’ dia 1º de maio

    EXCLUSIVO | Pesquisa mostra que Gravataí aprova o ’fecha tudo’ de Marco Alba

    COVID 19 rejuvenesce em Gravataí; siga perfil dos casos

    Os milhares de Gravataí que estão no grupo de risco da COVID 19; teste se você escapa.

    Gravataí, Cachoeirinha e Viamão tem mais casos de COVID 19 que UTIs; o 11 de setembro

    O medo não usa máscara no hospital de Gravataí

    Clique aqui para ler a cobertura do Seguinte: para a crise do coronavírus

    • política
      Pós-Bordignon: PDT nega ’defesa’ do governo Zaffa; Partido é decisivo em nova ’pauta-bomba’ de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Com Supremo & tudo, Gravataí segue vacinação de professores sexta; A politicagem, o justo, Deus e a ciência
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Em 24h, Gravataí e Cachoeirinha garantem vacinas para professores; Justiça autoriza
      por Rafael Martinelli
    • política
      Bordignon fala: PT, Lula, Dimas, Ávila e a ’incompatível história’ com Marco Alba e Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • pedágio
      Após 400 milhões de dinheiro público, ERS-118 será concedida para pedágio; 040 e 020 também
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Cachoeirinha começa a vacinar professores quinta, Gravataí decide amanhã; Justiça autoriza
      por Rafael Martinelli
    • política
      Prev(s)idência: Anabel, Dila e PDT entram pela porta de Zaffa, os Bordignons saem por outra; Agora tudo é GreNal na política de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Por que Hospital de Campanha de Cachoeirinha fechou e o de Gravataí não; Zaffa acerta como Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Segunda de volta às aulas do 3º, 4º, 5º ano em Gravataí: prefeito e professores divergem; Entre ’aos poucos a normalidade’ e ’o Centro estava um horror’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool saiu do grupo; Vereador de Gravataí desligou-se de WhatsApp da base de Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Sai a ciência, entra a política: Leite passa pincel de colorir mapinha para prefeitos de Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • contas públicas
      Acerta Zaffa com a reforma da previdência de Gravataí; Uma ’pauta-bomba’ para muitos desarmarem
      por Rafael Martinelli
    • emprego
      Prefeitura de Cachoeirinha vai abrir concurso para 38 cargos
      por Redação | Assessoria
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.