notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 27/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Audiência pública na Câmara de Vereadores de Gravataí durou mais de 4 horas na tarde desta segunda

    A ‘pauta bomba’ de Gravataí: vereadores entre 5 milhões para transporte público ou tarifa de 6,30; Como foi audiência pública com Prefeitura e Sogil

    por Rafael Martinelli | Publicada em 26/04/2021 às 21h49| Atualizada em 12/05/2021 às 10h43

    Impopular e inevitável. ‘A pauta-bomba de Gravataí’. As 4h30 da audiência pública promovida nesta segunda pela Câmara, com Prefeitura e Sogil, confirmaram o acidente político que é para governo e vereadores a votação do PL 26/2021, que autoriza subsídio de R$ 5 milhões para o transporte coletivo para indenizar perdas da pandemia e manter as passagens das linhas municipais congeladas em R$ 4,80. CLIQUE AQUI para ler a íntegra do projeto e a justificativa. 

    – Pode ser uma manifestação simplória, mas o sentimento da população é de total rejeição nas redes sociais, já que todos estão em sofrimento com a pandemia – resumiu bem José Rosa, presidente do Sindilojas e um dos convidados a participar da videoconferência.

    Só que, mesmo que as redes sejam um termômetro, e tenham influência sobre os políticos, há um prefeito e vereadores eleitos para governar e legislar. A responsabilidade está com eles. Luiz Zaffalon (MDB) enviou o projeto, que já tem 20 emendas, e os 21 parlamentares tem mais 30 dias para votar, como tratei em artigos como Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa.

    O dilema coloca-os frente à uma ‘Escolha de Sofia’: ou o subsídio milionário para manter a operação do transporte público como está, com tarifa nos mesmos R$ 4,80 de 2020, ou decretar um aumento de passagem para R$ 6,80.

    Para além da escolha entre Jan e Eva, só restará o Judiciário, a quem o vereador Cláudio Ávila (PSD) vai recorrer com base em erros que listou em parecer contrário que apresentou à Comissão de Finanças e Orçamento e você lê CLIQUE AQUI.

    É o mesmo caminho que seguirá a concessionária caso o PL não seja aprovado, como ficou evidente na manifestação do diretor-geral da Sogil, Fabiano Rocha Izabel, que lembrou a previsão desde a licitação de que o poder concedente, ou seja, a Prefeitura, mantenha o equilíbrio financeiro do contrato – seja com subsídio, reajuste de tarifa ou mágica.

    Na bateria de perguntas, a bancada do PSD, partido de Dimas Costa, segundo colocado na eleição de 2020, foi a mais contundente.

    – Não estou interessado na Europa e sim em Gravataí – Ávila interrompeu o diretor da Sogil, que falava sobre subsídios de até 74% ao transporte coletivo em países do primeiro mundo.

    – É um acordo vergonhoso, no qual só ganha a Sogil, que faturou bilhões nos 67 anos que está em Gravataí – atacou, reclamando que preciso fazer o parecer sem ter em mãos o contrato, indisponível no Portal Transparência.

    – Já é a passagem mais cara da Região Metropolitana. Vamos dar R$ 5 milhões para a Sogil? Se o problema vem desde 2020, não quiseram tratar no ano eleitoral? – cobrou Bombeiro Batista.

    – O secretário (Adão Castro, de Mobilidade Urbana) trabalha pelos interesses da Sogil, ou pelo interesse público? As falas se confundem e usam até os mesmos slides na apresentação – instigou Anna Beatriz da Silva.

    Do lado do governo, respostas vieram.

    – Só vejo críticas e não alternativas – resumiu Alex Peixe (PTB).

    – Em Gravataí tudo é GreNal. Pela Lei da Mobilidade podemos e devemos subsidiar o transporte público, como se faz com o SUS, um direito do cidadão. É simplório falar que estamos dando dinheiro para Sogil. Temos que avançar para mais subsídios e tarifa zero, o que ajuda a população e atrai investimentos – propôs Alison Silva (MDB), líder do governo na Câmara.

    – O sistema como está não se sustenta. Sou engenheiro e me baseio em números, não em boa lábia – completou.

    – Não sou fiscal de cofre de empresa e não me preocupa o lucro. Quero saber quanto o usuário vai pagar quando subir no ônibus. Alguns caça-cliques tentam vulgarizar o debate como se déssemos dinheiro para empresa. Estamos é subsidiando a passagem para o usuário – disse Paulo Silveira (PSB).

    – Temos que resolver o que passou e rever o modelo. Temos que aumentar subsídio até tarifa zero. Nos momentos de crise quem apara as pessoas é o poder público – acrescentou.

    – É ignorância dizer que o subsídio ao transporte público é “dar dinheiro à Sogil”. A vida inteira peguei enlatados dessa empresa que pensa pouco na população. Mas é preciso fazer política com responsabilidade: há um contrato que precisa ser cumprido. Temos que arcar com isso. Não adianta fazer populismo e passar para frente para outro governo pagar – disse Fernando Deadpool (DEM).

    O ‘independente’ Dilamar Soares (PDT) fez uma previsão, lembrando, sem nominar, decisões dos governos Daniel Bordignon, Sérgio Stasinski e Marco Alba:

    – A concorrência começou em 2004 e, após disputa entre duas empresas, em 2006 a Justiça deu ganho de causa à Sogil, num contrato que permitia ser prorrogado por 10 anos por decreto. Foi o que fez o prefeito em 2015. Em 2024 será o debate da eleição: a nova licitação do transporte coletivo que será feita em 2026.

    – Sobre o PL 26, não me interessa se for bom moço ou vilão. Só não quero que meu voto vire uma questão judicial para ser paga daqui a 10 anos – complementou.

    Por parte dos convidados, os apontamentos mais polêmicos vieram de Devit Dimitrios, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

    – Fala-se em homologação pelo Judiciário, mas se trata do Cejusc (Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos), um experimento novo, para pequenas causas, e não para uma questão de R$ 5 milhões. Não houve a participação do Ministério Público. Não é um acordo judicial – disse, acrescentando também que é preciso avaliar se a pandemia é suficiente para obrigar a Prefeitura a indenizar a Sogil.

    CLIQUE AQUI para ler a íntegra do acordo no Cejusc.

    O esclarecimento veio do secretário de Mobilidade Adão Castro:

    – O Cejusc tem chancela da juíza coordenadora Dulce Ana Gomes Oppitz e do Tribunal de Justiça. Vários municípios estão usando essa mediação. Em Porto Alegre o subsídio de R$ 100 milhões foi negociado assim. Garantir o equilíbrio financeiro em contratos de concessão é uma obrigação constitucional da Prefeitura.

    Registrando o alto nível da audiência pública conduzida pelo presidente do Legislativo Alan Vieira (MDB), reputo como perguntas mais importantes, técnica e socialmente, as feitas pela vereadora Anna Beatriz e pelo vereador Thiago De Leon (PDT), sobre o congelamento das passagens, a garantia de empregos, o valor da passagem, caso o PL não seja aprovado, e também sobre qual vantagem obteve o município na negociação.

    O secretário Adão informou que uma mensagem retificativa ao PL enviada pelo governo acrescenta a garantia do congelamento da passagem.

    E o diretor da Sogil disse que não havia óbice da empresa em manter os colaboradores, já que não conta mais com cobradores nas linhas municipais.

    Já a tarifa, sem o subsídio, subiria dos atuais R$ 4,80 para R$ 6,30, conforme projeção do secretário.

    – O último cálculo tarifário apontou R$ 7,22. Sem o corte de cobradores, seria R$ 8,33. Com a redução da frota e a isenção do ISSQN e da taxa de gerenciamento, ficaria em R$ 6,36. A compra de passagens para desempregados busca trazer mais pessoas para o transporte coletivo e manter a passagem em R$ 4,80. É também um benefício a quem emprega, já que 94% é custeado pelo VT – explicou Adão Castro, projetando que, com o avanço da vacinação contra a COVID-19 e a flexibilização do distanciamento social o número de passageiros aumente.

    Eram 370 mil pagantes mensais em 2019 e hoje caiu para 150 mil/mês.

    A vantagem, conforme o diretor da Sogil, foi o acerto com uma redução de 23% na indenização que era calculada pela Sogil, além do parcelamento em 20 vezes:

    – E já suportamos os 12 meses anteriores.

    Importante registrar também que o secretário confirmou que o PL 26 não trata de aplicativos, como Uber, e nem do transporte escolar, apesar de, no acordo firmado com a Sogil, a Prefeitura ter se comprometido a estudar as pautas:

    – Os APPs fazem uma concorrência desleal com o transporte público. É uma conta que virá no futuro.

    Ao fim, estamos diante de uma ‘pauta-bomba’, impopular e inevitável. A aprovação do PL não deixa de ser uma institucionalização do subsídio ao transporte público em Gravataí, já que com uma pandemia que nunca termina, vacinação a conta gotas e um abre-e-fecha das atividades econômicas, será necessário socorro também em 2022.

    Toda luta “contra os poderosos” é sedutora. Não por gosto tenho avalizado o subsídio que, no imaginário, vai cair na conta ‘dos Sogil’, empresa cujos sócios estão entre os mais ricos da aldeia e tem executivos com altos salários, carrões e viagens internacionais. Mas na realidade é um dinheiro público para o público. Aquele que não tem como pagar R$ 6,33 de tarifa, ou já sem fôlego com a pandemia vai gastar mais pelo VT de seus funcionários.

    Ninguém me convenceu do contrário, ainda.

     

    Assista à íntegra da audiência pública e tire suas conclusões

     

    LEIA TAMBÉM

    Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa

    Apareceu o primeiro Frankenstein para ’salvar’ Gravataí do subsídio milionário ao transporte público; É do PT!

    Onde foi o dinheiro do socorro federal para Gravataí; O que ’CPI do Bolsonaro’ encontraria se investigasse

    Mais de 600 vidas perdidas em Gravataí: pandemia segue letal em em abril; O detector de mentiras do Bial

    Nunca tantos gravataienses morreram: março teve mais óbitos do que nascimentos; A virulência da COVID-19

    • política
      Oposição quer ’CPI do Miki’ em Cachoeirinha; Amizade ou relação promíscua, e as 648 horas sem provas
      por Rafael Martinelli
    • política
      O que mais preocupa Zaffa sobre pedágio em Gravataí; A 020 e os 5 pedidos ao governador
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereadores de Gravataí podem ter mesma reposição de 10 por cento do funcionalismo; Os mil a mais e o osso
      por Rafael Martinelli
    • política
      EXCLUSIVO | Miki será alvo de novo impeachment ou CPI em Cachoeirinha; ’Nunca vi denúncia tão bem formulada pelo MP’, diz advogado de vereadores
      por Rafael Martinelli
    • 23 de outubro
      141 anos de Gravataí: por que um prefeito ’trocou’ a data do aniversário para hoje
      por Redação
    • política
      Paulo Silveira e Beto, dois candidatos; A educação e a cura da sogra de Pedro
      por Rafael Martinelli
    • política
      EXCLUSIVO | Miki pede recondução à Prefeitura de Cachoeirinha; É absolutamente inocente, diz defesa ao pedir anulação de denúncias sobre ’mesadão do lixo’
      por Rafael Martinelli
    • aniversário
      Comemorar olhando para o futuro; O artigo de Zaffa nos 141 anos de Gravataí
      por Redação
    • política
      Marco Alba foi um bom gestor; Gravataí é excelência no Índice Firjan
      por Rafael Martinelli
    • política
      Já se fala em aumento de salário para vereadores de Gravataí; A fila do osso
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereadores Dila e Bino pedem mandatos na justiça por perseguição política do PDT de Gravataí; Anabel pressiona por expulsão
      por Rafael Martinelli
    • política
      O reflexo de Busato, do novo partidão do Brasil, na casa de Cláudio Ávila em Gravataí; Dimas, Odair do Acorda e o Retrato de Dorian Gray
      por Rafael Martinelli
    • política
      No que Zaffa lembra o ’Véio da Havan’; O prefeito de Gravataí e o mercador
      por Rafael Martinelli
    • política
      Chefe da Guarda de Gravataí não pode ser ’segurança’ de pub que deveria fiscalizar
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool age como um Boca Aberta de Gravataí; Um vereador a cliques da perda do mandato
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.