notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 28/07/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Foto ARQUIVO PGM

    Apareceu o primeiro Frankenstein para ’salvar’ Gravataí do subsídio milionário ao transporte público; É do PT!

    por Rafael Martinelli | Publicada em 22/04/2021 às 18h02| Atualizada em 03/05/2021 às 19h56

    No feriado de ontem, em Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa, provoquei os vereadores contrários ao subsídio, que repara perdas da pandemia, a apresentar alternativas. Uma ‘saída’ veio de um partido sem bancada na Câmara, mas que experimenta o doce sabor de ser oposição municipal, estadual e federal: o PT.

    Alex Borba me enviou nota da executiva do partido em Gravataí.

    Para quem não lembra, foi o secretário da Fazenda de Rita Sanco e, no mundo machista da política, "o único cara que a prefeita ouvia", uma meia verdade, que sempre tem uma parte mais perto da mentira: Alex era, na verdade, quem manifestava exatamente o que a professora pensava, preservando-a.

    Siga a nota e, abaixo, analiso.

     

    “...

    O Projeto de Lei que Zaffalon enviou à Câmara de Vereadores, propondo repassar mais de 5 milhões à Sogil, para custear prejuízos que a empresa alega ter tido até fevereiro de 2021, devido à pandemia, exige uma leitura séria.

    Se não é razoável a Prefeitura pagar para proteger os lucros da Sogil, mais preocupante ainda são as contradições e a impressão de que algo mais pode vir por aí. É importante deixar claro que fala-se aqui apenas das linhas municipais, dos ônibus brancos.

    E se o alegado prejuízo continuar depois de fevereiro? Tudo indica que podem ser propostos novos repasses, fazendo com que a empresa privada siga tendo seus resultados bancados pelo orçamento público, o mesmo orçamento que não tem olhos para os mais pobres.

    Segundo o diretor geral da Sogil, não existe compromisso com a proteção aos empregos. Mas ele é taxativo em afirmar que a queda de passageiros é tal "que não tem gestão que resolva." Ou seja, a empresa confessa sua incapacidade de enfrentar os aplicativos e a redução de usuários. E segue precarizando as linhas brancas, empurrando as pessoas para as outras linhas, dos atulhados "ponte".

    Assim, não é absurdo achar que eles podem propor o fim das linhas brancas ou reduzirem ainda mais linhas e horários.

    LUCROS PRIVATIZADOS, PREJUÍZOS SOCIALIZADOS: O CAPITALISMO SEM RISCO.

    Quando a empresa tem lucro, vai pro bolso dos donos, para suas mansões e viagens para Miami. Quando alega prejuízos, quem paga é o povo, ou na passagem ou direto do orçamento da Prefeitura. Mas isso tem solução.

    Se é para a Prefeitura colocar dinheiro público na empresa quando ela alega prejuízos e incapacidade de gestão, que seja *MUNICIPALIZADA*. A empresa privada que acha que "não tem gestão que resolva" é um buraco sem fundo.

    A Prefeitura deve ter coragem e encerrar a concessão, assumindo os serviços. Poderíamos ter algo importante: duas empresas na cidade, uma pública e uma privada. Embora as linhas não sejam idênticas, há muita superposição de trajetos, podendo haver competição, o que os capitalistas e liberais adoram tanto.

    Uma empresa pública, gerida com transparência e fiscalizada por um conselho de moradores, poderia apresentar linhas, horários e itinerários mais adequados ao que o povo precisa. E com passagem justa.

    ...”.

     

    Sigo eu.

    A nota do PT, como referi acima, carrega no doce sabor de ser oposição. Mas dá uma alternativa – o que, afinal, cobrei e, portanto, sinto-me na obrigação de abrir espaço para a sugestão.

    É anacrônica, dirão alguns, e eu, também, além de completamente às avessas do que pensa o grupo de Marco Alba (MDB) que está no governo desde 2012 e apoia, por exemplo, a privatização da Corsan, para ilustrar com uma polêmica atual e que envolve uma estatal gaúcha.

    Fato é que não dá para esquecer de lembrar que o PT, com Daniel Bordignon, começou a elaboração do atual contrato com a Sogil, corroborado depois por Sérgio Stasinski e, justiça seja feita, cobrado, mas nunca questionado judicialmente por Rita Sanco.

    Mas está aí a ideia do PT, Dom Quixote Contra Os Moinhos De Vento: municipalizar os ônibus brancos. Na nota do partido não há nenhuma linha sobre de onde sairia a indenização para a Sogil pelo rompimento de contrato, em 2015, e com autorização judicial, prorrogado por 10 anos por Marco Alba. Nem de onde sairiam os ônibus para prestar o serviço. Seriam funcionários públicos os motoristas, cobradores e etc.?

    Ao fim, infactível, pueril até, ao menos neste momento em que há um contato de concessão em vigor. É tão simplista quanto a ideia de Nadir Rocha (MDB), vereador decano e prefeito interino por duas vezes, de deixar como está para ver como fica – mesmo que a passagem possa custar R$ 7,22 se o projeto não for aprovado.

    Ideologicamente, nota 10 para o PT. Na ‘ideologia da realidade’, zero.

    O lado canhoto da ferradura ideológica só confirma o que observei ontem em Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa: "Exclua-se o preconceito com a Sogil e imagine que o transporte público fosse municipalizado, como a Carris. A Prefeitura teria que aportar dinheiro, já que ônibus à disposição é uma garantia constitucional dos brasileiros".

    Esses R$ 5 milhões, hoje, não iriam para a Sogil, mas para a 'Empresa Pública de Transporte Coletivo de Gravataí'. 

    Seguirei tratando o assunto.

    Tem uma série de emendas de vereadores que transformam o projeto do governo Luiz Zaffalon um Frankenstein. Se, ao fim, for um Frankenstein de Mary Shelley, tá bom. Era uma besta do bem.

     

    LEIA TAMBÉM

    Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa

    Se a CPI da Pandemia investigar Gravataí, o que acha?

    Mais de 600 vidas perdidas em Gravataí: pandemia segue letal em em abril; O detector de mentiras do Bial

    Nunca tantos gravataienses morreram: março teve mais óbitos do que nascimentos; A virulência da COVID-19

    Lockdown deu certo: Araraquara tem 2 dias sem mortes, Gravataí tem 5 a cada 24 horas; O efeito Páscoa e a UTI só em hospital militar

    A polêmica da volta às aulas: Gravataí e Cachoeirinha odeiam professores?; Para alguns nas redes sociais parece

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

    • política
      Miki escapa do golpeachment e projeta 80 milhões em obras; ’Faço auto-crítica, mas é preciso pensar em Cachoeirinha, não em eleição’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Plano de 4,4 bi para ’Gravataí metrópole’ é aprovado; Oposição é ’fiscal da fome’
      por Rafael Martinelli
    • solidariedade
      Gravataí e Cachoeirinha se preparam para acolher no ’frio do século’; saiba como ajudar
      por Redação | Assessoria
    • política
      PPA de 4,4 bi: Gravataí será ’ilha de investimentos’ nos próximos 4 anos; votação é hoje
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereador mais votado de Gravataí foi machista; Apaga que dá tempo!
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ranking para Zaffa e Marco Alba comemorar em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um candidato a Presidência da República não consegue consertar uma escola em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      A Câmara de Gravataí anda muito mi-mi-mi; Ulysses se remexe no fundo do mar
      por Rafael Martinelli
    • justiça
      A partir de optometrista de Gravataí legalidade de atuação é reconhecida pelo TJ
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      ’Festa da Covid’: Estado adia liberação gradual de eventos até 20 mil pessoas em Gravataí, Cachoeirinha e Grande Porto Alegre
      por Rafael Martinelli
    • política
      Justiça nega cassação de eleição de Miki; O ’Efeito Orloff’ das fake news que estão matando Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.