notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 28/07/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa

    por Rafael Martinelli | Publicada em 21/04/2021 às 16h23| Atualizada em 26/04/2021 às 21h54

    Talvez pelo sincericídio característico do prefeito Luiz Zaffalon (MDB), chegou sem atropelamentos na Câmara de Gravataí a ‘pauta-bomba’ do subsídio para manter congelada a passagem do transporte coletivo municipal e cobrir o prejuízo da concessionária durante a pandemia, o que tratei nos artigos Socorro da Prefeitura para Sogil chega a 5 milhões em Gravataí; ’Pauta-bomba’ está na Câmara, Zaffa confirma congelamento de passagens em Gravataí e A pauta-bomba: Gravataí congela em 4,80 tarifa que custaria 7,22: ’É socorro ao transporte público, não à Sogil’.

    É um ‘acidente político’, como alertei, por ser uma pauta impopular, mas o debate entre os vereadores teve o nível, e o tamanho adequado, na primeira sessão em que o PL 26/2021 chegou à pauta, com requerimentos e emendas da oposição.

    CLIQUE AQUI para assistir na íntegra a sessão desta quinta e tire suas próprias conclusões.

    CLIQUE AQUI para conhecer os pedidos de informação e as emendas apresentadas.

    Analiso.

    O ‘sincericídio’ é característica de Zaffa – um outsider da política, eleito na primeira eleição em que concorreu. O prefeito, desde que revelei a chegada do projeto ao legislativo, não usou de artimanhas para transformar uma pauta intragável, porém inevitável, em algo bom.

    É ‘pauta-bomba’, mas é necessária e ponto. Falou a verdade. Não é uma invenção de Gravataí, sacanagem. De Nova Iorque a Porto Alegre, passando por Cachoeirinha e Canoas, os governos enfrentam o desafio de incluir no orçamento o transporte público, que experimenta prejuízos principalmente na razia da chegada do Uber e outros aplicativos.

    São Paulo aporta R$ 4 bilhões por ano. O subsídio de Porto Alegre chega a R$ 100 milhões. Cachoeirinha aprovou um fundo para o transporte de R$ 300 mil mensais.

    – É malicioso dizer que o repasse é para a Sogil. É para o sistema de transporte público, que faliu em todo o Brasil e só funciona se governos injetarem dinheiro – resume Zaffa.

    – Quem paga é o passageiro e o número de pessoas que andam de ônibus caiu na pandemia. A tarifa está congelada desde o ano passado. Não teria como manter isso eternamente. Fechamos o acordo no Tribunal de Justiça – acrescenta, sobre a mediação do Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos (CEJUSC) que chegou aos R$ 5 milhões: R$ 3.888.255,45 para cobrir prejuízos de 2020 e R$ 1.152.000,00 como adiantamento para manter a passagem congelada em 2021.

    O prefeito lembrou que o Congresso Nacional aprovou R$ 8 bilhões de socorro para cidades com mais de 200 mil habitantes, dos quais Gravataí receberia R$ 8 milhões, mas o presidente Jair Bolsonaro vetou:

    – A responsabilidade do município manter o transporte é prevista em lei federal. Fosse a Sogil ou outra concessionária teríamos que subsidiar, da mesma forma que repassamos recursos para o SUS, para a Educação e uma série de coisas.

    O vídeo com a defesa de Zaffa, postado no Facebook da Prefeitura, foi usado pela oposição na sessão para pressionar os vereadores da base governista, alegando que o Executivo repassava a responsabilidade para o Legislativo.

    – Só repassaremos (os R$ 5 milhões) se Câmara aprovar, se os vereadores aprovarem. A partir daí vamos subsidiar o transporte público de Gravataí – disse, no vídeo que reproduzo ao fim do artigo.

    Zaffa não mentiu.

    Agora é a Câmara quem decide.

    Mas não por estratégia de preservação do governo, que ao menos no Grande Tribunal das Redes Sociais não tem como não sair atropelado pela ‘pauta-bomba’, aprovando ou não o subsídio.

    O prefeito já fechou o acordo judicial. Assumiu sua responsabilidade. Os vereadores agora tem a palavra – e o voto. E, reputo, também a responsabilidade de, se não concordarem com o subsídio, apresentar uma alternativa.

    Não há como o parlamento da quarta economia gaúcha reduzir-se ao simplismo da sugestão de Nadir Rocha (MDB), por exemplo. Para o vereador decano, com cinco mandatos e por duas vezes prefeito interino, a Sogil “tem que suar também”, ou seja, dar sua cota de prejuízo da mesma forma       que a maioria dos empreendedores que perderam o fôlego no caixa durante a pandemia.

    Há um contrato de concessão que prever o equilíbrio entre os custos e o valor da tarifa que, bom ou ruim, não pode ser rasgado; e segue o que foi acertado desde Daniel Bordignon e Sérgio Stasinski, perpassou o governo Rita Sanco e teve a prorrogação por 10 anos assinada por Marco Alba em 2015.

    A alternativa do vereador estreante Cláudio Ávila (PSD), autor de todas as emendas e principal crítico  ao subsídio ao lado do colega de bancada Bombeiro Batista, também me parece errada. O advogado sugeriu que a Prefeitura, que no termo de ajuste judicial já reconheceu a dívida, deveria esperar a Sogil cobrar na Justiça o prejuízo, já que a contenda poderia demorar uma década e virar precatório.

    Considero armar a bomba para outro governo, outra geração pagar. Além do risco de, além de ir à Justiça buscar indenização, a concessionária reivindicar a execução do contrato que reajustaria a passagem para R$ 7,22 – conforme as contas apresentadas no termo de ajuste feito judicialmente em março de 2021.

    Ao fim, o debate ter começado bem não significa que assim prosseguirá. ‘Pautas-bomba’ são gêmeas da demagogia e do caça-cliques – e, nos piores lugares, da chantagem.

    Aguardemos.

    Só espero que seja apresentada alguma alternativa pelos vereadores contrários ao subsídio.

    Sincericídio meu: não vejo saída.

    Com ou sem emendas – e garantias – algo precisa ser feito.

    Exclua-se o preconceito com a Sogil e imagine que o transporte público fosse municipalizado, como a Carris. A Prefeitura teria que aportar dinheiro, já que ônibus à disposição é uma garantia constitucional dos brasileiros.

    Obvio é, porém, que ninguém autoriza R$ 5 milhões para uma concessionária por gosto, ou rindo, quando tem gente com fome.

    Certeza apenas que a favor ou contra ninguém merece aplausos.

     

    Assista ao vídeo de Zaffa

     

     

    LEIA TAMBÉM

    Se a CPI da Pandemia investigar Gravataí, o que acha?

    Mais de 600 vidas perdidas em Gravataí: pandemia segue letal em em abril; O detector de mentiras do Bial

    Nunca tantos gravataienses morreram: março teve mais óbitos do que nascimentos; A virulência da COVID-19

    Lockdown deu certo: Araraquara tem 2 dias sem mortes, Gravataí tem 5 a cada 24 horas; O efeito Páscoa e a UTI só em hospital militar

    A polêmica da volta às aulas: Gravataí e Cachoeirinha odeiam professores?; Para alguns nas redes sociais parece

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

    • política
      Miki escapa do golpeachment e projeta 80 milhões em obras; ’Faço auto-crítica, mas é preciso pensar em Cachoeirinha, não em eleição’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Plano de 4,4 bi para ’Gravataí metrópole’ é aprovado; Oposição é ’fiscal da fome’
      por Rafael Martinelli
    • solidariedade
      Gravataí e Cachoeirinha se preparam para acolher no ’frio do século’; saiba como ajudar
      por Redação | Assessoria
    • política
      PPA de 4,4 bi: Gravataí será ’ilha de investimentos’ nos próximos 4 anos; votação é hoje
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereador mais votado de Gravataí foi machista; Apaga que dá tempo!
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ranking para Zaffa e Marco Alba comemorar em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um candidato a Presidência da República não consegue consertar uma escola em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      A Câmara de Gravataí anda muito mi-mi-mi; Ulysses se remexe no fundo do mar
      por Rafael Martinelli
    • justiça
      A partir de optometrista de Gravataí legalidade de atuação é reconhecida pelo TJ
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      ’Festa da Covid’: Estado adia liberação gradual de eventos até 20 mil pessoas em Gravataí, Cachoeirinha e Grande Porto Alegre
      por Rafael Martinelli
    • política
      Justiça nega cassação de eleição de Miki; O ’Efeito Orloff’ das fake news que estão matando Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.